A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
21 de fevereiro de 2019
Anuncie Aqui
8508
Geral

Trabalho escravo segue fronteira agrícola, apontam entidades

24 JUL 2007 - 08h00min
agência brasil

A maior parte dos cidadãos encontrados em situação semelhante à escravidão trabalhava em áreas na fronteira agrícola do país, apontam entidades que acompanham o combate ao problema no Brasil.


- A expansão do empreendimento agropecuário coincide com a libertação de trabalhadores - afirma a oficial de projetos da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Andréa Bolzon.


Para ela, na fronteira agrícola aliam-se as grandes propriedades às altas taxas de desemprego, favorecendo a contratação de trabalhadores em condições degradantes.


- O trabalho escravo contemporâneo é uma forma do capital reduzir custos em seu processo de expansão e modernização, garantindo competitividade a produtores rurais - avalia o cientista político Leonardo Sakamoto, da organização de direitos humanos Repórter Brasil. Para ele, o aumento da competição no campo, com o aumento das exportações, incentiva o trabalho escravo.


- Utilizam mão-de-obra em condições degradantes, de baixo custo, e invadem terras públicas, o que gera desmatamento, principalmente, na Amazônia.


A incidência de trabalho escravo na fronteira agrícola pode ser confirmada pelo cruzamento de dados, feito pela Agência Brasil, da "lista suja" do Ministério do Trabalho com o mapa do desmatamento da Amazônia do Ministério do Meio Ambiente e o crescimento da economia agrícola, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


Outro dado que comprova essa avaliação, segundo as entidades que acompanham o assunto, são as atividade econômica das empresas em que são encontrados trabalhadores em situação semelhante à escravidão. Mais de 60% das fazendas autuadas cria bovinos. Em seguida vem a produção de carvão vegetal, 12%. Duas atividades típicas da fronteira agrícola brasileira.


A função desempenhada pelos trabalhadores também indica a sua utilização em atividades de expansão agrícola, segundo as entidades. Metade deles tinha como trabalho cuidar do pasto. A segunda atividade mais desempenhada é o desmatamento - cerca de 20% dos trabalhadores libertados. São atividades que, segundo a oficial da OIT, antecedem a implementação de pastos e áreas de cultivos.

 (67) 99984.6000

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

PM prende mais três foragidos da Justiça em Aquidauana e Anastácio

2
Geral

Policial aposentado encontra cascavel de mais de 1 metro dentro de casa

3
Aquidauana

Homem tenta matar a tiros o próprio padrasto no Distrito de Cipolândia

4
Aquidauana

Ex-vereador de Aquidauana que caiu de altura de 3 metros recebe alta

Vídeos

1º Leilão Direito de Viver

Ciclista sofre fratura após ser atropelado por caminhão

Despedida do Pe. Thiago Machado

Ver mais Videos

Previsão do Tempo

min22 max31

Aquidauana

Sol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
min22 max31

Anastácio

Sol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
2,19m
Miranda
4,10m
Aquidauana
3,00m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Estou...

Robinson L Araujo

QUANDO A FAMÍLIA FAZ DO PERDÃO UMA PONTE DE RESTAURA...

Raquel Anderson

Morrer na lama!

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Médicos

Sérgio B. Pellegrino - Pediatra

Rua Marechal Mallet, 867 Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-3114
Escolas Particulares

Genius Escola de Formação Profissional

Rua Estevão Alves Corrêa, 2011 Alto - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-4118
Advocacia

Fabiana Moreira Sortica dos Santos / Ary Sortica

Rua Augusto Mascarenhas, 506 Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-3122/3241-
Ver Mais
508110768