A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
11 de Dezembro de 2017
Anuncie Aqui
8492
Geral

FAMASUL discute Zoneamento Ecológico

24 JUL 2007 - 11h41min
sato comunicação

Um instrumento de gestão que deve auxiliar o desenvolvimento de Mato Grosso do Sul. Trata-se do Zoneamento Ecológico e Econômico, uma iniciativa do governo do Estado que deve apontar, ainda nesse ano, o mapeamento georeferenciado de todas as regiões, com cenários e dados ambientais, econômicos e produtivos e industriais. A Federação de Agricultura e Pecuária de MS (FAMASUL) discutiu o projeto ontem (23) e pretende apoiar através de análises, relatórios e trabalhos específicos do agronegócio.


"A agropecuária é a base econômica do nosso Estado, mas ainda falta organização. O zoneamento, construído de forma participativa entre os setores e os governos (do Estado e dos municípios) pode auxiliar na consolidação da economia. Vamos sensibilizar os produtores rurais para o entendimento desse processo e também para sua participação ativa. O mei ambiente não pode ser visto como algo que toma o espaço do produtor, mas como uma alternativa de renda, de produção", analisa Ademar, presidente da FAMASUL.


De acordo com Ademar, a instituição deve apoiar o projeto através da participação das comissões da FAMASUL, como a Comissão Técnica de Assuntos do Pantanal, de Meio Ambiente e Recursos Hídricos e de Assuntos Indígenas e Fundiários, entre outras.


Segundo o coordenador do projeto, superintendente das Cidades, da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Cidades, Planejamento e Ciências e Tecnologia, Sérgio Seiko Yonamine, o Zoneamento conta com orçamento de R$ 14.196.675 e segue o modelo do Estado do Acre, onde o projeto já virou lei. "Com o trabalho do Zoneamento, podemos criar leis e normativas para o desenvolvimento sustentável do Estado", declara.


Yonamine explica que nesses três meses, o projeto focará a construão de uma base cartográfica com dados sobre solo, morfologia, pedologia, clima, cobertura vegetal, uso vegetal e recursos hídricos, entre outros. O projeto também prevê a definição de indicadores ambientais, sócio-econômicos, e de responsabilidade social. Em outubro, inicia-se a fase de levantamento das ações, num debate público com governo e sociedade. E até 30 de junho de 2008 será concluída essa primeira etapa, de "construção dos cenários com os principais elementos detalhados", explica.


"Com o projeto, o gestor, seja governador, seja prefeito, poderá determinar o que é mais urgente. O zoneamento deve gerar leis e decretos sólidos, partindo de analises concretas e não mais apenas do debate ideológico", complementa Dácio Queiroz, diretor secretário da FAMASUL e assessor especial da Casa Civil, designado para a coordenação política da elaboração do Zoneamento.


No Brasil a iniciativa faz parte do Consórcio ZE Brsil que conta com a participação de instituições da iniciativa pública e privada, como IBGE, Embrapa e Petrobras.


Em Mato Grosso do Sul, além da FAMASUL e de sindicatos rurais do Estado, participam do projeto a Embrapa, Ibama, Incra, Ibge, Fiems e universidades e empresas privadas.


Na reunião desta segunda-feira participaram também o consultor da SECID, João Batista Lopes, e o vice-presidente da FAMASUL, Eduardo Riedel, e membros do Departamento Técnico entidade.

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Jovem é esfaqueado nas costas no Parque de Exposições

2
Aquidauana

Grupo bebe engradado de cerveja em lanchonete do Bairro Alto e foge sem pagar

3
Aquidauana

Idoso paga R$ 10 por programa e acusa mulher de furto no Guanandy

4
Policial

Tenentes da Marinha são presos levando armas e mais de 1000 munições para RJ

Vídeos

Entrevista com os produtores do Longa-Metragem sobre Sasha Siemel

Tráfego de carretas no cruzamento da Duque de Caxias causa preocupação na população.

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
5,20m
Miranda
7,31m
Paraguai
1,82m

Colunas e Blogs

Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: HISTÓRIAS FEITAS DE GENTES E D...

Valdemir Gomes

Re...

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

Estudo de caso

Ver Mais Colunas
498110516