A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
24 de maio de 2018
Anuncie Aqui
8496

Jogador do Vasco nega ter sofrido agressão física de traficante

Ao contrário do que relata a investigação policial, Bernardo afirma que não foi espancado no Complexo da Maré e agradece o apoio dos fãs

27 ABR 2013 - 08h15min
Globoesporte.com
Personagem de uma investigação policial, Bernardo decidiu falar. Em contato com o GLOBOESPORTE.COM, o jogador do Vasco pediu para fazer um pronunciamento. A intenção, segundo ele, é deixar claro que, ao contrário do que relata a investigação policial, ele não foi agredido por traficantes do Complexo da Maré em razão de um suposto envolvimento com uma mulher que é apontada como namorada de Menor P., chefe do tráfico local.
 
- Estou bem e saudável. Não fizeram mal nenhum comigo. Não sofri nenhum tipo de agressão. Estou à disposição da polícia para o que ela precisar ao longo dessa investigação - disse Bernardo, que pediu para não responder perguntas sobre o episódio.
 
Segundo informações de pessoas próximas ao jogador, Bernardo teria sofrido uma represália verbal dos traficantes em episódio ocorrido na tarde do último sábado, sem agressão física.
 
- Queria agradecer o carinho e a preocupação de amigos, fãs, torcedores e familiares. Agora minha preocupação é cuidar do meu joelho - encerrou Bernardo, referindo-se à cirurgia marcada para a próxima quarta-feira.
 
O meia usou o Instagram de um amigo para informar aos torcedores que está bem após o episódio: "Gostaria de agradecer o carinho e a preocupação de todos... Tá tudo bem com o @bsouza31 ...", postou o amigo.
 
Sequestro e agressão
 
Segundo informações da polícia, no último domingo, Bernardo foi sequestrado e agredido por traficantes dentro do Complexo da Maré. O motivo teria sido o seu envolvimento com Dayana Rodrigues, supostamente uma das mulheres de Marcelo Santos das Dores, o Menor P, líder do tráfico no local.
 
Bernardo e Dayana teriam sido flagrados por bandidos na Favela Salsa e Merengue, e de lá levados para uma casa na Vila do João, onde teriam sido deixados nus, amarrados com fita crepe, torturados com choques elétricos e espancados.
 
O jogador comunicou o caso à diretoria do Vasco na quinta-feira. Em nota oficial divulgada nesta sexta, o clube oferece suporte ao meia, além de assessoria jurídica e apoio psicológico.
 
- A nossa prioridade é dar apoio total ao jogador. Claro que o Vasco não quer ver seu nome envolvido em qualquer coisa que não seja da esfera desportiva. Mas entende que o atleta deve receber suporte do clube em qualquer situação, enquanto os procedimentos legais são tomados - disse o diretor executivo de futebol do clube, René Simões.

Veja também

Mais Lidas

1
Geral

Caminhoneiros de Aquidauana e Anastácio se juntam ao protesto nacional e fecham BR-262

2
Policial

Mulher coloca fogo na própria casa e vizinhança, em pânico, aciona o Corpo de Bombeiros

3
Policial

Jovem é vítima de racismo no Centro de Anastácio

4
Aquidauana

Nota de falecimento de Léa Therezinha Souza de Moraes

Vídeos

Entrevista com os produtores do Longa-Metragem sobre Sasha Siemel

Tráfego de carretas no cruzamento da Duque de Caxias causa preocupação na população.

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
5,14m
Miranda
4,99m
Aquidauana
3,69m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

No...

Pedro Puttini Mendes

Código Florestal e Cadastro Ambiental Rural: E agora?

Robinson L Araujo

A QUAL JESUS EU QUERO SERVIR E ANUNCIAR?

Ver Mais Colunas
498110604