Eventos

Exposição leva arte popular pantaneira à Casa do Artesão

22/08/2007 13:28


A Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS) inaugura nesta
quarta-feira (22), às 15h, a exposição "Arte Popular Pantaneira", que
reúne peças em cerâmica com motivos religiosos e da fauna e flora
pantaneiras.


Os trabalhos, em exposição na Galeria Abílio Antunes, da Casa do Artesão, em Campo Grande, foram confeccionados pelos irmãos Edílson Pinto Oliveira e Denílson Pinto Oliveira, Everaldo Paes Munhóis e Oscar Luiz Romero.


Nascido em 1974, em Corumbá, Denílson Oliveira começou o ofício de artesão com 13 anos. Interessou-se pelo artesanato nas visitas freqüentes à Casa do Artesão de Corumbá, onde surgiu a curiosidade de descobrir como transformar a cerâmica em arte. Incentivado por um funcionário da Casa, Denílson começou a participar das atividades na Associação Massa Barro, criando pássaros e outros bichos do Pantanal, além de imagens de santos.


Em época de carnaval, ele desenvolve também esculturas em isopor para as alegorias, com bichos e imagens diversas e de tamanhos variados. Seu artesanato é comercializado na Casa do Artesão de Campo Grande, cidade onde reside há sete anos.


A história de Denílson influenciou seu irmão mais novo, Edílson Oliveira, nascido em 1978, também em Corumbá. Edílson Oliveira iniciou-se no artesanato com 14 anos, observando seu irmão já artesão. Encantado com a maneira com que Denílson trabalhava e moldava a argila, sempre lhe ajudava e queria aprender a técnica.


Na Associação Massa Barro, aprendeu a aprimorar e desenvolver os trabalhos em cerâmica, criando peças que também retratam santos e bichos do Pantanal.


Everaldo Paes Munhóis é outro corumbaense que começou a desenvolver a cerâmica a partir de cursos na Associação Massa Barro. Everaldo já conta vinte e três anos de experiência e hoje ensina o ofício ao filho de nove anos. Ele trabalha sozinho, produzindo santos e bichos do Pantanal em cerâmica, cerca de 200 peças por mês.


Oscar Luiz Romero, por sua vez, nasceu em Ponta Porã, em 1962. Começou a desenvolver modelagem em biscuit. Posteriormente, foi convidado a desenvolver trabalhos com argila. Há três anos produz peças em cerâmica que retratam principalmente animais do Pantanal.


A exposição vai até 17 de setembro e pode ser visitada de segunda a
sexta-feira, das 8h às 18h e aos sábados, das 8h às 12h. Mais informações podem ser obtidas na Casa do Artesão, localizada na Avenida Calógeras, nº 2050, Centro. Os telefones são: 67 3383-2633 e 3316-9107.


assessoria de comunicação