A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
06 de abril de 2020
Anuncie Aqui
-->
Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: SONHOS

Giovani José da Silva
14 FEV 2020 - 08h39min

         Aproveito o fato de ter sonhado nesta semana com alguém que não vejo há tempos – e que já revelou não querer mais me ver ou falar comigo – para apresentar aos caros leitores um pouco do que aprendi sobre sonhos, tal como me revelaram os anciãos e as anciãs indígenas com quem convivi ao longo dos últimos 29 anos! Escrevo sobre isso com muita tranquilidade, pois desde que decidi me embrenhar nas matas, longe do barulho e das luzes das cidades, e a conviver com indígenas (Kadiwéu, Terena, Kinikinau, Kamba, Guató, Bororo, Atikum e tantos outros povos) sempre me deparei com o sagrado, o imaterial indissociável da vida material e cotidiana. Portanto, quando me perguntam como concilio o lado cientista – de historiador, professor e aprendiz de antropólogo – com o lado crente (daquele que crê e não necessariamente do que possui uma religião/ religiosidade específica), a resposta me vem fácil, na ponta da língua: não posso/ consigo separar os “lados”, pois ambos são como faces de uma mesma moeda... Pois bem, aprendi com pajés e “antigos” sábios que temos vários tipos de sonhos e que eles servem para o aprendizado de quem foi escolhido para ser xamã/ pajé/ curandeiro. Inclusive, foi em um sonho, há muito tempo, que me foi revelado que este seria, também, o meu caminhar ao longo da vida, como predisse meu “vô Somário”! Algum tempo atrás tive um sonho de “visitação”: tia Irene, uma tia-avó materna querida, visitou-me e me contou que meu padrinho e tio-avô, Celso, estava bem. Além disso, avisou-me que em breve meu pai me visitaria em sonhos, o que, de fato, ocorreu... Dessa forma, o sonho de “visitação” com tia Irene, “la Negra”, também pode ser considerado um sonho de “anunciação”, quando alguma notícia, alegre ou triste, nos é comunicada. Geralmente, tenho sonhos de “anunciação” quando recebo mensagens da terra dos sonhos (ou aldeia da memória), em que sou informado da partida ou da chegada de algum membro da família ou amigo! Outro exemplo de sonho de “visitação” que tive está relacionado à procura pelos restos mortais do explorador italiano Guido Boggiani (1861-1901). Explico: Boggiani esteve entre os Kadiwéu em duas ocasiões, em fins do século XIX: 1892 e 1897. Sobre os Caduveos (era assim que os chamava) deixou preciosos diários, já publicados em Português (Itatiaia, 1975) . Quando entrei em contato com os Ejiwajegi (autodenominação Kadiwéu), pela primeira vez, as leituras das obras de Boggiani, dentre outros, foram valiosas para o meu entrosamento inicial entre eles. Sem contar que meu nome, italiano (significa “juventude”), levava os mais “antigos” a imaginarem que eu tivesse algum parentesco com o explorador do século XIX. Boggiani morreu no início do século XX pelas mãos de um indígena Chamacoco, Luciano (versão oficial). Os Tomaraho (também conhecidos como “Chamacoco bravo”), na época, eram inimigos dos Kadiwéu. Quem me contou essa história foi a “memé” Durila, que me apareceu em sonho e pediu que eu “descobrisse” onde estava enterrado o “meu parente”. E não é que os restos mortais de Boggiani foram encontrados, em uma capela no Cemitério dos Italianos (Assunção, Paraguai), ao lado dos de Felix Gavilan, acompanhante naquela que seria sua última expedição pelo Chaco paraguaio/ Pantanal brasileiro, em 1901? Finalmente (embora não seja o último tipo), há os sonhos de “evitação”, em que sou alertado sobre perigos a serem enfrentados e obstáculos a serem evitados... Os sonhos fazem parte (ou deveriam fazer) do aprendizado de qualquer pessoa, especialmente daqueles que se preparam, como eu, para ajudar a manter o céu sobre nossas cabeças, para que não desabe sobre o mundo o caos e o devaneio. Também aprendi com velhos e velhas indígenas que vivemos em um mundo doente e que palavras que saem de nossas bocas, além de práticas benfazejas, ajudam a curar as gentes, os bichos, as plantas que vivem no planeta. O xamanismo indígena se constitui, portanto, em um sistema eficaz de palavras benditas (bem ditas), que curam, transmitidas inclusive em sonhos. Isso é, também, uma forma de fazer política, embora muitos pensem que se trate apenas de religião, de alienação e de fuga da realidade! A realidade para muitos povos indígenas não é feita apenas do que se vê/ cheira/ ouve/ toca, mas, também, do invisível, do etéreo e (por que não?) dos sonhos...          

 

Veja também

Mais Lidas

1
Policial

Pai é morto e mãe agredida a pauladas após negarem dinheiro para filho comprar pinga

2
Anastácio

Mulher se envolve em acidente e é presa dirigindo embriagada em Anastácio

3
Policial

Dois embriagados são presos após ameaçarem moradores com facão em Aquidauana

4
Bonito

Mulher faz festa, é detida e tenta fugir de viatura em movimento em Bonito

Vídeos

Motorista de trator diz que tentou desviar da moto para evitar acidente fatal

PM grava vídeo na língua terena para orientar indígenas sobre prevenção ao coronavírus

Lideranças de Taunay fecham o acesso ao distrito para quem não é morador

Ver mais Videos

Previsão do Tempo

min24 max34

Aquidauana

Sol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
min24 max34

Anastácio

Sol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
2,40m
Miranda
2,35m
Paraguai
1,80m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Este...

Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: NADA SERÁ COMO ANTES (SERÁ?)

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

"O PÁSSARO DA SORTE"

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Moto Táxi

Moto Táxi Central

Rua Teodoro Rondon, 715 Centro - Ponto de referência: frente ao Mercado Ce - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241 2075
Bares/Panificadoras/Lanchonetes

Auto eletrica e peças Globo

Teodoro Rondon, 347 - 79200-000 Aquidauana/MS (67)
Telefones Úteis

Policia Civil - 1º DP

Luís da Costa Gomes, 555 Cidade Nova - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-2020/3241-
Ver Mais