Política

Câmara de Campo Grande cancela café da manhã dos vereadores e manifestantes levam pão para os parlamentares

Ironizando, manifestantes disseram que parlamentares deveriam estar famintos.

21/06/2013 06:53


O presidente da Câmara de Campo Grande, Mário Cesar (PMDB) emitiu um comunicado na quarta-feira (19) no site da Casa de Leis avisando que suspendeu o café da manhã dos vereadores e que iria cancelar o contrato do serviço. A medida foi tomada após diversos veículos criticam o café regado à água de coco, iogurte, granola, frutas, salgados, suco, salada de frutas, bolo caseiro com cobertura, café expresso, capuccino, refrigerante, pão recheado, pão de centeio, queijo, tortas doces e salgadas e cuca.  A benesse aos parlamentares custa cerca de R$ 9.500 mensais aos cofres públicos, já que o Orçamento da Câmara é dado pelo Executivo.
 
Entretanto, apesar da suspensão, o manifesto contra o ?Café de Luxo? organizado nas redes sociais se manteve. Os manifestantes disseram que já sabiam do cancelamento e levaram pães com requeijão para os parlamentares, afinal eles deveriam estar com fome, ironizaram.
 
?Fiquei sabendo que os vereadores haviam desistido do café, mas resolvi vir mesmo assim. Eles acharam que com a desistência do café não viríamos mais. Por isso, eu trouxe pão com manteiga para entregar aos vereadores, eles devem estar com fome?, ironizou um dos manifestantes.
 
Afirmando apoiar as manifestações democráticas, o vereador Chocolate (PP) foi o primeiro a ir conversar com os manifestantes. Ele parabenizou o grupo e disse que os movimentos são importantes para mudanças no país. ?As manifestações pacificas devem ser respeitadas. E quem sabe assim alguma coisa começa a mudar. Os políticos devem respeitar os protestos?.
 
O estudante de administração ajoelhou na frente do vereador e pediu a ele para comer o pão com manteiga. O parlamentar aceitou o pão e comeu. Ele ainda contou que nunca participou no café da Câmara e sempre optou em fazer a refeição em casa.
 
Os manifestantes falaram ao parlamentar que um salário de R$ 15 mil é um dos mais indecentes do país e mais que o suficiente para poderem pagar o próprio café em casa. ?Os vereadores devem tomar café em casa, como todo trabalhador, como o povo. Se vocês representam o povo, devem fazer como o povo?, exclamaram.
 
O vereador Coringa (PSD) também foi cumprimentar os manifestantes. Ele comeu o pão com manteiga, mas preferiu não emitir opinião.
 
Já Flavio César (PT do B) que também chegou à Câmara cedo, não foi conversar com os manifestantes.
 
(Com informações do Midiamax)

redação