A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
24 de Maio de 2017
Anuncie Aqui
8461
Raquel Anderson

Pequeno profundo diário IV

Raquel Anderson
16 ABR 2017 - 18h00min
Mais um domingo com tantos respingos....na casa pantaneira, onde a chuva lava a palha
A chuva lava a lata
A chuva encharca a terra
A chuva dilacera os pensamentos arrumados...
A chuva revolve a terra e a mente
A chuva faz florir
A chuva desalinha
A chuva derruba as folhas
A chuva remexe no tempo
A chuva muda o estado de ser da gente
A chuva dá sono
A chuva aflora o desejo de abrigo
A chuva enfatiza o sentimento de abandono
A chuva fria do outono causa reflexões retrospectivas e, molhada, esfrega na cara da gente o que o tempo fez, o que nuca se desfez, a chuva, afrodisíaca, reascende a libido adormecida, a chuva, com sua magia, faz sentir nostalgia do que nunca se teve, saudade do amor que mexeu com seus instintos vitais, ainda que de maneira fugaz, no seu imaginário, a felicidade fez morada numa tarde encharcada pela chuva que se repetia e, à cada vez, se fazia excêntrica, romântica. Não havia consciência, aparência, nada....sensações que bombardeiam o coração sem que haja precisa noção, apenas o sentir extasiado...
A chuva pediu café e bolinhos de chuva e ela, mais uma vez, obedeceu, emudeceu, desligou o rádio para ouvir o barulhinho vindo de fora, sentou-se no banco, cruzou as pernas, olhou para o nada e viu, vindo da estrada, a carrocinha azul...sentado com uma mão na rédea e com a outra ajeitando o chapéu, ele vinha driblando a chuva, parou na porteira, desceu, abriu puxou o cavalo, atravessou a carroça, fechou a porteira, uma a uma, harmonizou suas varas, subiu na carroça e rumou até o terreiro.
Entrou sem nada dizer... sua pele, apesar da fria chuva outonal, estava quente, a boca vermelha...ele queria dizer, não sabia, foi criado para ser macho apenas, movimentar-se na vida sem expressões, queria falar de suas mazelas, queria ser doce, queria saber dizer, não sabia, obedecia seus instintos, era dominado por eles. Aproximou-se dela, ofegante, sentou-se ao lado, nada disse, suspirou, levantou-se, foi até o fogão, empurrou a lenha, aumentou o fogo, tomou café, catou a mistura de açúcar e canela que adornavam os bolinhos de chuva e colocou um punhado na xícara, voltou-se para ela, sentou-se novamente ao seu lado no banco de madeira, como se estivesse sentado no cavalo, girou o corpo dela no mesmo sentido, aproximou-se, catou a mistura de açúcar com canela e, carinhosamente, derramou por entre os ombros dela....lambeu seu colo, nada dizia...gente é pra se cuidar, gente é pra se lamber deliciosamente numa tarde chuvosa, gente é a coisa mais gostosa, gente é imensidão numa casinha simples, gente misturada com café e cheiro de canela, chuva fina entrando pela janela, gente no chão, gente permitindo os ditames do coração, gente é entrega, gente é faceirice, gente é meninice, gente é o banho de chuva, gente é o gostoso cansaço do depois...gente é o desejo, gente é o beijo, gente é a necessidade dita sem falar....gente é o deixar!

 

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Assassinato de Katiele Cordeiro choca e promove debate sobre feminicídio

2
Policial

Animal na pista ou "fechamento" podem ter causado acidente na BR 262

3
Aquidauana

Artista de rua recria Chaves e encanta público de Aquidauana

4
Ciência

Aquidauanense é premiado em feira internacional

Vídeos

Alimentos feito com polpa de bocaiúva

Reforma sede da Rotai

Blitz educatica frente ao Exercito

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
5,28m
Miranda
Paraguai
3,93m

Colunas e Blogs

Raquel Anderson

Chovendo

Valdemir Gomes

Ufa!

Rosildo Barcellos

Amor em Preto e Branco

Ver Mais Colunas
481710723