A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
18 de junho de 2018
Anuncie Aqui
8494
Geral

Brasileiros lucram na Venezuela de Chávez; vendas chegam a US$ 3,6 bilhões

24 JUL 2007 - 09h34min
folha on line

Apesar das turbulências diplomáticas com a Venezuela, o Brasil vende como nunca ao país governado pelo presidente Hugo Chávez, com um aumento de 32,8% no primeiro semestre em relação ao mesmo período do ano passado. Mas a enorme e crescente assimetria no comércio bilateral reforça a percepção de que uma eventual entrada ao Mercosul não será positiva para o país.


No primeiro semestre deste ano, quando Chávez e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva divergiram em temas como o uso do etanol e a criação do Banco do Sul, as exportações brasileiras se beneficiaram sobretudo do aumento do consumo de carne bovina e da venda de automóveis novos, dois dos produtos que tiveram uma recente explosão de vendas.


A venda de carne bovina desossada aumentou 449% no primeiro semestre deste ano, em comparação ao mesmo período de 2006. Já a exportação de automóveis, o principal produto de exportação brasileiro para a Venezuela, aumentou 147,55%. O país foi responsável por 9,35% do total vendido.


Desde que Lula chegou ao poder, as vendas brasileiras para a Venezuela passaram de US$ 608 milhões, em 2003, para US$ 3,6 bilhões no ano passado --aumento de 492%.


Já de 1999 a 2002, período em que Chávez e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso conviveram no poder, o crescimento foi de apenas de 48% em quatro anos, passando de US$ 536,7 milhões para US$ 798,9 milhões. Todos os dados são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior brasileiro.


Além da aproximação diplomática, foi nesse período que o preço do barril de petróleo explodiu. Quando Chávez se elegeu, em 1998, o barril do petróleo venezuelano se vendia a US$ 10. Em 2003, custava US$ 25,7. Hoje vale US$ 69,06.


A consolidação das relações comerciais com a Venezuela ainda não provocou grandes investimentos de empresas brasileiras. A exceção é o grupo Gerdau, que no mês passado comprou a siderúrgica Sizuca por US$ 92,5 milhões. Até então, a única empresa brasileira com fábrica em solo venezuelana era a Ambev, que desembarcou em 1994, antes de Chávez.

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Grávida de 4 meses, jovem é espancada e ameaçada de morte pelo ex-namorado

2
Aquidauana

Motociclista sofre tentativa de roubo com arma de fogo no Bairro Alto

3
Aquidauana

Em festa de família, rapaz causa baderna e ameaça parentes com espeto de churrasco

4
Policial

Homem sofre tentativa de homicídio no Terminal Rodoviário de Aquidauana

Vídeos

Entrevista com os produtores do Longa-Metragem sobre Sasha Siemel

Tráfego de carretas no cruzamento da Duque de Caxias causa preocupação na população.

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
5,23m
Miranda
3,68m
Aquidauana
2,92m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Parece...

Robinson L Araujo

O QUE O SENHOR MANDA OU O QUE O POVO DESEJA?

Raquel Anderson

Calada noite

Ver Mais Colunas
498110498