A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
18 de fevereiro de 2019
Anuncie Aqui
8494

Mulheres são mais suscetiveis à ansiedade do que homens

25 SET 2007 - 17h27min
vya estelar

Hoje iniciarei uma série sobre a ansiedade feminina - diferenciando-a da masculina em aspectos relacionados ao gênero. Medo é uma reação a um perigo. Ansiedade é um sentimento de medo, fora de proporção a qualquer perigo real.


A biologia da ansiedade inclui o medo condicionado, processado por vias ou conexões existentes no cérebro nas estruturas entre o tálamo, o córtex sensorial e o sistema límbico (amídala e hipocampo).


Humanos com lesão na amídala não conseguem reconhecer o medo na face de uma pessoa e não identificam estímulo que levam ao perigo, por exemplo. Ainda na biologia, sujeitos que herdam a variante curta do gene humano transportador de serotonina, experimentam maior ativação da amídala quando comparados aos indivíduos portadores da variante longa. Ou seja, uma alteração genética pode contribuir para o desencadeamento da ansiedade.


Portanto, na biologia da ansiedade, as regiões límbicas projetam-se para o tronco encefálico e hipotálamo, que controlam as respostas simpáticas e parassimpáticas (sistema nervoso autonômico). Enfim, alterações funcionais e estruturais do sistema nervoso central estão implicadas na gêneses da ansiedade. Há vários neurotransmissores (que são mensageiros químicos cerebrais) envolvidos: serotonina, Glutamato, GABA e norepinefrina.


As mulheres desenvolvem transtornos ansiosos em uma freqüência maior que a masculina. De uma forma geral, a prevalência de transtornos ansiosos femininos, ao longo da vida, é de aproximadamente 30% comparada aos 19% do sexo masculino. Certos tipos de transtornos ansiosos são 2 a 3 vezes mais freqüentes nas mulheres, tais como o transtorno do pânico, fobias específicas e transtorno do estresse pós-traumático


Por que as mulheres são mais suscetíveis?


1) Diferença de vulnerabilidade psíquica às oscilações dos níveis hormonais;


2) Vulnerabilidade diferenciada ao estresse mantido, com impacto diferente ao masculino;


3) Fatores relacionados à personalidade, por exemplo, o neuroticismo;


4) Mudanças recentes nos aspectos psicossociais, culturais e comportamentais do universo feminino, por exemplo, realização de múltiplas tarefas simultâneas, maiores exigências no mercado de trabalho quando comparadas aos homens, com inúmeras pressões e ainda discriminações, apesar dos avanços.


A incapacitação funcional decorrente dos mesmos é grande. Além do mais, as mulheres procuram mais os cuidados médicos para o tratamento da ansiedade, consumindo mais tranqüilizantes e agentes psicotrópicos (por exemplo, os antidepressivos).


Pesquisas demonstram que as mulheres costumam ser menos resistentes na busca de auxílio, encaram a ajuda médica e psicológica de uma forma natural, cuidam mais da saúde e conseguem relatar uma gama maior de sintomas aos médicos - quando na presença deles. O problema é quando começam a ficar escravas de determinados padrões sociais, culturais e comportamentais ditatorialmente impostos pela sociedade contemporânea. E quando na busca de bem-estar a todo custo começam a seguir receitas de amigas ou familiares, sem uma prescrição de antidepressivo feita pelo psiquiatra.


Evidências sugerem que fatores biológicos, particularmente a variabilidade às oscilações dos níveis hormonais, podem desempenhar um papel importante na ocorrência e nas características clínicas da ansiedade feminina.


Por exemplo, vários estudos demonstraram uma associação entre mudanças hormonais do pré-menstrual e uma grande vulnerabilidade aos sintomas de pânico, assim como para outros transtornos psiquiátricos.


Muitas mulheres procurando tratamento para síndrome pré-menstrual e pânico, na realidade, experimentam uma piora de tais sintomas no pré-menstrual. Outros períodos de vulnerabilidade incluem o pós-parto e a perimenopausa (período ao redor da menopausa, caracterizado por oscilações dos níveis hormonais e por sintomas físicos e psíquicos como os fogachos, tristeza, insônia e irritabilidade).


Portanto, o conhecimento e atenção às características específicas do ciclo reprodutivo feminino e suas correlações com os transtornos ansiosos é fundamental.

 (67) 99984.6000

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Mulher e adolescente são flagrados com pasta base de cocaína em Aquidauana

2
Aquidauana

Pista no entorno do Ginásio Poliesportivo de Aquidauana é alvo de vândalos

3
Aquidauana

Jornal O Pantaneiro disponibiliza canal para denúncias e sugestões

4
Esportes

Aquidauanense perde por 3 a 1 para o Corumbaense no Arthur Marinho

Vídeos

1º Leilão Direito de Viver

Ciclista sofre fratura após ser atropelado por caminhão

Despedida do Pe. Thiago Machado

Ver mais Videos

Previsão do Tempo

min21 max35

Aquidauana

Sol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
min21 max35

Anastácio

Sol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
2,52m
Miranda
5,26m
Aquidauana
2,66m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Aqui...

Robinson L Araujo

QUANDO A FAMÍLIA FAZ DO PERDÃO UMA PONTE DE RESTAURA...

Raquel Anderson

Morrer na lama!

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Confecções

Rocha Forte

Rua Duque de Caxias, 791 Centro - 79200000 Aquidauana/MS (67) 3241-4801
Bares/Panificadoras/Lanchonetes

Lanchonete e Garaparia Doce Mel

Rua Estevão Alves Corrêa, Barraca 62 - 79200-000 Aquidauana/MS (67)
Auto Posto

POSTO JC

Estevão Alves Correa, 901 - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241 3426
Ver Mais
508110642