A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
19 de setembro de 2018
Anuncie Aqui
8504

Consumo frequente de álcool cresceu 20% nos últimos seis anos

Levantamento aponta que a ingestão nociva de bebidas alcoólicas teve aumento de 30%. As mulheres estão no grupo com maiores riscos

14 ABR 2013 - 13h00min
Veja
O número de brasileiros que ingerem bebida alcoólica frequentemente (uma vez por semana ou mais) aumentou 20% nos últimos seis anos ? subiu de 45% para 54% entre bebedores. Os dados fazem parte da segunda edição do Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (Lenad), divulgado na última quarta-feira pela Universidade Paulista de Medicina (Unifesp). Segundo o estudo, metade da população brasileira não consome bebida alcoólica em nenhuma circunstância. Mas, dentro da outra metade (48%) que é consumidora, a ingestão nociva da bebida sofreu um aumento de 30%.
 
Na primeira edição do Lenad, em 2006, 45% dos brasileiros que bebem afirmaram consumir bebidas alcoólicas pelo menos uma vez na semana. Em 2012, esse número saltou para 54%, um aumento de 20%. Proporcionalmente, o aumento no consumo foi mais expressivo entre as mulheres que bebem. Em 2006, 29% delas consumiam a bebida frequentemente. Em 2012, o número subiu para 39% ? um aumento de 34,5%. ?Uma hipótese para esse aumento no grupo feminino pode ser o maior número das publicidades voltadas para as mulheres?, diz Ronaldo Laranjeira, coordenador do levantamento e professor da Unifesp.
 
As mulheres são ainda o grupo que apresenta maiores riscos em relação ao beber de forma nociva (alto consumo de álcool em um curto período de tempo). O beber em binge, termo em inglês usado para caracterizar o consumo de grandes quantidades de álcool (4 doses para mulheres, 5 para homens) em um curto espaço de tempo (cerca de duas horas), também teve um aumento maior entre elas. Em 2006, 36% das mulheres que consumiam álcool relataram beber em binge. Em 2012, esse número subiu para 49%, um salto proporcional de 36% ? dentro da população total que consome álcool o aumento foi de 31,1%. De acordo com a pesquisa, o aumento no consumo entre as pessoas que já bebiam álcool pode ser relacionada a uma melhor condição financeira. "A população, em geral, subiu uma classe social. Quem não bebe, investiu esse dinheiro em outras coisas. Quem já bebia, acabou bebendo mais", diz Laranjeira.
 
Abuso ? Os dados do levantamento mostraram ainda que 5% dos adultos que mais bebem consomem 24% de todo o álcool ingerido por adultos no Brasil. Entre os 48% que consomem álcool, 16% ingerem quantidades nocivas de álcool e 17% apresentam critérios para classificação de abuso e/ou dependência. O abuso é caracterizado por uma ingestão alcoólica que coloca a pessoa em situações de risco, como se envolver em brigas e discussões. Já a dependência está mais relacionada ao hábito constante de consumo, afetando o cotidiano da pessoa e podendo até mesmo levar a crises de abstinência. ?O álcool está relacionado com casos de violência doméstica e contra a criança. Esse é um problema de saúde pública que precisa ser controlado?, diz Laranjeira. A bebida está ainda relacionada com problemas sérios de saúde. Segundo Laranjeira, o álcool pode causar problemas cardíacos, como arritmias e hipertensão, além de estar vinculado a 30% de todos os tipos de câncer.
 
Para o especialista, políticas públicas como a Lei Seca resolvem apenas o problema pontual de dirigir embriagado. ?No caso do álcool, é necessário que se tenha políticas que desestimulem o consumo, como o aumento no preço das bebidas e restrições nos horários de venda?, diz. A intervenção poderia ajudar ainda a reduzir casos de violência em decorrência do álcool. Dados do Lenad apontam, por exemplo, que 10,3% dos homens jovens (menos de 30 anos de idade) que são bebedores problemáticos andam armados ? essa proporção é de 5% na população em geral. Os casos de envolvimento em brigas com agressões físicas também disparam com a presença do álcool: de 3% entre os homens na população em geral para 27% entre os que abusam ou são dependentes do álcool.

Veja também

Mais Lidas

1
Nota de Falecimento

‘Zé Ribeiro’, pecuarista e ex-vereador de Aquidauana, falece em São Paulo

2
Casa do Trabalhador

Confira as vagas de emprego da casa do trabalhador

3
Nota de Falecimento

Nota de Falecimento de Valdecir Souza Pedro

4
Aquidauana

Rio Aquidauana começa a subir, mas Defesa Civil diz que não há risco de enchente

Vídeos

Entrevista com os produtores do Longa-Metragem sobre Sasha Siemel

Tráfego de carretas no cruzamento da Duque de Caxias causa preocupação na população.

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
3,40m
Miranda
2,74m
Aquidauana
5,64m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Fico...

Robinson L Araujo

A RESTAURAÇÃO PELA FÉ EM DEUS, PELO FILHO

Raquel Anderson

Seo Cavalheiro!

Ver Mais Colunas
498110751