Pesca Proibida

Operação Piracema apreendeu 369 kg de pescado e prendeu 32 pessoas em 2 meses

Números foram divulgados durante reunião com o secretário Jaime Verruck

16/01/2020 17:39


Em dois meses de Operação Piracema, a PMA (Polícia Militar Ambiental) já apreendeu 369 quilos de pescados, prendeu e autuou 32 pessoas por crimes ambientais, aplicou multas e recolheu uma quantidade expressiva de petrechos de pesca. Os dados fazem parte do relatório entregue pelo comandante da PMA, tenente coronel Eduardo Lane, ao secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck.

A reunião de prestação de contas aconteceu na manhã desta quinta-feira (16), na Semagro, e estavam presentes também o diretor presidente do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), André Borges, e o sargento Cícero Fabrini. A Operação Piracema teve início em novembro e se estende até fim de fevereiro. Todo o efetivo da PMA foi escalado para as atividades de fiscalização e o Imasul destacou mais 30 fiscais para reforçar o trabalho. Só os fiscais do Imasul, em vistorias nas peixarias, apreenderam 343 quilos de pescados sem origem ou fora de medida.

O número de apreensões e prisões neste ano está bem acima do registrado no mesmo período do ano passado. Isso se deve ao rigor da fiscalização, explicou o comandante da PMA. A quantidade de pescado é 288% maior do que o total apreendido nos dois primeiros meses da operação na temporada 2018/2019. O número de prisões também segue a proporção: 32 x 12. Foram apreendidos ainda 313 anzóis de galho, 7 barcos, 45 espinhéis, 95 redes, entre outros equipamentos e petrechos.

O secretário Jaime Verruck elogiou o trabalho da PMA e a decisão do Imasul de reforçar a Operação destacando fiscais para apoiar na fiscalização. O secretário frisou que o governo tem dado toda estrutura e apoio necessários à PMA, para que exerça com eficiência seu trabalho na repressão à pesca ilegal e que espera da população um comportamento consciente, de respeito ao período de defeso e de repúdio àqueles que teimam em confrontar as leis e praticar a pesca predatória.

“Esse período é essencial para reprodução das espécies, é o tempo em que os peixes estão mais indefesos, subindo a correnteza para desovar nas cabeceiras. Temos que ter consciência, dar uma chance à natureza para que nossos rios sempre tenham peixes”, disse Verruck.

Imasul

Os fiscais do Imasul apreenderam, em apenas três dias de trabalho na semana passada, 343 quilos de pescado irregular em peixarias e restaurantes localizados em Campo Grande, na rodovia BR-262 e na estrada MS-352 (Ponte do Grego). A ação prossegue até 28 de fevereiro e deverá abranger todas as regiões de Mato Groso do Sul. Participam da Operação 30 servidores. “Estão todos motivados e engajados na tarefa de fazer cumprir a lei e proteger nossos recursos pesqueiros”, disse o diretor presidente do Imasul, André Borges.

Em Campo Grande foram vistoriados no período, 32 estabelecimentos, dentre peixarias e restaurantes. Nestes locais foram apreendidos 335 kg de pescado irregular (sem documentação ou exemplares fora do tamanho permitido no período de defeso). Já no posto da PRF na BR-262, foram realizadas 100 abordagens e apreendidos 8kg de pescado irregular. Na MS-352 (Ponte do Grego), em mais 70 abordagens foram apreendidas duas motosserras sem documentação (LPU – Licença de Porte e Uso).


Assessoria/Semagro