BODOQUENA

“Segurança Pública depende de um trabalho comunitário bem feito”, diz titular Nicson Lenon

Delegado é elogiado pelo desempenho e bom relacionamento com a população

17/09/2019 08:00


O delegado, Nicson Lenon, 27 anos, assumiu a titularidade na Delegacia de Polícia Civil há um ano e dois meses e os resultados positivos na resolução de crimes cometidos no município de Bodoquena é motivo da aprovação maciça que obteve junto a população local.

Durante entrevista exclusiva concedida ao jornal ‘O Pantaneiro’, o profissional explica que a segurança pública eficaz depende de um trabalho comunitário bem feito. “Tenho muito amor por minha profissão e procuro realizar minhas atividades com a maior dedicação possível. Também quero destacar o comprometimento da minha equipe que contribui nos resultados efetivos que temos conquistado. O trabalho em equipe é o que contribui para esse resultado. Sem a minha equipe não seria possível.”, pontua.

Lenon pontua que Bodoquena é uma cidade calma e com baixo índice de criminalidade, contudo, a série de furtos registrados no mês de setembro podem ser resultado, em parte, porque estava em período de férias. “Alguns cidadãos comentaram que os autores podem ter pensado que pelo fato de eu estar ausente seria mais fácil realizar a prática dos crimes. Mas, este não é o único motivo, visto que há uma série de fatores que contribuem para esse aumento do índice criminal”, argumenta.

Delegado Nicson e parte da equipe 

Tanto foi equivocado o pensamento que o delegado titular de Miranda, Pedro Henrique Pillar Cunha, que ficou responsável no período de férias do Delegado, em conjunto com os policiais de Bodoquena, realizou um trabalho eficiente e todos envolvidos já foram presos em flagrante ou preventivamente.

 “Sempre digo que a engrenagem do crime é o tráfico de drogas, porque onde há traficante há usuário. Esses últimos são dependentes, na maioria das vezes, e para manter o vício acabam realizando pequenos furtos, os que não tem dinheiro para sustentar o vício. Como queremos diminuir o índice de furto na região, nossa atuação visa principalmente combater a traficância”, observa o delegado.

ESCLARECIMENTOS

Sobre alguns furtos acontecidos na cidade, o titular da Polícia Civil explica que os suspeitos já foram presos, alguns em flagrante e outros preventivamente. Ressalta que estava de férias e a quem se deve dar o crédito pelo trabalho realizado é para o Delegado Pedro Henrique Pillar Cunha, que, junto aos policiais civis e os policiais militares ambos de Bodoquena, fizeram um ótimo trabalho. Foi o caso do acontecido na casa do prefeito, Kazuto Horii, há cerca de 15 dias.

“Segundo o apurado, recebeu-se  denúncias de populares e a equipe chegou a dois suspeitos que foram presos em flagrante. Durante depoimento, ambos indicaram como foi realizada a dinâmica do crime e onde os produtos subtraídos estavam escondidos. Com isso, os investigadores e os policiais militares conseguiram recuperar o que foi roubado e ainda, encontrar um terceiro envolvido que foi preso preventivamente”, detalha.

Lenon acrescenta que um adolescente também participou da ação e uma mulher envolvida no furto e que estava presa recebeu liberdade provisória por determinação do juiz responsável pelo caso, a fim de responder o processo em liberdade. Caso sejam condenados, os suspeitos podem cumprir pena que varia entre dois e oito anos.

O segundo esclarecimento foi o caso do arrombamento feito na farmácia do senhor Walter, que teve uma vidraça destruída pelo autor. No entanto, o comércio conta com monitoramento de vídeo e o equipamento contribuiu para identificação rápida do suspeito que foi preso e acabou confessando o ato, além de confessar que realizou um furto no Mercado Araras.

“O suspeito está preso e não mora aqui, mas, possui familiares. Ele veio passar uma temporada na cidade e acabou cometendo o delito que resultou sua prisão por furto qualificado pelo arrombamento”, pontua o delegado.

AÇÃO PREVENTIVA

Na avaliação de Lenon, o trabalho preventivo de combate ao crime é a melhor forma de diminuir os atuais índices registrados pela Segurança Pública de Mato Grosso do Sul e de outros estados brasileiros. “Acredito que a lei não é branda, porém, é necessário fortalecer ações de reintegração social das pessoas menos favorecidas socialmente ou ainda, levar oportunidade de trabalho e geração de renda, a fim de evitar que muitas sejam seduzidas pela marginalidade”, ressalta.

O próximo passo, conforme informado pelo titular da delegacia de Bodoquena, é elaborar uma série de ações com a equipe, a fim de concluir casos em andamento e coibir que práticas de delitos voltem a aumentar.

“Nesse ponto tenho que agradecer a comunidade de Bodoquena que me recebeu com muito carinho, acreditando na minha proposta como delegado titular. Tenho consciência que a segurança pública local depende da dedicação minha e de minha equipe e da Polícia Militar,  por isso, nosso foco é a excelência no esclarecimento de cada ocorrência”, reforça.

Lenon elogia a atuação da equipe da Polícia Civil de Bodoquena e elenca os profissionais que compõem o quadro de servidores públicos: Raquel Ferreira e Valdice Angelo (escrivãs), Sandro Mariano, Ricardo Pereira, Antônio Lopes, Eder Pereira, Carolina do Carmo e Sulivan (investigadores), além de Clarineide (papiloscopista)

“Só tenho que agradecer os profissionais que trabalham comigo e a comunidade de Bodoquena pela confiança no meu trabalho. Cheguei do Rio de Janeiro com o desejo de desenvolver um trabalho de excelência. Isso só é possível por essa união de esforços pelo bem comum”, finaliza o delegado.

SERVIÇO

A Delegacia de Polícia Civil de Bodoquena está localizada na Rua Manoel Pinho, s/n, Centro. O telefone para contato da população que queira contribuir com esclarecimento de crimes (de forma anônima também) é: (67) 3268-1145.


ALINE OLIVEIRA E RICARDO FLORES