Política

Assembleia discute problemas da saúde em audiência e sinaliza abertura de CPI

10/05/2013 08:10


Após escândalo de desvio de recursos do SUS (Sistema Único de Saúde) no Hospital do Câncer e Hospital Universitário virem à tona, a Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul se reuniu em audiência pública, nesta quinta-feira (9), com representantes de hospitais, conselhos de saúde, Ministério Público Estadual para discutir as denúncias e apontar soluções para a saúde no estado.
 
Proposta pelos deputados estaduais Amarildo Cruz (PT) e Lauro Davi (PSB) e endossada por outros 14 parlamentares, a audiência durou cerca de três horas e teve no centro da discussão 'A Terceirização dos Serviços de Saúde no Estado de Mato Grosso do Sul'.
 
As opiniões foram controversas. Alguns defenderam que o privado continue prestando serviços de saúde para o poder público, já que este não suporta a demanda. Outros, como o deputado Pedro Kemp (PT) criticou a privatização e disse que todos os serviços que eram públicos e passaram para o privado prejudicaram a população. Como exemplo, citou a privatização da água e energia em Campo Grande, onde o serviço ficou cada vez mais caro sem melhoria efetiva do que é oferecido.  ?Serviço público é investimento, privado é lucro. Essa é a lógica do mercado?, emendou.
 
Apesar de os presentes não entrarem em acordo quanto à necessidade do privado prestar serviços públicos, todos foram favoráveis a abertura da CPI da Saúde, que foi o motivo inicial da audiência.
 
Lauro Davi afirmou que o evento superou a expectativa inicial que era debater os problemas divulgados na mídia e buscar elementos para a instauração da CPI. Para ele, a audiência mostrou os reclamos das instituições de saúde, do próprio poder público que também é vítima da falta de estrutura que efetivamente tem.
 

redação