A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
22 de março de 2019
Anuncie Aqui
8498
Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: JOSÉ CARLOS VALBÃO

Giovani José da Silva
12 JAN 2019 - 08h37min

      Como anunciado, pretendo encaminhar à coluna Histórias de admirar, de O Pantaneiro, mais textos sobre Educação ao longo deste ano. Isso inclui falar sobre os educadores e as educadoras que encontrei/ encontro ao longo da vida. Na semana que está acabando reencontrei meu professor/ instrutor dos tempos da Escola Senai “Hermenegildo Campos de Almeida”, localizada em Guarulhos, na Grande São Paulo, onde estudei entre 1986 e 1987. O nome dele? José Carlos Valbão, um homem de seis décadas de vida, mais da metade delas passadas dentro da instituição onde eu o encontrei e me formei. Eu era um menino recém-saído dos 13 anos, órfão de pai, um tanto esquisito e antissocial. Meus melhores amigos eram livros e filmes e passava os dias a ler, a escrever e a sonhar com um futuro sem tantas dificuldades. Não queria ingressar no Senai, pois minha entrada significaria passar a estudar no período noturno e eu me sentia ainda muito “criança” para fazê-lo, pois estava na 7.ª série (atual 8.º ano). Contudo, não houve “jeito”: minha mãe, dona Gregoria, preocupada em não me deixar sem ter o que fazer o dia inteiro “decretou” que aquele seria o meu destino. E lá fui eu! O professor Valbão, como nós o chamávamos, era um jovem com menos de 30 anos, muito inteligente e assertivo. Nele, busquei a referência masculina que não encontrava na casa de muitas mulheres em que cresci e fui criado. Talvez não saiba da enorme importância que teve para aquele rapazote magrelo, com a cara cheia de espinhas, meio corcunda, de poucos amigos. Aliás, muitos de meus colegas não se conformavam com os laços de afeto e de respeito filial que eu tinha com o nosso professor. Alguns me chamavam de “Valbãozinho”, outros de “puxa-saco” ... Enfim, o fato é que eu me destacava dentre os alunos, com notas sempre altas, um comportamento impecável e uma disciplina rígida imposta a mim mesmo. Valbão, contudo, sabia que a Eletrônica não era o caminho que eu seguiria, pois naquela época eu já tinha um tom “professoral” e me destacava nas atividades artísticas desenvolvidas no Senai. Nem mesmo quando recebi os prêmios “Engenheiro Roberto Mange” e “Aluno Belzer”, oferecidos anualmente aos melhores alunos da instituição, eu o convenci de que seria um excelente profissional da área. O tempo, contudo, mostrou o quanto ele estava certo! Passados mais de 30 anos de nossos primeiros encontros em sala de aula (teoria) e em laboratório (prática) – nos cursos de Reparador de Componentes Eletrônicos (RCE) e de Reparador de Equipamentos Eletrônicos Industriais (REEI) – posso dizer com certeza que aquele jovem professor influiu decisivamente nos rumos que eu daria à minha vida profissional. Seus olhos brilhavam com os assuntos relacionados a diodos, capacitores, leds, resistores e isso me fez entender que eu deveria escolher um ofício que me proporcionasse a mesma sensação. Por isso decidi ser professor de História e de Língua Portuguesa/ Espanhol, antropólogo, historiador. As palavras do professor Valbão, de incentivo e, também, de críticas duras foram importantes para a construção do caráter daqueles “moleques” CP (Candidatos à “Peão”, de fábrica) que fomos um dia. Em nosso reencontro pudemos falar sobre o passado, o presente e o futuro que nos espera. Ele, aposentado e cheio de planos para continuar a trabalhar na formação educativa/ instrucional de jovens como um dia fui. Eu, pensando seriamente em deixar o ambiente acadêmico, libertar-me de certas amarras e alçar voos na dramaturgia de Teatro e de Televisão. O tempo passou para ambos, mas não consigo deixar de chamá-lo de “meu professor”. José Carlos Valbão foi um mestre em todos os sentidos para mim e, tenho certeza, para muitos de meus colegas daqueles tempos adolescentes. Educando-me, ajudando-me a encontrar caminhos para crescer, não apenas profissionalmente, mas também pessoalmente, ele foi importantíssimo para a minha formação intelectual, moral e ética. Eu, que fiquei órfão de pai ainda muito novo, tive a felicidade de encontrar em minha trajetória alguns homens que foram adotados por mim como meus “pais postiços”. Que bom que o tempo transcorrido, a distância física e o envelhecimento não nos afastaram e nem nos tornaram estranhos. Ao senhor, (desculpe, professor, mas não consigo chamá-lo por “você”!) os meus sinceros agradecimentos e a minha reverência a um dos profissionais mais competentes e a um dos homens mais dignos que conheci até hoje.

 (67) 99984.6000

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Jovem fica gravemente ferido após cair de altura de 4 metros em Aquidauana

2
Aquidauana

Para driblar desemprego, Gerliton cria banca ambulante de lanches que é sucesso

3
Aquidauana

Aquidauanense é punido por escalação irregular de jogador

4
Casa do Trabalhador

Casa do Trabalhador oferece 8 vagas nesta quinta em Aquidauana e região

Vídeos

CCE Centro Cristão de Ensino leva conhecimento e valores a crianças e adolescentes para a vida toda

Em capotamento, airbag salva motorista da morte em Aquidauana

Incorporação dos Alunos do Núcleo de preparaçao de Oficiais da Reserva (NPOR)

Ver mais Videos

Previsão do Tempo

min18 max27

Aquidauana

Sol com muitas nuvens. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
min18 max27

Anastácio

Sol com muitas nuvens. Pancadas de chuva à tarde e à noite.

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
3,65m
Miranda
5,48m
Aquidauana
4,23m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Nada...

Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE (NÃO) ADMIRAR: O HORROR

Paulo Corrêa de Oliveira

MISTÉRIOS DA PONTE VELHA

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Pousadas

Fazenda Rio Negro

Rio Negro, - Aquidauana/MS (67) 326-0002 / 326- www.fazendarionegro.com.br
Casas de Shows

GRESSA

Visconde de Taunay, 457 Bairro Guanandy - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-4142/9201-
Pesqueiros

Pousada e Pesqueiro Toca da Onça

Estrada da Barra Mansa (estr. Boiadeira), - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 99860538
Ver Mais
508110593