A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
11 de Dezembro de 2017
Anuncie Aqui
8492
População em risco

Ponte Velha passa a fazer jus ao nome e vira desafio para quem passa a pé ou de moto

Atravessar a estrutura requer cuidado e atenção

22 SET 2017 - 09h30min
DValentim

Pregos levantados e abertura entre as madeiras da Ponte Roldão de Oliveira são alguns dos desafios enfrentados por motociclistas e pedestres de Aquidauana e Anastácio que precisam passar pelo local diariamente. As fendas na estrutura cabem pneus de motocicletas e atravessar a ligação entre as cidades requer cuidado e atenção.

Denominada Roldão de Oliveira, a estrutura é popularmente conhecida como Ponte Velha ou Ponte da Amizade. Todos os custos com reformas ou manutenções são divididos entre as administrações de Aquidauana e Anastácio.  Construída sobre pilares de pedras, com lastro de madeira e parte da estrutura de ferro, a ponte passa sobre o rio Aquidauana e une as duas cidades.

A ponte passou por uma troca de madeiramento em setembro de 2014, na qual Anastácio arcou com as despesas. Em março e julho de 2015 passou por suas últimas manutenções. Em outubro do mesmo ano, a administração de Aquidauana se envolveu em uma polêmica após mandar pintar somente metade da ponte. O prefeito Zé Henrique, na época, negou as acusações.

População pede socorro

Problema vai e vem e os moradores não aguentam mais justificativas. Mareide Lima de 60 anos é proprietária de um restaurante na região. Ela relata o medo de passar pela ponte.

“Eles vão e prega essas tábuas com prego não adianta. Tem que colocar no mínimo uns parafusos que eu acho que vai durar mais tempo. Mas primeiro tem que trocar tudo essas tábuas. Ali (ponte) está um perigo passar. Eu passo com medo”, disse. 

O serviço gerais Gilberto Torres de 45 anos revela os perigos de quem precisa atravessar o local de motocicleta.

“Rapaz essa ponte ai é um perigo pra nós que temos moto. Não sei o que eles estão esperando para arrumar. Isso aí deveria estar interditado há horas. Eles, os prefeitos, passam de caminhonete e não veem o defeito. Manda eles virem de moto ou a pé aqui, na mesma hora manda arrumar ou interdita. Está horrível está ponte”, desabafou.

O Jornal O Pantaneiro indagou a Prefeitura de Anastácio sobre a situação da ponte e previsão de manutenção, que informou  que a Secretaria de Obras dispõe de uma equipe de manutenção responsável por pregar os pregos soltos. A última manutenção ocorreu no 6 de setembro, véspera do Desfile da Independência, 7 de Setembro. A prefeitura garantiu que uma equipe irá na tarde desta sexta-feira realizar nova manutenção.

A prefeitura de Aquiduana ainda não se posicionou.

Você Repórter -  Flagrantes, denúncias, reclamações, fotos, vídeos e sugestões podem ser enviados para os números de WhatsApp (67) 9 9956-2153/ (67) 9 9856-0000, ou por e-mail: redacao@opantaneiro.com.br . Seja um colaborador do Jornal O Pantaneiro com total sigilo garantido por lei.

(Matéria editada às 10h40 para inclusão de posicioamento)

Pregos levantados e abertura entre as madeiras são alguns dos desafios enfrentados
Pregos levantados e abertura entre as madeiras são alguns dos desafios enfrentados / Luiz Guido
Pregos levantados e abertura entre as madeiras são alguns dos desafios enfrentados

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Jovem é esfaqueado nas costas no Parque de Exposições

2
Aquidauana

Grupo bebe engradado de cerveja em lanchonete do Bairro Alto e foge sem pagar

3
Aquidauana

Idoso paga R$ 10 por programa e acusa mulher de furto no Guanandy

4
Policial

Tenentes da Marinha são presos levando armas e mais de 1000 munições para RJ

Vídeos

Entrevista com os produtores do Longa-Metragem sobre Sasha Siemel

Tráfego de carretas no cruzamento da Duque de Caxias causa preocupação na população.

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
5,67m
Miranda
7,36m
Paraguai
1,86m

Colunas e Blogs

Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: HISTÓRIAS FEITAS DE GENTES E D...

Valdemir Gomes

Re...

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

Estudo de caso

Ver Mais Colunas
498110542