A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
19 de Outubro de 2017
Anuncie Aqui
8502
Dr. Vitor Maksoud

É preciso saber (Medicina VII)

Botulismo / Botulismo do Lactente Aspectos Clínicos e Epidemiológicos Descrição - O botulismo clás sico é uma intoxicação grave, de origem alimentar, caracterizada por comprometimento agudo e bilateral de pares cranianos, fraqueza a paralisia...

dothCom Consultoria Digital
6 JUN 2011 - 00h00min

Botulismo / Botulismo do Lactente

Aspectos Clínicos e Epidemiológicos

Descrição - O botulismo clás sico é uma intoxicação grave, de origem alimentar, caracterizada por comprometimento agudo e bilateral de pares cranianos, fraqueza a paralisia flácida das vias descendentes. Pode estar acompanhado, inicialmente, de diplopia, boca seca, disfagia, disfonia e fraqueza muscular progressiva, que evolui para paralisia respiratória. Não cursa com febre. Tremores e vômitos podem estar presentes. O botulismo do lactente atinge, principalmete, menores de 1 ano, e, ocasionalmente, adultos; caracteriza-se por tremores, hipotonia, inapetência, disfagia, podendo evoluir para insuficiência e parada respiratória.
Agente etiológico - O botulismo clássico é causado pelas toxinas do Clostridium botulinun, bacilo anaeróbio, estrito esporulado, nos tipos A, B, E e, em raras ocasiões, pelo tipo F. O botulismo dos lactentes é causado, principalmente, pelos tipos A e B.
Reservatórios - Os esporos estão distribuídos no solo, estando presentes com freqüência em produtos agrícolas, inclusive no mel. Estão presentes, também, em sedimentos marinhos e nas vias intestinais dos peixes.
Modo de Transmissão - Botulismo clássico (alimentar) é adquirido através da ingestão de alimentos contamindos com a toxina botulínica. O botulismo do lactente ocorre por ingestão dos esporos botulínicos, que proliferam nas vias intestinais.
Período de Incubação - No botulismo clássico, varia de 12 a 36 horas, podendo, ocasionalmente, durar vários dias. Desconhece-se o período de incubação para o botulismo do lactente.
Período de Transmissibilidade - Apesar da excreção da toxina botulínica nas fezes, durante semanas ou meses de doença, não se detectou transmissão secundária entre as pessoas.
Complicações - Pneumonia por aspiração, infecção e paralisia respiratórias, levando óbito. O Botulismo do lactente é responsável por 5% de morte súbita nesse grupo.
Diagnóstico - Botulismo clássico: além do quadro clínico-epidemiológico, o diagnóstico é confirmado pela identificação da toxina botulínica nas fezes, no soro, aspirado gástrico ou alimento suspeito: cultura das fezes de um caso  suspeito. Botulismos do lactante:  identificação direta do C. botulinum, sua toxina ou ambos, nas fezes de doentes ou através de necrópcias.
Diagnóstico diferencial: Poliomielite bulbar (erradicado do Brasil), síndrome de Guillan-Barré, meningoencefalites, polineurites, miastenia gravis, outros tipos de intoxicação, de origem bacteriana, vegetal, animal e química.
Tratamento: o paciente deverá ser encaminhado à Unidade de Tratamento Intensivo, para tratar insuficiência respiratória aguda e receber tratamento de suporte às complicações. Quando disponível, poderá ser utilizada antitoxina botulínica trivalente. Seu uso não é recomendado em crianças.
Características epidemiológicas: Doença de distribuição universal, relacionada ao uso de produtos alimentícios preparados ou conservados por métodos que não destroem os esporos do C.botulinum, permitindo a formação de toxinas. Não se conhece a distribuição real do botulismo do lactante, por ser entidade pouco conhecida pelos médicos. Há relatos de intoxicações por defumados, salsichas e conservas. No botulismo do lactante, o uso do mel parece ter importância.

Vigilância epidemiológica

Objetivo - A partir de casos suspeitos, identificar as prováveis fontes de contaminação para adoção das medidas de controle pertinentes.
Notificação - Apesar de não estar incluído na lista de doenças de Notificação Compulsória, todos os casos devem ser informados às autoridades de saúde por se tratar de agravo inusitado, que deve ser investigado para a adoção de medidas de prevenção, em particular alerta à vigilância sanitária para apreensão de alimentos.
Medidas de controle - a) Vigilância sanitária: do processo de industrialização e preparação de alimentos enlatados e em conserva. b) Educação para saúde: orientação das pessoas que se dedicam à preparação de enlatados e conservas caseiras quanto às técnicas de conservação (tempo, preparo e temperatura adequada para destruição dos poros). Informar à população sobre o risco de rançoso, que não podem ser ingeridos. c) Desinfecção Concorrente: alimentos contaminados devem passar por ebulição antes de serem descartados. Eliminação sanitária das fezes de lactantes doentes. Desinfecção terminal.
Aquidauana, MS 25 de Setembro de 2007

VITOR MAKSOUD
MÉDICO
CRM/MS-61

Referencia : Doenças Infecciosas e Parasitárias

Veja também

Mais Lidas

1
Turismo

Vídeo: sucuri surpreende turista durante passeio em balneário de MS

2
Aquidauana

Moto bate na traseira de Saveiro e deixa dois rapazes de 19 anos feridos

3
Policial

Dupla mata anta a tiros e acaba presa e multada em R$ 10 mil

4
Aquidauana

O Pantaneiro errou em reportagem sobre retirada de ambulantes

Vídeos

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Fiações rompidas são recuperadas e motoristas ‘fora do padrão’ podem ser responsabilizados

Moradores de Anastácio flagram óleo descendo para Rio Aquidauana

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
2,87m
Miranda
2,28m
Paraguai
2,41m

Colunas e Blogs

Raquel Anderson

Oswaldão e o horário de Verão!

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

Viajar só faz bem...

Pedro Puttini Mendes

Aquidauana: "meio" ambiente ou um ambiente inteiro?

Ver Mais Colunas
498110634