A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
12 de dezembro de 2018
Anuncie Aqui
Geral

Sisbov será feito em 50 milhões de cabeças neste ano

20 JUL 2007 - 07h38min
midia max news

O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, disse que o novo Sisbov (Sistema de Rastreabilidade de Bovinos) estará em pleno funcionamento até o fim do ano e a estimativa é que o número de animais cadastrados chegue a 50 milhões de cabeças de gado. As informações são do jornal Estado de São Paulo.


Stephanes afirmou que apenas os animais e fazendas que constarem do cadastro poderão exportar seu produto para a União Européia. O prazo para que os pecuaristas adotem o novo sistema vai até 31 de dezembro.


A partir daí, os pecuaristas que quiserem exportar carne bovina terão que atender à instrução normativa nº 17, que determina a rastreabilidade, com identificação de todos os animais da propriedade e informações sobre o manejo do rebanho. Com a mudança para o novo Sisbov, uma propriedade só poderá ter animais de áreas livres de febre aftosa.


O rastreamento dos animais foi um dos pontos questionado pelos irlandeses no relatório apresentado ao Parlamento Europeu. O governo estuda transferir a gestão dos bancos de dados deste sistema para a iniciativa privada, mas o assunto é polêmico porque é alvo de disputa entre as entidades representativas do setor.


Stephanes observou que já recebeu propostas da ABCZ (Associação Brasileira de Criadores de Zebu) e da própria cna (Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil). "Recebi uma ligação do próprio Fábio Meirelles (presidente da entidade) para tratar deste assunto", disse Stephanes.


O secretário de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo, Marcio Portocarrero, disse que o governo deverá receber as propostas de migração do sistema de gestão do banco de dados entre 30 e 40 dias. A partir daí, terá início o processo de transferência das informações. Portocarrero garantiu que a migração não será imediata para não oferecer risco às exportações brasileiras de carne. Ele explica que a transição do banco de dados para o setor privado deve durar dois anos. No primeiro ano, os dois sistemas - privado e público - irão operar paralelamente, mas depois será totalmente transferido para o setor privado.


"Quando há interesse do setor privado, o sistema funciona. Já é assim no Canadá e na Nova Zelândia. A máquina pública oferece entraves que o setor privado não enfrenta", afirma Portocarrero, lembrando que o serviço público é mais lento para adotar medidas emergenciais, que podem ser rapidamente solucionadas.

Veja também

Mais Lidas

1
Entrevistas

Aquidauanense é convidada para programa da Rede Globo

2
Aquidauana

Mulher inventa roubo para justificar sumiço de R$ 8 mil ao namorado em Aquidauana

3
Aquidauana

Acidente em cruzamento mobiliza Resgate dos Bombeiros

4
Aquidauana

Investidura de coroinha rouba cena em celebração de Nossa Senhora

Vídeos

Entrevista com os produtores do Longa-Metragem sobre Sasha Siemel

Tráfego de carretas no cruzamento da Duque de Caxias causa preocupação na população.

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
2,59m
Miranda
6,13m
Aquidauana
3,76m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Abri...

Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: DAR, RECEBER E RETRIBUIR

Robinson L Araujo

JESUS, SACERDOTE FIEL!

Ver Mais Colunas