Tecnologia

Acesso à internet reflete as desigualdades sociais, aponta estudo

08/08/2007 07:49


É nas residências de moradores do Distrito Federal que está a maioria (31,1%) dos computadores conectados à internet no País. O Distrito Federal também é a unidade da federação onde a população mais utiliza a rede mundial: 41,1%. Já no estado do Maranhão cerca de 2% dos lares estão conectados e é de 7,7% a parcela de moradores que usam a rede, seja dentro de casa, em centros públicos ou escolas.


Os dados são do Mapa das Desigualdades Digitais do Brasil, divulgado ontem (07/08) pela Rede de Informação Tecnológica Latino-Americana (Ritla). O trabalho, com apoio do Ministério da Educação, relacionou às desigualdades fatores socioeconômicos como renda, raça e oferta de postos de acesso público.


Com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), de 2005, o estudo aponta que no grupo de menor renda da população uma parcela de 0,8% possui internet em casa. Já entre a população mais rica sobe para 56,3% o percentual de casas com acesso à rede - "uma diferença de 7.600%", segundo a pesquisa.


De acordo com o estudo, cerca de 28% da população brasileira autodeclarada branca na Pnad utilizam a internet, de maneira geral - mais que o dobro dos 13,3% da população negra. Em relação à população branca (27,8%), na região Sul a população negra tem menos acesso à internet (15,3%). Nos estados, praticamente não há diferenças nesse item.


"Tais brechas nada mais são que uma nova forma de manifestação das tradicionais diferenças e divisões existentes em nossas sociedades e no mundo, novas formas de exclusão, que reproduzem e reforçam diferenças pré-existentes", afirma a pesquisa, ao reiterar que o acesso às tecnologias da informação estimula o enriquecimento cultural e a melhoria da educação.


uol