A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
24 de Abril de 2017
Anuncie Aqui
8189

Encenação da Retirada da Laguna em Nioaque atrai cerca de 2 mil pessoas

26 SET 2016 - 20h00min
Governo do MS
Aproximadamente duas mil pessoas acompanharam a encenação dos fatos históricos ocorridos na época da Retirada da Laguna, em Nioaque, na Praça dos Heróis, na última sexta-feira, 23 de setembro. O evento contou com o apoio da Sectei e Fundação de Cultura, com realização e produção do Exército Brasileiro e comunidade local, e fez parte do ?Projeto 150 anos da Retirada da Laguna?.
 
A programação iniciou com apresentação da Banda de Música do Comando Militar do Oeste, seguida da encenação. A Feira de Artesanato e apresentações culturais aconteceram às 19 horas, sempre na Praça dos Heróis. Esta foi a 12ª vez que a encenação foi realizada.
 
A encenação teve como um dos diretores e preparador corporal o gestor da Sectei Fábio Germano, que é diretor teatral. Ele ficou duas semanas no município realizando workshops e ensaios para o evento. Participaram 70 soldados do 9º Grupo de Artilharia de Campanha e 60 pessoas da comunidade. ?São voluntários que se reúnem uma vez por ano para encenar a história que se passou em Nioaque?, explica Fábio.
 
As tropas brasileiras partiram do Rio de Janeiro. Saíram três mil pessoas e chegaram apenas 1.830, pois muitos morreram de doenças ao longo do caminho. Ao chegar em Nioaque, arregimentaram os civis e indígenas das etnias Terena e Guaicuru para a batalha. José Francisco Lopes, o Guia Lopes, conduziu o exército brasileiro até a Estância Laguna, no Paraguai, pertencente a Solano Lopes, mas ao chegar lá bateram em retirada, pois o exército brasileiro não tinha condições de batalha.
 
Voltaram para Nioaque, mas os paraguaios foram na frente e chegaram primeiro. Quando os brasileiros ali chegaram foram se alojar na Igreja, ocasião de que os paraguaios se aproveitaram, preparando uma armadilha com explosivos. Muitos morreram na explosão. A encenação termina com uma homenagem aos combatentes mortos.
 
Fábio declara que a encenação tem importância pelo fator histórico. ?O teatro exige disciplina e o exército tem isso. Foi um espetáculo inclusivo. Participou o professor, o médico, alunos, pedreiros, militares, foi um fio condutor para unir as diferenças. A encenação proporciona à comunidade, além do fazer artístico, a oportunidade de reforçar a identidade local. A arte tem esse poder de transformar?, finaliza.
 
Na cidade de Nioaque o evento contou com o apoio Secretaria de Estado de Cultura, Turismo Empreendedorismo e Inovação, do Sindicato Rural de Nioaque, FHE-Poupex, Prefeitura Municipal e Grupo Feitosa de Comunicação.

Veja também

Mais Lidas

1
Policial

Vítimas de chacina são evangélicos; um pastor está entre os mortos

2
Policial

Jovem é preso na Nova Aquidauana por esconder droga em buraco no quintal

3
Policial

Garota tenta beijar outra garota e caso vai parar na Polícia

4
Policial

Van que transportava alunos de Dois Irmãos do Buriti é retida pela PRF

Vídeos

Blitz educatica frente ao Exercito

Sucuri de três metros é capturada em Anastácio-MS

Blitz educativa Aquidauana-MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
3,78m
Miranda
2,99m
Paraguai
2,68m
Rio Cuiabá
3,76m
Rio Taquari
4,37m

Colunas e Blogs

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

Do abraço, do afago e do aconchego: as distâncias, apen...

Raquel Anderson

Pequeno profundo diário IV

Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: FIM DOS TEMPOS?

Ver Mais Colunas
472810404