A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
15 de outubro de 2018
Anuncie Aqui
8498
Aquidauana

Perto de novo reajuste, vereador pede medidas para avaliar preço de combustíveis na região

Cláudio Alviço (PEN) solicitou medidas junto à Promotoria de Interesses Difusos e Coletivos e à Coordenadoria do Procon

15 MAI 2018 - 15h03min
Da Redação

Com gasolina custando quase R$ 5 o litro em Aquidauana, o vereador Cláudio Alviço (PEN) solicitou medidas junto à Promotoria de Interesses Difusos e Coletivos e à Coordenadoria do Procon, para revisão dos preços de combustíveis praticados na região. Em alguns postos, encontra-se gasolina a R$ 394,4 e em outros a R$ 4,680 ou mais. A partir de amanhã, deve haver novo reajuste conforme a Petrobras.

Segundo o vereador, a medida  tem por finalidade garantir que os direitos dos consumidores sejam respeitados e preços justos sejam praticados. Ele, contudo, salienta que é dever dos vereadores e do órgão de defesa do  consumidor (Procon) amparar, proteger e, se for necessário, exigir  que os direitos dos consumidores sejam respeitados e cumpridos.

“É importante observar que a diferença do preço por litro da gasolina comum praticado em nosso município em relação à Capital chega a R$ 0,57%”, comparou. Além disso, o parlamentar quer que seja apurada  também a possível existência de um “cartel de combustíveis” – prática que o vereador considera ilegal e que fere os direitos dos consumidores.

Conforme tabela no site da Petrobras, a partir de amanhã deve haver novo reajuste às distribuidoras. A gasolina passa de R$ 1,9330 para R$ 1,9686, e o diesel vai de R$ 2,2236 a R$ 2,2682. Isso significa que o valor na bomba deve aumentar como consequência. Entretanto, a Petrobras afirma que preço de venda às distribuidoras não é o único determinante do preço final ao consumidor. 

Como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, as revisões feitas pela Petrobras podem ou não se refletir no preço final, que incorpora tributos e repasses dos demais agentes do setor de comercialização: distribuidores, revendedores e produtores de biocombustíveis, entre outros. Além disso há questões logísticas e custos com outros serviços.

"Nossa política de preços para a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras tem como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais destes produtos mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias, por exemplo. A paridade é necessária porque o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos. Além disso, o preço considera uma margem que cobre os riscos (como volatilidade do câmbio e dos preços)", lê-se no site da companhia.

 

Veja também

Mais Lidas

1
Policial

Motorista de Parati morre após colidir com carreta na BR-060

2
Geral

Onça pintada é encontrada morta em rodovia perto de Miranda

3
Aquidauana

Motorista bêbado colide em traseira de moto, ameaça policiais e é preso em flagrante

4
Aquidauana

Dupla com cerveja e maconha é flagrada pela PM derrapando pneus em rotatória

Vídeos

Entrevista com os produtores do Longa-Metragem sobre Sasha Siemel

Tráfego de carretas no cruzamento da Duque de Caxias causa preocupação na população.

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
3,40m
Miranda
4,16m
Aquidauana
3,06m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Aos...

Robinson L Araujo

UMA HERANÇA ESTABELECIDA POR DEUS

Manoel Afonso

Rumo às urnas com a faca afiada (Amplavisão 1326)

Ver Mais Colunas
498110596