A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
25 de Março de 2017
Anuncie Aqui
8214

Quilombolas de Aquidauana e Corguinho são as primeiras a ganhar telefone público no MS

8 FEV 2017 - 17h12min
MPF
As comunidades quilombolas Furnas dos Baianos, em Aquidauana (MS), e Furnas de Boa Sorte, em Corguinhos (MS), conquistaram, no final de 2016, o primeiro telefone público, após 10 anos de reivindicação. Os moradores, com a intermediação do Ministério Público Federal (MPF), conseguiram provar extrajudicialmente os requisitos necessários para a aplicação do Plano Geral de Metas para a Universalização do Serviço Telefônico Fixo Comutado, do Governo Federal.
 
Segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e a Brasil Telecom - responsáveis pela autorização e instalação dos equipamentos -, as comunidades não poderiam ser beneficiadas com um telefone público por morarem em domicílios dispersos na zona rural, com distâncias superiores a 50 metros, e possuírem população inferior a 100 habitantes.
 
Por meio de ofícios, o MPF contestou a Anatel e juntou abaixo-assinado dos moradores que comprovava o número de habitantes superior a 100, além de documentação encaminhada pelo Incra atestando o preenchimento dos requisitos pelas duas comunidades. Para o Ministério Público Federal, o acesso à telefonia pública é um direito dos quilombolas e meio de assegurar dignidade aos moradores, especialmente em situações de emergência em saúde.
 
Em junho do ano passado, a Oi (sucessora da Brasil Telecom) informou ao MPF a realização de novas vistorias nas comunidades e inclusão de Furnas dos Baianos e Furnas de Boa Sorte na programação para instalação do equipamento no segundo semestre de 2016. De acordo com a empresa, por se tratar de área rural e de comunidades quilombolas certificadas pela Fundação Palmares, as duas comunidades foram elegíveis para o atendimento com telefones públicos.
 
?Apesar do tempo dispendido na troca de ofícios e levantamento de dados, vale ressaltar a satisfação da reivindicação das comunidades negras sem a necessidade de ajuizamento de ação, o que tornaria o processo ainda mais burocrático e demorado?, esclarece o procurador da República Emerson Kalif Siqueira.
 
Com a efetiva instalação dos orelhões nas comunidades quilombolas, atestada pelos moradores em 13 de dezembro, o MPF promoveu o arquivamento do inquérito civil público que acompanhava essa demanda das comunidades.

Veja também

Mais Lidas

1
Policial

Mulher descobre traição, marca encontro com amante do marido e é agredida

2
Policial

Jovem tem o celular furtado depois de parar no semáforo em Anastácio

3
Policial

'Tarado gemedor' troca de carro e ataca de novo

4
Policial

PM prende ladrões que furtavam casas e lojas em Aquidauana e Anastácio

Vídeos

Criança ainda está desaparecida nas águas do Aquidauana

Incêndio em residência em Anastácio

Lançamento de Obras em Aquidauana

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
3,46m
Miranda
2,38m
Paraguai
2,30m
Rio Cuiabá
3,72m
Rio Taquari
4,10m

Colunas e Blogs

Manoel Afonso

PMDB-PSDB, mais afinidades do que diferenças

Raquel Anderson

Embalando o presente

Rosildo Barcellos

Cromossomos Felizes

Ver Mais Colunas
472810575