Uma tragédia!

Em velório, bisavó de Miguel diz que ele era pura doçura e muito brincalhão

"Jamais pensei que uma tragédia dessa aconteceria com minha família", disse a bisavó do menino.

20/09/2019 16:45


“Ele era um menino doce, muito brincalhão, adorava o cachorrinho dele e vivia me pedindo mamá”, disse a bisavó de Miguel Henrique dos Reis Zenteno, de dois aninhos, dona Neide Maria Bogado, 69 anos. A criança e a mãe moravam com ela, em Aquidauana.

Inconformada, enquanto velava seu bisneto, a bisavó foi a única da família que falou com a equipe do Jornal O Pantaneiro, que foi assassinado pelo pai, Evaldo Christyan Dias Zenteno, de 21 anos, na tarde desta quinta-feira (19).

Ainda segundo a bisavó, que morava com o bebê e a mãe dele, Evaldo esteve em Aquidauana na quarta-feira (18) para buscar Miguel e leva-lo à Campo Grande. “Ele sempre vinha buscar o filho; nunca suspeitei de nada, porque a mãe dele, a outra avó, cuidava muito bem do nosso Miguelito”, contou.

Vingança

Dona Neide, a bisavó, contou também que Evaldo não deixava a mãe de Miguel em paz. “Ele não tinha aceitado muito bem a separação e vivia insistindo para que ela voltasse, ele perseguia ela até de madrugada pelo celular”. 

Abalada, ela contou ainda que não consegue entender a tragédia que todos de sua família estão vivendo. “É revoltante tudo isso, acredito que um caso desses choca todo mundo”, finaliza.

Entenda o Caso

O aquidauanense Evaldo Christyan Dias Zenteno, de 21 anos, foi preso pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar nesta quinta-feira (19), em Campo Grande, depois de matar o filho Miguel Henrique dos Reis Zenteno, de apenas dois anos, afogado. O autor disse que cometeu o crime para se vingar da ex-mulher, mãe da criança, também de Aquidauana.

Conforme boletim de ocorrência, o caso veio à tona quando a criança deu entrada na Santa Casa. Os médicos suspeitaram das causas da morte e acionaram a polícia. O Choque foi ao local e conversou com Evaldo, que relatou que havia sido vítima de um roubo e que na ocasião levaram o carro e jogaram o filho em córrego na Avenida Presidente Ernesto Geisel.

Ele detalhou que por volta das 15 horas estava em um carro emprestado e que parou em uma conveniência para comprar Todynho para o filho. Quando retornou, foi roubado por dois homens com capuz, que sequestram Miguel e o levaram junto com o carro, jogando-o no córrego. No entanto, o rapaz não sabia dar mais informações, fato que chamou a atenção dos policiais.

Questionado novamente, Evaldo mudou a versão da história e disse que queria se vingar da ex-mulher. Ele não aceitava o fim da separação e chegou a cogitar uma suposta traição. O rapaz informou que, por ter sofrido, também deveria fazer a ex sofrer e, incentivado por um amigo, acabou decidindo cometer o crime. Ele então mergulhou a cabeça do menino em uma bacia com água, até matá-lo.

Em seguida, para tentar despistar a polícia, levou a criança para a Santa Casa forjando a história do roubo. De acordo com a perícia, a vítima chegou morta ao hospital. Evaldo foi encaminhado à Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário do Centro (Depac) e vai responder por homicídio qualificado.

 


Carol Alencar e Samara Souza