A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
19 de Setembro de 2017
Anuncie Aqui
8474
Brasil

Trabalhador que deixou de contribuir com INSS pode voltar a ter auxílio-doença

5 NOV 2016 - 18h11min
Agência Brasil
Os trabalhadores que deixaram de contribuir com a Previdência Social terão mais facilidade para obter benefícios como auxílio-doença, aposentadoria por invalidez e salário-maternidade. Com a perda da validade da Medida Provisória (MP) 739, as regras antigas de concessão dos benefícios voltam a valer neste sábado (5).
 
Pela MP editada em julho, o trabalhador que deixou de pagar ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e tinha perdido a qualidade de segurado tinha de contribuir com a Previdência Social por pelo menos 12 meses para ter direito ao auxílio-doença e à aposentadoria por invalidez. Para o salário-maternidade, a exigência mínima eram dez contribuições. Agora, bastam quatro novas contribuições para ter acesso aos benefícios.
 
Em todos os casos, o trabalhador precisa quitar pelo menos 12 contribuições para ter direito ao benefício, somadas os pagamentos antigos e novos. O segurado perde direito à cobertura da Previdência Social quando fica de seis meses a três anos sem pagar INSS, dependendo do tipo e do tempo de contribuição.
 
Com a perda de validade da medida provisória, o trabalhador que teve o auxílio-doença ou a aposentadoria por invalidez rejeitada pode entrar novamente com um pedido de perícia. No entanto, é preciso esperar pelo menos 30 dias desde o laudo negativo do médico.
 
No caso do salário-maternidade, paga pelo patrão, a trabalhadora que tenha tido o pedido rejeitado deverá avisar o patrão, que precisará refazer o pedido no posto do INSS. Desde 2003, o empregador paga o salário-maternidade e abate o valor das contribuições patronais à Previdência.
 
Perda de validade
 
No início de julho, o governo editou uma medida provisória com um pente-fino nos benefícios de aposentadoria por invalidez, do auxílio-doença e do benefício de prestação continuada. A mesma MP determinava normas mais rígidas para a concessão de benefícios a segurados que tinham deixado de contribuir com o INSS.
 
As novas regras vigoraram por 120 dias, mas perderam a validade ontem (4) porque o texto não chegou a ser votado nem na Câmara nem no Senado.
 
A MP também autorizava o pagamento de um bônus aos médicos peritos do INSS para fazerem horas-extras e darem conta do fluxo de revisões. A perda de validade tornará mais lento o pente-fino nos benefícios porque o governo não poderá pagar o adicional aos médicos peritos enquanto não houver uma solução legislativa.
 
Pela legislação, o governo não pode editar duas medidas provisórias com o mesmo tema no mesmo ano. No entanto, em tese, pode editar uma MP com outro tema e incluir no texto o pagamento do adicional por perícia aos médicos do INSS.

Veja também

Mais Lidas

1
Anastácio

Motorista morre após perder controle da direção

2
Anastácio

Embriagado, soldado do Exército é preso após bater contra muro

3
Aquidauana

Artesão e marceneiro, Zé Descamisado não veste uma camiseta há 40 dias

4
Policial

Carreta descontrolada atinge carros em bloqueio e mata duas pessoas

Vídeos

Sucuri maltratada por turistas em Albuquerque - Distrito Corumbá MS

Carreta Hospital do Câncer de Barretos

Banda grava clipe musical entre vagões da estação ferroviária de Aquidauana

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
2,38m
Miranda
2,11m
Paraguai
3,46m

Colunas e Blogs

Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: E AGORA, ARNALDO?

Valdemir Gomes

Adeus...

Raquel Anderson

As belas lembranças da vida que agora doem!

Ver Mais Colunas
498110557