A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
22 de agosto de 2019
Anuncie Aqui
8822-->
Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: EM CUIABÁ

Giovani José da Silva
20 JAN 2019 - 23h12min

      Estou de volta à Cuiabá, capital de Mato Grosso, onde vivi e estudei há quase vinte anos. Naquele ano de 1999 trabalhava para a Prefeitura de Porto Murtinho, Mato Grosso do Sul, e decidi me afastar por alguns meses, a fim de cursar Antropologia na Universidade de São Paulo – USP. Sentindo que ali não era o “meu lugar”, me mudei com a cara e a coragem para a capital mato-grossense, a fim de realizar o curso de Especialização em Antropologia: teorias e métodos, oferecido pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Foram sete meses de intensos estudos – de maio a dezembro – em que passei por poucas e boas, além de ter feito bonitas amizades que perduram até os dias de hoje. Tudo era muito novo para mim, que não conhecia ninguém até então na cidade. Um calor infernal, a falta de dinheiro (que me obrigou por vezes a fazer apenas uma refeição ao dia, que consistia em uma coxinha e um suco de laranja ou limão!), a convivência com pessoas estranhas em um apartamento que mais parecia um hospício: nada disso me demoveu do desejo de me tornar “antropólogo”. Mal sabia que dois anos depois, na época em que recebi o certificado de conclusão do curso, eu e meus colegas seríamos considerados tão somente “especialistas” na disciplina e não profissionais da área. Contudo, isso não impediu que eu realizasse trabalhos para a Fundação Nacional do Índio (Funai) e para o Ministério de Minas e Energia, especificamente no Programa Luz para Todos, em aldeias indígenas. Para a Funai, tive a honra de participar como antropólogo-coordenador do processo de identificação e de delimitação da Terra Indígena Baía dos Guatós, localizada entre os municípios de Poconé e de Barão de Melgaço e recentemente homologada pelo Governo Federal. Ainda que vivamos num momento histórico em que há sérias ameaças aos direitos de populações indígenas sobre os territórios já demarcados e a demarcar, a formação que obtive em terras cuiabanas me possibilitou prestar relevantes serviços ao meu país e às suas gentes. Na época, tive sérias dúvidas sobre o que pesquisar para a monografia, pois já tinha vivido um período de dois anos entre os Kadiwéu, de Porto Murtinho. Entretanto, ao entender (e levar ao pé da letra) que um antropólogo deveria tornar familiar o que lhe fosse estranho e estranhar o que lhe parecesse familiar, decidi procurar os “terra seca” de que ouvira falar tanto quando da convivência entre os Terena (1991-1995). Tratava-se dos Atikum, os “índios negros” que viviam em Mato Grosso do Sul, no município de Nioaque, em meio aos Terena e aos Kinikinau. As aulas de Edir, Joana, Fátima, Roberto, Aderval, Maria Inês, João Dal Poz e Renate, além das participações especiais de João Pacheco de Oliveira (UFRJ/ Museu Nacional) e de Roque de Barros Laraia (UnB), foram fundamentais para dar “corpo” ao meu trabalho final, intitulado Da terra seca à condição de índios “terra seca”: os Atikum em Mato Grosso do Sul. Dezenas de horas de entrevistas gravadas, leituras sem fim de textos clássicos e contemporâneos da Antropologia, contatos com a temática dos indígenas “emergentes” do Nordeste brasileiro me fizeram mais do que um “tropóligui” ou “tropologista” (como gostava de me chamar o senhor Aliano, líder Atikum). Em campo, aprendi as desventuras em série que um trabalho etnográfico pode propiciar a um novato e vivi experiências enriquecedoras e inesquecíveis. Sem a pretensão de esgotar um assunto tão vasto e complexo, escrevi a monografia enquanto realizava as inúmeras leituras exigidas por nossos professores, elaborava trabalhos de conclusão de disciplinas e ainda tentava dar conta das “cousas miúdas” do cotidiano. Não foram poucas as vezes em que, exausto e faminto, pensei em desistir de tudo e voltar para casa. O saldo de toda essa história? Extremamente positivo, levando-se em conta a amizade com Anna Maria e Zé Eduardo, o casal que me hospeda nesta semana em Cuiabá, além dos queridos Sérgio e Bernadete. Ao olhar para trás, há duas décadas, sinto que uma escolha aparentemente irresponsável e duvidosa se mostrou um acertado rumo que dei à minha carreira e à vida que se seguiu à realização do curso. Obrigado, Cuiabá!

 

Veja também

Mais Lidas

1
Nota de Falecimento

Jorge Kuzano morre após ser atropelado por caminhonete em Piraputanga

2
Aquidauana

Homem se engasga com laranja em casa e morre a caminho de Hospital

3
Nota de Falecimento

Jorge Kuzano morre após ser atropelado por caminhonete em Piraputanga

4
Nota de Falecimento

Jorge Kuzano morre após ser atropelado por caminhonete em Piraputanga

Vídeos

Wild Camp reúne apaixonados por Kombi neste fim de semana em Camisão

Wild Camp reúne apaixonados por Kombi neste fim de semana em Camisão

Gaeco apreende 26 armas, munições e documentos que já estão na Delegacia de Aquidauana

Ver mais Videos

Previsão do Tempo

min18 max35

Aquidauana

Sol com algumas nuvens. Não chove.
min18 max35

Anastácio

Sol com algumas nuvens. Não chove.

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
2,24m
Miranda
2,21m
Paraguai
3,58m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Quando...

Raquel Anderson

Aquidauana

Fausto Matogrosso

ATÉ QUANDO?

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Médicos

Marcos Rondon Vaz de Melo

, - Aquidauana/MS (67)
Casas Agropecuárias

Globo Agropecuária

Rua Theodoro Rondon, Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-4357
Telefones Úteis

Estação Rodoviaria

Rua Estevão Alves Correa, Bairro Alto - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241 2158
Ver Mais
508110555