A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
13 de dezembro de 2019
Anuncie Aqui
9190-->
Economia

MS não perde contratos apesar da crise política na Bolívia, diz Reinaldo

“Não vejo [possibilidade] ruptura contratual, até porque a Bolívia é dependente do Brasil”, afirmou

13 NOV 2019 - 15h42min
CGNews

A crise política na Bolívia não deve afetar a relação comercial entre o país vizinho e o Brasil, por isso, o Governo de Mato Grosso do Sul não vê motivo para se preocupar. A análise é do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que comentou o assunto em agenda pública nesta manhã (13), três dias depois de Evo Morales renunciar à presidência.

“Não vejo [possibilidade] ruptura contratual, até porque a Bolívia é dependente do Brasil”, afirmou.

O secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura, Jaime Verruck, é da mesma opinião. “A Bolívia não tem outro parceiro estratégico para alocar essa produção”, referiu-se à compra do gás natural e outros insumos bolivianos pelas empresas sul-mato-grossenses e do restante do País.

O chefe da Semagro destaca que só de ureia, borato e cloreto de potássio, Mato Grosso do Sul tem previsão de consumir 1 milhão de toneladas até o fim do ano que vem.

“Independente da estrutura de governo que venha assumir não tem como não identificar o Brasil como forte parceiro comercial tanto que um governo de extrema esquerda, como o de Evo, tinha excelente relação conosco, porque não tinha outra forma”, completou o secretário.

Reinaldo se diz mais otimista com a possibilidade de um novo comando. “Com a renúncia do presidente Evo e a posse da interina, a gente vai voltar a ter estabilidade, volta o espírito da democracia com as novas eleições”.

O governador disse ainda que a situação na fronteira do Estado com a Bolívia está mais tranquila. “Hoje as fronteiras já abriram, agora é aguardar o processo legítimo da democracia para quem for eleito continue a parceria conosco”.

Verruck lembrou que os protestos que fecharam a passagem de carros entre Corumbá e Puerto Quijarro impactou o comércio na cidade sul-mato-grossense. “O movimento caiu pela metade”.

De acordo com o secretário, até ontem à noite, havia ao menos 500 caminhões parados na fronteira. Do lado de lá, os carregados com ureia e do lado de cá, os que iam em direção às cidades bolivianas para trazer o insumo.

A Bolívia enfrentou uma onda de protestos desde a eleição cujo resultado foi a vitória de Evo Morales, muito contestada pela oposição. O presidente renunciou ao cargo no dia 10 e pediu asilo político no México.

 

Veja também

Mais Lidas

1
Miranda

Ambulância com dois pacientes e equipe médica capota na BR-262

2
Aquidauana

Morre em Aquidauana, policial aposentado Elias Soares

3
Aquidauana

Desaparecida há seis anos, mãe ainda tem esperança de encontrar filha

4
Anastácio

Comprou moto por R$ 1.500 de ‘Manezinho’ e foi preso por receptação em Anastácio

Vídeos

Motorista de caminhão afirma que fazia conversão à direita quando motociclista tentou ultrapassá-lo

Pra onde vão nossas crianças?

Veja vídeo: Capivara invade clínica e é flagrada tomando banho em piscina

Ver mais Videos

Previsão do Tempo

min21 max31

Aquidauana

Sol com muitas nuvens durante o dia. Períodos de nublado, com chuva a qualquer hora.
min21 max31

Anastácio

Sol com muitas nuvens durante o dia. Períodos de nublado, com chuva a qualquer hora.

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
3,67m
Miranda
5,26m
Paraguai
1,00m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Como...

Raquel Anderson

Domingo pantaneiro!

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

“CULTURA NÃO É PARA PRINCIPIANTE!”

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Bares/Panificadoras/Lanchonetes

Montana Lanches

Praça Nossa Senhora Conceição, - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-9731
Escolas Estaduais

Escola Estadual Felipe Orro

Rua Carlos pereira Bandeira, s/n - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241 1206
Escola de Formação Profissional

Genius

Rua Estevão Alves Corrêa, 2011 Centro - 79200000 Aquidauana/MS (67)
Ver Mais
514010607