A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
22 de setembro de 2019
Anuncie Aqui
8830-->
Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: O QUE TEMOS A COMEMORAR EM MAIS UM 7 DE SETEMBRO?

Giovani José da Silva
8 SET 2019 - 08h43min

      Estou há quase dois meses sem escrever para a coluna, não por falta de tempo, mas por absoluta preguiça de insistir em tocar em um tema que não aparece com frequência nos debates públicos: a Educação Básica. O que fizemos com ela? O que fazemos com crianças, adolescentes, jovens e adultos que têm o direito a aprender o básico? O que faremos com a Educação de nosso país? Passado mais um 7 de setembro, cercado por protestos e ovações, dependendo do espectro político em que os manifestantes se encontrem, me pergunto quando, afinal, nos preocuparemos com o essencial, o básico. Conseguimos vencer o analfabetismo? Derrotamos o analfabetismo funcional de milhões de gentes que deixam as escolas e não sabem ler, escrever, contar, refletir sobre o mundo? Em um momento em que se fala tanto dos cortes no Ensino Superior (tratados pelo eufemismo de “contingenciamento”), sei que me referir à Educação Básica parece uma conversa sem pé e nem cabeça. E quando falaremos disso? Nas próximas eleições presidenciais? Estou longe de aferir padrões educacionais por meio de provas, testes, Enem ou seja lá o que for utilizado para “avaliar” o desempenho de estudantes Brasil afora. Falo de uma vivência cotidiana, aqui da capital do Amapá, Macapá, situada no meio do mundo. Todos os dias, dentro e fora das escolas (onde sempre estou presente, por meio de estágios, visitas ou mesmo conversando com alunos e ex-alunos do Curso de Licenciatura em História da Unifap), encontro gentes que mal sabem assinar o próprio nome, decifrar os números e/ ou as letras em ônibus/ placas, que utilizam a língua portuguesa oralmente com dificuldade de compreensão até para quem é daqui! Não, caros leitores, eu não estou “culpando” professores, muito menos os de Língua Portuguesa, pela situação caótica em que nos encontramos na Educação Básica. O que procuro fazer aqui em minha coluna (que deveria se chamar Histórias impertinentes de admirar) é alertar para o fato de que enquanto clamamos por bolsas de pós-graduação (sempre necessárias) e por mais verbas para as universidades, as escolas de Educação Básica – do Oiapoque ao Chuí – carecem do... básico! O que vemos nelas, muitas vezes, é uma preocupação excessiva com “rituais” pedagógicos como o 7 de setembro – o 19 de abril, o 13 de maio, o 15 de novembro e outros tantos – e não nos preocupamos com o que se veicula em tais “rituais”. Lá estão os heróis da nação, os que nos salvaram/ libertaram, as sentidas ausências de mulheres, crianças e idosos em nossa História, transformada em um “desfile” de exaltação de figuras como Tiradentes, Dom Pedro I e Deodoro da Fonseca, dentre outros homens adultos, cristãos, brancos. Lá estão, também, a competitividade (quem foi o mais bonito? O mais organizado? Quem é o mais inteligente?), a disciplina rígida dos corpos, a ausência de Arte e a forte presença de pastiches, de malfeitos, com estudantes educados a obedecer a ordens, sem questioná-las. Muitos deles  sairão do Ensino Médio (quando saírem) sem gostar de ler, sem saber falar adequadamente em público, sem compreender o que decodificam, sem saber fazer interpretações e, nem mesmo, apreciações. Faltam-lhes as ferramentas/ os instrumentos para a exploração, a compreensão, a interpretação, a fim de formularem percepções próprias, autônomas de tudo o que os cercam (e cerceiam, muitas vezes). Sim, queremos “cidadãos críticos”, mas não nos damos conta de que não sabemos exatamente nem o que é ser “cidadão” e muito menos o que é ser “crítico”. Educamos para o consumo excessivo (e não para uma reflexão contundente sobre o consumismo), para que os alunos compreendam que depois de comunismo primitivo, escravismo e feudalismo, o capitalismo chegou com tudo e venceu! Nossos currículos de História narram a vitória do capitalismo sobre todas as outras formas de organização econômica/ política/ social... As gentes que frequentam as escolas que se conformem, pois é o que tivemos para ontem e o que temos para hoje. Amanhã? Amanhã, segunda-feira, as escolas brasileiras de Educação Básica retornarão a suas rotinas canhestras, pensando na próxima comemoração, no próximo “ritual” a ser oferecido às massas que não sabem ler o próprio mundo em que vivem e dificilmente saberão escrever e se inscrever nele...

 

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Aquidauanense mata filho de 2 anos afogado para se vingar da ex e acaba preso na Capital

2
Aquidauana

Em velório, bisavó de Miguel diz que ele era pura doçura e muito brincalhão

3
Policial

Avô do menino 2 anos afogado pelo pai atraía crianças com doces e foi preso em flagrante por estupros

4
Aquidauana

Mulher causa confusão, é presa pela PM e danifica viatura em Aquidauana

Vídeos

Celebração de casamento é marcada por cerimônia tradicional de cultura africana

Mulheres tentam entrar em presídio de Dois Irmãos do Buriti com celulares dentro de TVs

Com dedicação e disciplina, Marcos Henrique conquista 1º contrato profissional

Ver mais Videos

Previsão do Tempo

min20 max35

Aquidauana

Sol com algumas nuvens. Não chove.
min20 max35

Anastácio

Sol com algumas nuvens. Não chove.

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
2,23m
Miranda
1,82m
Paraguai
2,76m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Vou...

Fausto Matogrosso

NACIONALISMO, CLIMA E FUTURO

Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: O QUE TEMOS A COMEMORAR EM MAIS ...

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Vídeo Locadoras

Iterative - Cyber, Lan House e Vídeo Locadora

Estevão Alves Corrêas - sala 01, 1157 Alto - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-1312
Informática

Center Informática

Rua Manoel Antônio Paes de Barros, 725 Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-3159 / Fax
Distribuidoras de Gás

Disk Gás Ultragás

Av. Manoel Murtinho, 1035 Centro - 79210-000 Anastácio/MS (67) 3245-3333
Ver Mais
508110692