A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
24 de Setembro de 2017
Anuncie Aqui
8500
Geral

Estudo mostra que recursos hídricos da Bacia do Paraguai têm qualidade e quantidade adequadas

O estudo abrange metade de Mato Grosso do Sul e o Sul de Mato Grosso

16 JUL 2017 - 11h06min
Redação

Estudo encomendado pela ANA (Agência Nacional das Águas) traça um diagnóstico pormenorizado dos recursos hídricos existentes na Bacia do Rio Paraguai. O PRH Paraguai (Plano de Recursos Hídricos da Região Hidrográfica do Rio Paraguai) identifica problemas já detectados, como desmatamento em pontos que provocam o assoreamento de rios, mas conclui que as águas estão em quantidade e qualidade adequadas, com problemas isolados.

Um resumo do estudo foi apresentado pela primeira vez durante a reunião do CERH/MS (Conselho Estadual de Recursos Hídricos de MS) realizada nesta semana, no auditório do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul). O secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, destaca a relevância do estudo para orientar as políticas públicas no setor.

“Este estudo traz elementos importantes para subsidiar ações no âmbito do Rio Taquari, por exemplo. Será possível enxergar com clareza onde e como é preciso agir. Traz um nível de detalhamento excelente”, elogiou o secretário, que presidiu a reunião do Conselho.

O Plano

O estudo começou pela caracterização da Bacia do Rio Paraguai, na parte existente em território brasileiro. Abrange metade de Mato Grosso do Sul e o Sul de Mato Grosso, totalizando 362 mil quilômetros quadrados. O Rio Paraguai é o principal curso d’água, mas a região é rica em recursos hídricos por abrigar a planície pantaneira.

O segundo passo foi levantar a disponibilidade e a demanda hídrica e elaborar o balanço do ponto de vista de qualidade e quantidade. “O balanço hídrico integrado da RH-Pantanal se acha confortável, com saldo disponível tanto de águas superficiais quanto de águas subterrâneas em todos os cenários”. O estudo aponta, entretanto, pressões que os recursos naturais vêm sofrendo, tanto pelas cidades sem o tratamento adequado de esgoto quanto pelo setor agropecuário.

Com base no diagnóstico feito foram apresentados três possíveis cenários para a Bacia do Rio Paraguai. No primeiro cenário a situação se mantém como está. “No Cenário Tendencial o futuro espelha o passado, no ritmo das tendências já observadas que serão, então, continuadas”. No Cenário Acelerado, as tendências são rompidas por forte desenvolvimento socioeconômicos com novos arranjos produtivos locais, com ênfase na retomada do mercado interno. E no Cenário Moderado as tendências atuais também são rompidas, pela continuidade de um crescimento socioeconômico moderado voltado ao mercado externo.

Após essa apresentação ao Conselho Estadual de Recursos Hídricos estão programadas mais três reuniões em Mato Grosso do Sul (Corumbá, Bonito e Coxim), no fim de julho e início de agosto. No dia 10 de agosto o Plano será apresentado em reunião do Conselho Estadual de Recursos Hídricos de Mato Grosso e no fim do mês e início de setembro acontecem mais três reuniões públicas em cidades daquele Estado: Cáceres, Rondonópolis e Cuiabá.

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Acidente termina com dois motociclistas feridos no centro de Aquidauana

2
Geral

Implantação de 40 km da MS-228 muda cenários econômico e social no Pantanal

3
Trânsito

Piloto morre em acidente com moto esportiva na BR 262

4
Gente

Tirado de aldeia ainda bebê, taxista sente falta do que não viveu

Vídeos

Ponte Velha passa a fazer jus ao nome e vira desafio para quem passa a pé ou de moto

Acidente na BR 262 próximo ao trevo de Dois Irmãos do Buriti

Entrevista Comandante Tito Lívio - Aeroclube de Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
2,38m
Miranda
2,10m
Paraguai
3,39m

Colunas e Blogs

Pedro Puttini Mendes

Reflexos da Reforma Trabalhista no Meio Rural

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

DEPOIS.....

Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: E AGORA, ARNALDO?

Ver Mais Colunas
498110493