A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
12 de novembro de 2019
Anuncie Aqui
9190-->
Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: O QUE TEMOS A COMEMORAR EM MAIS UM 7 DE SETEMBRO?

Giovani José da Silva
8 SET 2019 - 08h43min

      Estou há quase dois meses sem escrever para a coluna, não por falta de tempo, mas por absoluta preguiça de insistir em tocar em um tema que não aparece com frequência nos debates públicos: a Educação Básica. O que fizemos com ela? O que fazemos com crianças, adolescentes, jovens e adultos que têm o direito a aprender o básico? O que faremos com a Educação de nosso país? Passado mais um 7 de setembro, cercado por protestos e ovações, dependendo do espectro político em que os manifestantes se encontrem, me pergunto quando, afinal, nos preocuparemos com o essencial, o básico. Conseguimos vencer o analfabetismo? Derrotamos o analfabetismo funcional de milhões de gentes que deixam as escolas e não sabem ler, escrever, contar, refletir sobre o mundo? Em um momento em que se fala tanto dos cortes no Ensino Superior (tratados pelo eufemismo de “contingenciamento”), sei que me referir à Educação Básica parece uma conversa sem pé e nem cabeça. E quando falaremos disso? Nas próximas eleições presidenciais? Estou longe de aferir padrões educacionais por meio de provas, testes, Enem ou seja lá o que for utilizado para “avaliar” o desempenho de estudantes Brasil afora. Falo de uma vivência cotidiana, aqui da capital do Amapá, Macapá, situada no meio do mundo. Todos os dias, dentro e fora das escolas (onde sempre estou presente, por meio de estágios, visitas ou mesmo conversando com alunos e ex-alunos do Curso de Licenciatura em História da Unifap), encontro gentes que mal sabem assinar o próprio nome, decifrar os números e/ ou as letras em ônibus/ placas, que utilizam a língua portuguesa oralmente com dificuldade de compreensão até para quem é daqui! Não, caros leitores, eu não estou “culpando” professores, muito menos os de Língua Portuguesa, pela situação caótica em que nos encontramos na Educação Básica. O que procuro fazer aqui em minha coluna (que deveria se chamar Histórias impertinentes de admirar) é alertar para o fato de que enquanto clamamos por bolsas de pós-graduação (sempre necessárias) e por mais verbas para as universidades, as escolas de Educação Básica – do Oiapoque ao Chuí – carecem do... básico! O que vemos nelas, muitas vezes, é uma preocupação excessiva com “rituais” pedagógicos como o 7 de setembro – o 19 de abril, o 13 de maio, o 15 de novembro e outros tantos – e não nos preocupamos com o que se veicula em tais “rituais”. Lá estão os heróis da nação, os que nos salvaram/ libertaram, as sentidas ausências de mulheres, crianças e idosos em nossa História, transformada em um “desfile” de exaltação de figuras como Tiradentes, Dom Pedro I e Deodoro da Fonseca, dentre outros homens adultos, cristãos, brancos. Lá estão, também, a competitividade (quem foi o mais bonito? O mais organizado? Quem é o mais inteligente?), a disciplina rígida dos corpos, a ausência de Arte e a forte presença de pastiches, de malfeitos, com estudantes educados a obedecer a ordens, sem questioná-las. Muitos deles  sairão do Ensino Médio (quando saírem) sem gostar de ler, sem saber falar adequadamente em público, sem compreender o que decodificam, sem saber fazer interpretações e, nem mesmo, apreciações. Faltam-lhes as ferramentas/ os instrumentos para a exploração, a compreensão, a interpretação, a fim de formularem percepções próprias, autônomas de tudo o que os cercam (e cerceiam, muitas vezes). Sim, queremos “cidadãos críticos”, mas não nos damos conta de que não sabemos exatamente nem o que é ser “cidadão” e muito menos o que é ser “crítico”. Educamos para o consumo excessivo (e não para uma reflexão contundente sobre o consumismo), para que os alunos compreendam que depois de comunismo primitivo, escravismo e feudalismo, o capitalismo chegou com tudo e venceu! Nossos currículos de História narram a vitória do capitalismo sobre todas as outras formas de organização econômica/ política/ social... As gentes que frequentam as escolas que se conformem, pois é o que tivemos para ontem e o que temos para hoje. Amanhã? Amanhã, segunda-feira, as escolas brasileiras de Educação Básica retornarão a suas rotinas canhestras, pensando na próxima comemoração, no próximo “ritual” a ser oferecido às massas que não sabem ler o próprio mundo em que vivem e dificilmente saberão escrever e se inscrever nele...

 

Veja também

Mais Lidas

1
Policial

Polícia prende ladrões que aterrorizavam comerciantes do interior de MS

2
Casa do Trabalhador

Confira as oportunidades da Casa do Trabalhador de Aquidauana

3
Aquidauana

Por “perturbação do sossego”, três são encaminhados à Delegacia

4
Aquidauana

Embriagado, homem bate na mulher com cinta e acaba preso pela PM

Vídeos

Assaltante que aterroriza Aquidauana realiza furtos em cidades vizinhas

Durante combate a incêndio, bombeiros resgatam jaguatirica ferida 1

Família perde tudo em incêndio que atingiu quatro casas

Ver mais Videos

Previsão do Tempo

min21 max33

Aquidauana

Sol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
min21 max33

Anastácio

Sol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
2,36m
Miranda
2,61m
Paraguai
1,10m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Virou...

Dr. Giuliano Máximo

Mais uma vez a prisão em 2º grau

Flavia Rohdt

Aldravia #12

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Pousadas

Fazenda Santa Cruz

Acesso por Taunay, - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3686-1016 / 324 www.fazendasantacruz.tur.br
Telefones Úteis

IDATERRA

Rua Nelson Felicio dos Santos, 205 - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241 3262
Médicos

José Arruda Fialho

Sete de Setembro, 1193 Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67)
Ver Mais
508110580