A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
24 de fevereiro de 2020
Anuncie Aqui
-->
Brasil

Violência atinge mais mulheres que trabalham fora, mostra estudo

20 AGO 2019 - 09h00min
Agência Brasil

Trabalhar fora e ter independência financeira não é garantia de proteção às mulheres contra a violência doméstica. É o que aponta um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgado nesta segunda-feira (19). De acordo com os dados levantados, o índice de violência contra mulheres que integram a população economicamente ativa (52,2%) é praticamente o dobro do registrado pelas que não compõem o mercado de trabalho (24,9%).

“Uma possível explicação é que, pelo menos para um conjunto de casais, o aumento da participação feminina na renda familiar eleva o poder de barganha das mulheres, reduzindo a probabilidade de sofrerem violência conjugal. Em muitos casos, porém, a presença feminina no mercado de trabalho – por contrariar o papel devido à mesma dentro de valores patriarcais – faz aumentar as tensões entre o casal, o que resulta em casos de agressões e no fim da união”, destacou o Ipea.

“Uma das conclusões é que o empoderamento econômico da mulher, a partir do trabalho fora de casa e da diminuição das discrepâncias salariais, não se mostra suficiente para superar a desigualdade de gênero geradora de violência no Brasil”.

De acordo com o estudo, outras políticas públicas se fazem necessárias "como o investimento em produção e consolidação de bases de dados qualificados sobre a questão, o aperfeiçoamento da Lei Maria da Penha e intervenções no campo educacional para maior conscientização e respeito às diferenças de gênero”.

Conforme o estudo do Ipea, o índice de violência doméstica com vítimas femininas é três vezes maior que o registrado com homens. Os dados avaliados na pesquisa mostram também que, em 43,1% dos casos, a violência ocorre tipicamente na residência da mulher, e em 36,7% dos casos a agressão se dá em vias públicas.

“Na relação entre a vítima e o perpetrador, 32,2% dos atos são realizados por pessoas conhecidas, 29,1% por pessoa desconhecida e 25,9% pelo cônjuge ou ex-cônjuge. Com relação à procura pela polícia após a agressão, muitas mulheres não fazem a denúncia por medo de retaliação ou impunidade: 22,1% delas recorrem à polícia, enquanto 20,8% não registram queixa”, apontou o trabalho do Ipea.

O conteúdo completo da pesquisa, elaborada por Daniel Cerqueira, Rodrigo Moura e Wânia Pasinato, pode ser acessado na página do Ipea na internet.

 

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Pela 2ª vez, luzes misteriosas surgem no céu de Aquidauana e intrigam moradores

2
Policial

Voltando de festa, carro tomba e rapaz de 25 anos morre em acidente na Capital

3
Anastácio

Sem habilitação e embriagado, motorista atropela duas pessoas e termina preso em Anastácio

4
Aquidauana

Nível do rio Aquidauana sobe e Defesa Civil está em alerta

Vídeos

Video da perseguição da Policia Civil

“Amigo que é amigo não derruba” Compartilha o Corpo de Bombeiros nas redes sociais

Águas do Miranda representa o Centro-Oeste na 7ª edição do Concurso Lei Maria da Pena

Ver mais Videos

Previsão do Tempo

min21 max31

Aquidauana

Sol com algumas nuvens e chuva passageira durante o dia. À noite o tempo fica firme.
min21 max31

Anastácio

Sol com algumas nuvens e chuva passageira durante o dia. À noite o tempo fica firme.

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
4,99m
Miranda
6,45m
Paraguai
1,50m

Colunas e Blogs

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

"UM PATO FEIO"

Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: FANTASIAS

Valdemir Gomes

NUm...

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Auto Elétrica/Oficinas

Auto eletrica Cruzeiro

Manoel Antonio Paes de Barros, 790 - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241 3228
Camping

Camping Pequi - Estrada da Margem Esquerda

, - 79210-000 Anastácio/MS (55) (67) 3245-0949/ www.pantanalpequi.com.br
Supermercados

Casa Tamashiro

Estevão Alves Corrêa, 944 - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-2106
Ver Mais