A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
09 de abril de 2020
Anuncie Aqui
-->
Geral

Trabalho escravo segue fronteira agrícola, apontam entidades

24 JUL 2007 - 08h00min
agência brasil

A maior parte dos cidadãos encontrados em situação semelhante à escravidão trabalhava em áreas na fronteira agrícola do país, apontam entidades que acompanham o combate ao problema no Brasil.


- A expansão do empreendimento agropecuário coincide com a libertação de trabalhadores - afirma a oficial de projetos da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Andréa Bolzon.


Para ela, na fronteira agrícola aliam-se as grandes propriedades às altas taxas de desemprego, favorecendo a contratação de trabalhadores em condições degradantes.


- O trabalho escravo contemporâneo é uma forma do capital reduzir custos em seu processo de expansão e modernização, garantindo competitividade a produtores rurais - avalia o cientista político Leonardo Sakamoto, da organização de direitos humanos Repórter Brasil. Para ele, o aumento da competição no campo, com o aumento das exportações, incentiva o trabalho escravo.


- Utilizam mão-de-obra em condições degradantes, de baixo custo, e invadem terras públicas, o que gera desmatamento, principalmente, na Amazônia.


A incidência de trabalho escravo na fronteira agrícola pode ser confirmada pelo cruzamento de dados, feito pela Agência Brasil, da "lista suja" do Ministério do Trabalho com o mapa do desmatamento da Amazônia do Ministério do Meio Ambiente e o crescimento da economia agrícola, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


Outro dado que comprova essa avaliação, segundo as entidades que acompanham o assunto, são as atividade econômica das empresas em que são encontrados trabalhadores em situação semelhante à escravidão. Mais de 60% das fazendas autuadas cria bovinos. Em seguida vem a produção de carvão vegetal, 12%. Duas atividades típicas da fronteira agrícola brasileira.


A função desempenhada pelos trabalhadores também indica a sua utilização em atividades de expansão agrícola, segundo as entidades. Metade deles tinha como trabalho cuidar do pasto. A segunda atividade mais desempenhada é o desmatamento - cerca de 20% dos trabalhadores libertados. São atividades que, segundo a oficial da OIT, antecedem a implementação de pastos e áreas de cultivos.

 

Veja também

Mais Lidas

1
Anastácio

Luto: morre o empresário Carlinhos, dono da Drogaria Progresso

2
Aquidauana

Polícia apreende moto usada na fuga do suspeito de matar Ariadini em Aquidauana

3
Anastácio

Motociclista fica ferida em queda de moto na BR-262 em Anastácio

4
Charges

Luto

Vídeos

Motorista de trator diz que tentou desviar da moto para evitar acidente fatal

PM grava vídeo na língua terena para orientar indígenas sobre prevenção ao coronavírus

Lideranças de Taunay fecham o acesso ao distrito para quem não é morador

Ver mais Videos

Previsão do Tempo

min17 max29

Aquidauana

Sol com algumas nuvens. Não chove.
min17 max29

Anastácio

Sol com algumas nuvens. Não chove.

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
2,70m
Miranda
2,21m
Paraguai
1,85m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Em...

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

"APRENDENDO A VIVER"

Raquel Anderson

Diário de um tempo de Pandemia IV

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Pesqueiros

Pousada Amarelinho

Acesso pelo Frigorífico, - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241 2828/99186
Médicos

Alex Leite Melo - Psiquiatra

Rua Getulio Vargas, 153 - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-4160
Médicos

Pedro O. de Medeiros - Otorrinolaringologista

Rua Marechal Mallet, 885 Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-3977
Ver Mais