A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
21 de novembro de 2018
Anuncie Aqui
8500
Geral

Aftosa na Inglaterra: Produtores cobrarão mesmo rigor da OIE

7 AGO 2007 - 09h22min
sato comunicação

É isso que o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (FAMASUL), Ademar Silva Junior, cobra do Escritório Internacional de Epizootias (OIE) em relação aos focos confirmados de Febre Aftosa na Inglaterra. "Os países desenvolvidos devem ser tratados com o mesmo rigor", alegou Ademar.


Para o presidente da FAMASUL, o maior ganho é a imagem do Brasil perante o mercado externo. Conforme Ademar, não é o fato da Inglaterra ser um país desenvolvido que a deixou menos suscetível a doença.


O último foco da doença no Reino Unido foi em 2001. Na época eles sacrificaram entre 6,5 e 10 milhões de cabeças de gado. O foco anunciado no último sábado pelas autoridades da Grã-Bretanha foi numa fazenda no condado de Surrey, no sul do país.


Hoje, às 17 horas, os produtores sentarão com os deputados da Frente Parlamentar do agronegcio. Durante a reunião, que acontece na FAMASUL, o presidente da FAMASUL junto com a bancada levanta os impactos comerciais e econômicos das relações entre o Brasil e a Inglaterra.

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Garotinha aquidauanense de apenas 3 anos é destaque nacional por desempenho escolar

2
Aquidauana

Sem poder trabalhar, aquidauanense fará rifa para pagar tratamento médico

3
Casa do Trabalhador

Confira as vagas de emprego da casa do trabalhador

4
Policial

Ex-superintendente da gestão Puccinelli foi morto por mulher em motel

Vídeos

Entrevista com os produtores do Longa-Metragem sobre Sasha Siemel

Tráfego de carretas no cruzamento da Duque de Caxias causa preocupação na população.

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
2,59m
Miranda
6,13m
Aquidauana
3,76m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Um...

Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: VALORIZE-SE!

Manoel Afonso

Otimismo & Patriotismo: o efeito Bolsonaro

Ver Mais Colunas
498110635