A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
27 de Março de 2017
Anuncie Aqui
8210

Recurso de policial acusado de extorsão e sequestro não é conhecido

18 JAN 2017 - 17h39min
Da Redação
 
Em sessão de julgamento, por unanimidade, os desembargadores da Seção Criminal não conheceram a revisão criminal interposta por J.F.L. que, pela segunda vez, busca converter sua pena de perda de graduação e a concessão de pena de reforma.
 
Consta nos autos que o primeiro processo de perda de posto e patente (art. 125, § 4º, da CF, e 119, § 1º, da Constituição do Estado de MS) em face de J.F.L. teve trâmite normal e, ao final, julgou-se procedente a representação para declarar a incapacidade do requerente, então cabo da Polícia Militar de MS, de permanecer no quadro de funcionários.
 
Segundo o processo, o requerente foi condenado a 16 anos e 4 meses de prisão, em regime fechado, sob a acusação de participar do sequestro de duas pessoas que estariam envolvidas no roubo de cerca de US$ 500 mil, pertencentes a L.F. da C., traficante bastante conhecido em todo o país, que estariam em posse de A.G. de M.
 
Narra a denúncia que, informalmente e fora do horário de serviço, o acusado foi até a residência onde vivia a testemunha D.P., junto com A.G.M., para ?investigar? um arrombamento, no qual havia sido furtada uma mala com o dinheiro.
 
No dia seguinte, após tomar conhecimento dos fatos, J.F.L. e outras 9 pessoas foram até a casa das vítimas N. de J.L.D. e L.C., que supostamente estariam em posse desse valor e, segundo as denúncias, a negociação girou em torno da entrega dos 500 mil dólares.
 
A defesa de J.F.L. alega que o acusado manteve mais de 20 anos de excelente ficha profissional, inúmeros elogios em ficha, vasto volume de apreensão de drogas, além de inúmeras outras ações que, segundo eles, justificam a concessão da referida pena de reforma.
 
O relator do processo, Des. Romero Osme Dias Lopes, afirma que não foi constatado fato novo que permitisse a reanálise do pedido revisional, devido ao fato da alegação defensiva já ter sido apreciada no pedido interposto anteriormente (art. 622), o que reitera o posicionamento da Procuradoria-Geral de que o pedido inicial foi devidamente analisado e indeferido por ausência de elementos que pudessem desconstituir a decisão que excluiu J.F.L. dos quadros da Polícia Militar.
 
Cita ainda o relator a Desa. Marilza Lúcia Fortes que, na condição de relatora do primeiro processo, afirmou que, por meio de documentos juntados, mesmo que o crime de extorsão mediante sequestro (art. 159 do Código Penal) tenha sido fato isolado na vida do policial, não há de ser afastada a gravidade da prática. ?Posto isto, com o parecer ministerial, não conheço da presente revisão criminal?.
 
Processo nº 1403684-79.2016.8.12.0000

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Laura de Freitas: A menina que amava Trem Bala

2
Policial

Quatro amigos caem em rio depois de lancha virar bote

3
Policial

Oficina é investigada por suspeita de desmanche de veículos furtados

4
Policial

Quatro pessoas morrem e uma fica ferida em acidente envolvendo animal

Vídeos

Disk-Peças é investigado por "transplante" de peças roubadas

Criança ainda está desaparecida nas águas do Aquidauana

Incêndio em residência em Anastácio

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
3,98m
Miranda
Paraguai
2,33m
Rio Cuiabá
3,67m
Rio Taquari
4,21m

Colunas e Blogs

Manoel Afonso

PMDB-PSDB, mais afinidades do que diferenças

Raquel Anderson

Embalando o presente

Rosildo Barcellos

Cromossomos Felizes

Ver Mais Colunas
472810310