A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
24 de Abril de 2017
Anuncie Aqui
8189

Mutirão garante pagamento de mais de 30 mil dívidas trabalhistas em MS

22 AGO 2016 - 17h10min
TRT
O Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região e o Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) estão organizando a sexta edição da Semana Nacional da Execução Trabalhista, que será realizada de 19 a 23 de setembro, em todo o país. O objetivo é promover um engajamento nacional para solucionar processos com dívidas trabalhistas em fase de execução, ou seja, quando há condenação, mas o devedor não cumpre a decisão judicial.

Atualmente, tramitam 28.389 processos que já foram julgados pela Justiça do Trabalho de Mato Grosso do Sul, mas que os trabalhadores ainda não receberam os valores devidos. Quem se interessar em participar da Semana Nacional da Execução Trabalhista deve entrar em contato com a Vara do Trabalho onde o processo tramita ou com a Secretaria de Coordenação Judiciária pelo telefone 3316-1744, em caso de processos do Segundo Grau.

Em 2015, na edição anterior da Semana, foram arrecadados quase R$ 6 milhões para o pagamento de dívidas trabalhistas no Estado. Ao todo, 197 audiências de processos na fase de execução foram realizadas com um índice de 57% de acordos. Durante todo o ano passado, 10.294 execuções foram iniciadas e 8.207 finalizadas, em Mato Grosso do Sul.

A execução trabalhista é a fase do processo em que se impõe o cumprimento do que foi determinado pela Justiça, o que inclui a cobrança forçada feita a devedores para garantir o pagamento de direitos. A fase de execução só começa se houver condenação ou acordo não cumprido na fase de conhecimento, em que se discutiu ou não a existência de direitos.

Desafios

Um dos grandes desafios ao longo da Semana Nacional da Execução Trabalhista é driblar os devedores que tentam burlar a Justiça. Segundo o coordenador da Comissão Nacional de Efetividade da Execução Trabalhista, ministro Cláudio Mascarenhas Brandão, alguns processos não são executados por falta de recursos do devedor. Outros, por conta de situações onde os devedores usam "laranjas" e "testas de ferro" para tentar enganar a Justiça e postergar os pagamentos devidos.

"As ações de execução são voltadas para aquele devedor que não procura a Justiça para quitar seus débitos e insiste em não cumprir o que foi determinado. Nós da Justiça do Trabalho nunca fechamos as portas para aquele empregador que tem dificuldades de cumprir a decisão e procura a Justiça na tentativa de, junto ao credor, chegar a um consenso," explica o ministro.

A Justiça do Trabalho têm convênios com a Receita Federal e com outros órgãos para acessar bancos de dados e ferramentas eletrônicas variadas para localizar e leiloar bens de devedores, bem como obter as informações necessárias a uma execução efetiva.

A execução trabalhista é considerada um dos grandes gargalos da Justiça. Em muitos casos, mesmo assinado um acordo, algumas empresas deixam de cumpri-lo. Em outras situações, as partes divergem quanto ao valor da dívida e apresentam uma série de recursos para contestar os cálculos, o que atrasa a conclusão dos processos.

Veja também

Mais Lidas

1
Policial

Vítimas de chacina são evangélicos; um pastor está entre os mortos

2
Policial

Jovem é preso na Nova Aquidauana por esconder droga em buraco no quintal

3
Policial

Garota tenta beijar outra garota e caso vai parar na Polícia

4
Policial

Van que transportava alunos de Dois Irmãos do Buriti é retida pela PRF

Vídeos

Blitz educatica frente ao Exercito

Sucuri de três metros é capturada em Anastácio-MS

Blitz educativa Aquidauana-MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
3,78m
Miranda
2,99m
Paraguai
2,68m
Rio Cuiabá
3,76m
Rio Taquari
4,37m

Colunas e Blogs

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

Do abraço, do afago e do aconchego: as distâncias, apen...

Raquel Anderson

Pequeno profundo diário IV

Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: FIM DOS TEMPOS?

Ver Mais Colunas
472810404