A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
12 de novembro de 2018
Anuncie Aqui
8500

Lideranças indígenas se reúnem na Aldeinha de Anastácio

"Não negociamos e não vamos negociar a questão da tradicionalidade da terra", disse líder terena.

11 JUL 2013 - 17h40min
redação
As lideranças indígenas que compõem o grupo de trabalho formado para discutir a demarcação de terra em Mato Grosso do Sul se reuniram nesta quarta-feira (10) na Aldeinha de Anastácio para esclarecer dúvidas e reiterar o posicionamento dos terenas em relação ao conflito de terra.
 
Alberto Terena, líder indígena da Aldeia Buriti, contou ao site O Pantaneiro que na reunião foi reafirmada a posição das etnias indígenas. ?Nos reunimos para discutir a forma que vai ser a demarcação. O que não negociamos e não vamos negociar é a questão da tradicionalidade da terra. Se o Governo vai encontrar uma forma de pagar pela terra nua, isso é com o Governo, eles precisam encontrar a solução?, disse sobre a forma que será feito o ressarcimento da terra aos produtores.
 
O indígena disse ainda que o grupo de trabalho só vai aceitar que a terra seja demarcada da forma como estão os laudos já feitos pela Funai (Fundação Nacional do Índio). No caso da região de Sidrolândia, onde houve confronto entre indigenas e policiais e o índio Oziel Gabriel morreu em 30 de maio deste ano, eles requerem 15 mil hectares. Na região de Aquidauana, onde está a Aldeia Taunay-Ipegue a área requerida é de 33 mil hectares. Tudo, conforme laudo da Funai, já foi comprovado como terras tradicionais indígenas.
 
Ele ainda explicou que na reunião de hoje, a segunda do grupo de trabalho, foi para definir essa questão da área cobrada pelos indígenas e para levar as questões já fechadas para uma reunião maior, que deve acontecer em 21 deste mês, com os outros grupos de trabalho que estão analisando o valor que será pago por hectare e a forma legal que isso será feito.
 
A liderança se disse confiante e afirmou que por primeira vez vê o Governo Federal interessado em solucionar o problema. Após a reunião do dia 21 de julho, a presidente Dilma Roussef terá até 5 de agosto para dar uma resposta às comunidades indígenas da forma que será dada a solução para o conflito de terra, disse Alberto.

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Empresário de Anastácio bate camionete em poste, abandona veículo e foge do local

2
Aquidauana

Homem é agredido com garrafadas ao defender mulher assediada em clube

3
Aquidauana

Homem é preso depois agredir mulher ao ser questionado sobre sumiço de dinheiro

4
Aquidauana

Genro empurra sogra, dá soco nela e quebra aparelho celular da vítima

Vídeos

Entrevista com os produtores do Longa-Metragem sobre Sasha Siemel

Tráfego de carretas no cruzamento da Duque de Caxias causa preocupação na população.

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
2,59m
Miranda
6,13m
Aquidauana
3,76m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

A...

Manoel Afonso

O eleitor quer reciprocidade dos eleitos

Robinson L Araujo

DEUS ESTARIA MORTO?

Ver Mais Colunas
498110584