Emancipação

Há 60 anos em Bodoquena, ex-prefeito Irineu Okaneco comemora ligação com município

17/05/2019 16:00


No mês da emancipação de Bodoquena, cidade a 138 quilômetros de Aquidauana, o ex-prefeito Irineu Okaneco se emociona ao relembrar sua ligação com o município. Em entrevista ao jornal O Pantaneiro, Irineu se lembrou dos primeiros passos dados em Bodoquena quando ainda era colônia.

Irineu já foi prefeito em 1981 nomeado pelo governo do estado, verreador eleito de 1989 a 1992, trabalhou na Câmara Municipal de zelador a diretor geral, assumiu a secretaria geral até 2016 e também esteve no cargo de secretario educativo no departamento de Educação.

Irineu lembra que chegou a cidade em 1958, aos 8 anos, na companhia do pai que era médico e foi um dos primeiros médicos na região de Bodoquena. “Naquela época não tinha nem estrada, mas a colônia estava se desenvolvendo com atração de terras, águas e o clima saudável”, recorda.

De terra fértil e beleza exuberante Bodoquena era conhecida como colônia. “Ou seja, colônia Dr. Arnaldo Estevão de Figueiredo com a chegada de pessoas na região nos tempos de 1948. Foi nesse período que acompanhei Bodoquena se desenvolver”.

Com o desenvolvimento, Bodoquena tornou-se distrito de Miranda, trazendo à tona a vontade de ver o lugar “ganhar asas”. “O povo então sentiu a necessidade da emancipação política e administrativa de Bodoquena. Foi quando apresentamos o projeto que foi aprovado pelo governo do Estado e conquistamos a emancipação de Bodoquena”.

Com essa conquista, Irineu foi o primeiro secretario que fez a ata da emancipação. “Fui então o segundo prefeito interino e instalei a Câmara Municipal de Bodoquena”, recorda.

Entre tantas histórias e 39 anos de emancipação, Irineu se emociona e demonstra gratidão pelo povo de Bodoquena. “Eu só tenho que agradecer a todos os setores e cargos em que eu passei. À época, não tinha prefeitura em sede própria, pagávamos aluguel, enfim, muitas conquistas. Então só tenho que agradecer ao povo e a confiança dessa cidade tão bela”.

Com informações de Ricardo Flores.


Redação