A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
18 de janeiro de 2019
Anuncie Aqui
8490
Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: FELIZ ANO VELHO! MUITO VELHO...

Giovani José da Silva
4 JAN 2019 - 07h42min

      O ano da graça de 2019 iniciou da pior maneira possível para muitos brasileiros, incluindo este que escreve a coluna Histórias de admirar. Não, caros leitores, não estou me referindo à posse do (nem tão) novo presidente da República ou às primeiras medidas (algumas desastrosas, dos pontos de vista ético e social) tomadas por ele e por sua equipe de trabalho, formada majoritariamente por homens, “brancos” e cristãos. Refiro-me à educação, ou à falta dela, que verifico entre os que se mostram descontentes com a chegada ao poder político de uma corrente partidária pautada em ideias e ações autoritárias, excludentes e truculentas. Nos primeiros dias vi minha linha do tempo no Facebook ser “inundada” por ironias, sarcasmos, ofensas, “memes”, etc. e fiquei me perguntando: é o melhor que podemos/ conseguimos fazer? Compreendo a necessidade de se extravasar frustrações, de se elaborar ressentimentos e rancores, de “dar uma banana” aos que não concordaram com nossas ideias e ideais, contrapondo-os muitas vezes com sofismas e enganações. Porém, continuo a sentir falta de uma autocrítica coletiva severa, por parte de quem deveria ter se preocupado mais com a Educação Básica de todos e menos com projetos pessoais de ascensão social, de prestígio acadêmico, de obtenção de bolsas ou de quaisquer outros de natureza individualista e não cooperativa. Seja como for, não chegamos onde estamos apenas por causa de fake news ou de mentiras deslavadas repetidas insistentemente nos meios de comunicação, especialmente na Internet. Somos um povo em grande parte de mal-educados, em todos os sentidos. Sim, muitas de nossas escolas – a maioria – não possuem infraestrutura adequada, nossos professores não são bem remunerados, ao contrário, e ainda lidamos com gentes que não possuem estímulos à leitura e nem ao pensar e ao agir com autonomia. Mas (não posso deixar de fazer perguntas inconvenientes...), o que fizemos com o tempo que tivemos a nossa disposição, não para “doutrinar”, mas para ensinar o que são capitalismo, fascismo, socialismo, comunismo, por exemplo? Aproveitamos realmente cada minuto com atividades que valorizassem o conhecimento prévio dos alunos e que os estimulassem a querer saber e compreender mais, atentos que estávamos à criatividade de crianças, adolescentes e jovens? Soubemos sair das “ladainhas” contidas em livros didáticos com textos e imagens ultrapassados e inadequados para interagir com meninos e meninas que ainda não sabem o que é ser cidadão/ cidadã, posto que foram transformados apenas em consumidores/ consumidoras de bens materiais, especialmente digitais (sobre tal assunto, aguardem as próximas semanas)? Fracassamos e precisamos reconhecer o quanto nossos currículos, nossos cursos de formação de professores e os materiais didáticos à disposição nas escolas são racistas, machistas, misóginos, homofóbicos, excludentes, preconceituosos e discriminatórios. Porém... Parece mais fácil (e conveniente) lançar impropérios contra os outros, trocando farpas, dizendo-se não ser o responsável pelo estado de coisas em que se encontra o país, vangloriando-se por ter votado em A(GÁ), ao invés de B. “Que se virem”, dizia um amigo de longa data em rede social. Como assim? Não estamos no mesmo barco, quase afundando? Precisaremos voltar nossos olhos para a Educação Básica, para as nossas mazelas todas, inclusive para o abismo profundo existente entre universidades e escolas. Vejo os jovens e nem tão jovens que formo em Cursos de Licenciatura/ Bacharelado da Unifap, no Amapá, desejando ingressar rapidamente em um mestrado, apenas para se livrar da temida profissão de professor de crianças e jovens, dos baixos salários no Ensino Fundamental e no Ensino Médio, pretendendo depois fazer o doutorado, o pós-doutorado e sei lá mais o quê... Querem ser pesquisadores e... formadores de outros professores! Há algo de muito errado acontecendo, há tempos, e me recuso a tratar o outro como idiota, néscio ou alienado. Prefiro pensar que ainda temos um longo caminho pela frente, a fim de compreendermos que quando um jovem chega à universidade e mal sabe escrever e interpretar textos, que tem dificuldades em falar em público e não possui o hábito de ler, embora tenha passado pouco mais de 10 anos em ambiente escolar, é porque há muito o que precisa ser feito e transformado em todos, inclusive em mim, em minhas práticas e meus pensamentos. Sugiro que comecemos arregaçando as mangas e procurando aliados para as lutas vindouras, ao invés de apenas postar “memes” ou piadinhas inócuas que não irão, de fato, promover o diálogo tão necessário sobre Educação e os rumos presente e futuro de nosso país. Tomando emprestado de Marcelo Rubens Paiva: Feliz ano velho! Muito velho...

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Capataz planejou furto de 14 cabeças de gado de fazenda em Aquidauana

2
Aquidauana

Abandonado na estação há quase 50 anos, mecânico ainda não sabe o paradeiro dos pais

3
Aquidauana

Polícia esclarece assassinato ocorrido no último dia do ano

4
Aquidauana

Para não prejudicar orçamento, prefeito anuncia que não fará carnaval

Vídeos

Entrevista com os produtores do Longa-Metragem sobre Sasha Siemel

Tráfego de carretas no cruzamento da Duque de Caxias causa preocupação na população.

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
2,52m
Miranda
5,26m
Aquidauana
2,66m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Não...

Robinson L Araujo

NÃO DESISTA!

Raquel Anderson

"Num tempo da delicadeza!"

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Bancos

Banco Itaú

Rua Estevão Alves Corrêa, 579 Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-3796 / 324 www.itau.com.br
Automóveis

Flip Car Veículos

Rua Theodoro Rondon, 456 Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-8189
Academias

Ativação

Rua José Bonifácio, s/n Alto - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-2109
Ver Mais
497810698