O Pantaneiro

terça, 10 de abril de 2012 às 16h35

Vídeo mostra momento da confusão no Estádio Municipal

Mãe e filha reclamam de agressão dos PMs. Unidade rebate versão da dupla.

Domingo típico de futebol, tarde de sol e calor, e muitos torcedores foram apoiar o Aquidauanense na vitória por 2 a 0 sobre o Maracaju, que coroou a excelente campanha na primeira fase Campeonato Sul-Mato-Grossense. A equipe da Princesa do Sul ficou na liderança isolada do grupo A.
 
Porém, o grande triunfo do Azulão acabou dividindo espaço com uma briga entre torcedores, ocasionada por motivos alheios ao que acontecia dentro das quatro linhas. Na confusão, a polícia prendeu o jovem Julianderson de Almeida Martins (22 anos) e a professora Maria de Lurdes Brito (41).
 
A adolescente Ingryd Brito (14), que faz parte das "Azuletes" e é filha da professora, afirma que tudo começou após ela discutir com outra moça. "Eu briguei com ela, sofri uma agressão e fui falar com os policiais que estavam perto do alambrado, só que eles me orientaram a procurar a Rotai. Depois, fui informada de que eles não poderiam resolver minha situação, porque as marcas da lesão não eram visíveis", conta Ingryd.
 
O tumulto aumentou no momento em que Julianderson - pivô da briga entre as duas jovens - acabou detido. A professora Maria de Lurdes afirma que, ao tentar conversar com os PMs, sofreu diversas agressões (o site O Pantaneiro teve acesso ao vídeo que mostra o momento da confusão).
 
"Nós viajamos por todas as cidades com as 'Azuletes', e aqui é o único lugar em que a PM nos trata dessa maneira", reclama a professora, que diz ter sofrido lesões no pescoço e na orelha, além de ter perdido um celular e uma corrente.
 
Engana-se, porém, quem pensa que a confusão entre envolvidos e PMs terminou no Estádio Municipal. Segundo Maria de Lurdes, no momento em que ela e a filha eram atendidas no Pronto Socorro, um dos policiais passou a ameaçá-las. "Ele discutiu conosco, fez ameaças e segurou com força o braço da Ingryd", diz a professora, ao apontar para uma marca roxa no braço da filha.
 
Outro lado
 
Em nota, o 7º BPM de Aquidauana sustenta versão diferente daquela apontada por Maria de Lurdes e Ingryd. Segundo a Unidade, a professora não se conformou com a prisão de Julianderson e agrediu os policiais. Um dos PMs, inclusive, ficou ferido.
 
De acordo com o 7º BPM, os policiais foram, de fato, até o Pronto Socorro, já que os envolvidos ainda teriam que prestar esclarecimentos na Delegacia de Polícia Civil.

"Durante o atendimento de socorro, a mulher (Maria de Lurdes) desacatava os PMs com xingamentos e palavras de baixo calão, ameaçando-os ao dizer ser influente na política e na cidade de Aquidauana. Os bombeiros testemunharam tudo o que a autora dizia aos policiais militares", informa a nota policial.

Fonte: redação / Aníbal Placêncio

Comentários

Deixe seu comentário

Antes de escrever seu comentário, Atenção! O Pantaneiro não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Parceiros YouZoom Soluções Web Chiquinho Sorvets Vivid Estudio Fotográfico Coeso Eletrificação Rural Lise Jones - Cerimonial AT Informática