A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
20 de Agosto de 2017
Anuncie Aqui
8459
Economia

Em MS, cerca de 30% dos laticínios fecharam as portas por custos com transporte, alerta dirigente da Agraer

2 JUN 2017 - 10h15min
Redação

Quase 30% dos laticínios fecharam as portas fechadas em Mato Grosso do Sul, número que a situação alarmante na cadeia produtiva do leite no Estado. Os dados foram apresentados pela Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural), nesta quinta-feira (1º), data em que se celebra o Dia Mundial do Leite, durante o tradicional “Leite da Manhã”. Há quatro anos consecutivos o evento é realizado pela Assembleia Legislativa em alusão a importância da pecuária leiteira no cenário econômico estadual.

Segundo o diretor-presidente da Agraer, Enelvo Felini, dos 70 laticínios, com alguma certificação, 20 estão inativos. “Percebemos que dentro do SIF [Selo de Inspeção Federal] das 20 indústrias que o Estado tem, hoje, nove estão paralisadas, são nove de 20. Então é um número muito assustador.  O SIE que é a inspeção estadual, de 24, nós temos sete paralisadas dentro do Mato Grosso do Sul e do SIM [Selo de Inspeção Municipal] de 26 plantas de laticínio, no Estado, temos 4 indústrias paralisadas, que é aquela venda que se faz no município”, afirmou ele, destacando a grande preocupação do governo do Estado e demais entidades envolvidas mediante a situação.

“Isso demonstra o grau de gargalos que nós temos dentro da cadeia produtiva. Por isso temos de ser mais agressivos para buscar, comprar e fomentar o leite nas regiões próximas aos laticínios ou vamos ter um desequilíbrio muito forte”.

Para Felini a solução é a redução nos custos com o transporte do produto do curral até os laticínios. “Tem que diminuir o consumo de combustível para buscar o leite. Os laticínios têm de fomentar os pequenos produtores das zonas rurais mais próximas para se inserirem dentro da cadeia produtiva do leite. Só assim deixaremos de fechar as portas.  A Agraer já vem fazendo a sua parte, estamos com técnicos qualificados trabalhando maciçamente com produtores no melhoramento de pastagem e genética do rebanho. Contudo, a interação das empresas é de extrema importância”, garantiu.

O estudo realizado pela Agraer e Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) comparou a produtividade sul-mato-grossense com países com extensões territoriais menores que a do nosso estado.  “Estamos com um estudo muito profundo e já foi observado que países como Nova Zelândia [268.021 km² de extensão] tem 200 litros leite coletados por quilômetro, enquanto que o Mato Grosso do Sul [357.125 km²] tem, por quilômetro, de 25 a 30 litros a cada dois dias de coleta. Então, a grande lucratividade do nosso leite tem ficado, não tenho dúvida, para o transportador e não para o produtor e nem para a indústria”, afirmou o diretor-presidente da Agraer, Enelvo Felini.

“Estados como Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e Minas Gerais têm uma proximidade com o produtor, enquanto nós estamos buscando o produto a 400 ou 300 quilômetros de distância. Estamos buscando esse leite muito longe e esse dinheiro não está indo para o produtor, ou seja, não estamos motivando o pequeno produtor a movimentar a indústria.  A Agraer queria deixar isso como alerta para a gente enfrentar o problema e assim reverter esse quadro. O leite é um produto muito importante para a sociedade e o governo quer dar uma grande contribuição para não termos o fechamento de mais indústrias. Isso é muito ruim para o produtor e para a economia do nosso estado”, avaliou Felini.

Para o secretário-adjunto da Semagro, Ricardo Senna, o caminho para ser trilhado é uma política pública bem estruturada para bem atender o pequeno produtor rural com assistência técnica, capacitações e tecnologia. Trabalho que gradualmente vem sendo executado pelo poder público estadual.   “Primeiro que precisamos olhar para uma perspectiva mais macro, ou seja, olhar a diversificação da produção. Se tem um antídoto para a crise financeira é uma economia robusta, diversificada e avançada do ponto de vista de tecnologia e inovação. A cadeia produtiva do leite representa a possibilidade de consolidar um setor que é predominantemente ocupado por pequenos produtores e que pode se constituir em uma alternativa de desenvolvimento, em especial nos municípios do interior”.

Ao final, autoridades e produtores rurais encerraram o evento com o tradicional brinde do leite e uma saborosa degustação com derivados do leite: queijo, iogurte e doce de leite.

Leite da Manhã

O Leite da Manhã faz parte da programação alusiva ao Dia Mundial do Leite, celebrado hoje, 1º de Junho. A data foi criada em 2.001 pela Organização das Nações Unidas (ONU) para Agricultura e Alimentação.

Por esta razão, a Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul instituiu a “Semana Sul-Mato-Grossense do Leite”, com o intuito de divulgar a importância do leite no cenário econômico e social, e, também, estimular o consumo de produtos lácteos. A Semana do Leite foi estabelecida em 2010, por meio de uma lei de autoria do deputado estadual Júnior Mochi (PMDB), atual presidente da Casa de Leis do Estado.

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

PM prende ladrão de bicicleta no Centro de Aquidauana e recupera pertence

2
Aquidauana

"Briga de faca" termina com dois homens feridos no Bairro Alto, atrás da rodoviária

3
Aquidauana

Homem ameaça vizinha com faca por causa de som alto na Vila Eliane

4
Gente

Paratleta da Pestalozzi conquista autonomia e roda a cidade de triciclo

Vídeos

Indígenas fecham BR-262, acesso a Taunay

3º Desafio Mountain Bike - Piraputanga MS

18 Festival de Inverno de Bonito

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
3,30m
Miranda
2,12m
Paraguai
4,24m

Colunas e Blogs

Pedro Puttini Mendes

Imposto Territorial Rural de 2017: muda o ano, os probl...

Valdemir Gomes

Tamanduá...

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

Aquidauana...quais caminhos percorrerá?

Ver Mais Colunas
481710485