A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
17 de dezembro de 2018
Anuncie Aqui
8504

Uma raça de animal de criação é extinta por mês no mundo, diz ONU

3 SET 2007 - 14h19min
uol

Uma raça de animal de criação desaparece por mês no mundo, segundo um alarmante estudo da FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação). A entidade aconselha a preservação desse capital natural em bancos genéticos, particularmente o das espécies latino-americanas, asiáticas e africanas, que são as mais afetadas.


O estudo foi apresentado nesta segunda-feira por cientistas reunidos na cidade suíça de Interlaken pela FAO durante a abertura da primeira conferência internacional sobre recursos zoogenéticos.


"Raças insubstituíveis desaparecem a um ritmo preocupante", advertiu Carlos Seré, diretor geral do Instituto Internacional de Pesquisa sobre Gado (ILRI), com sede em Nairóbi. O problema é de grande envergadura, uma vez que 70% das raças de gado do mundo se encontram em países em desenvolvimento, de acordo com estimativas do ILRI, que dispõe de uma base de dados de 669 raças de bovinos, ovinos, caprinos, suínos e aves da África e na Ásia.


A FAO estima que no mundo haja cerca de 7.000 raças de animais de criação.


O gado de países industrializados tem "uma base genética muito estrita e altamente especializada", já que 90% vêm de apenas seis raças rigorosamente definidas, acrescentou Seré. Políticas estatais e alguns criadores conservaram a maior parte das raças autóctones da Europa e da América do Norte, acrescentou.


No entanto, países em desenvolvimento e pequenos produtores agrícolas abandonaram a criação de animais tradicionais em favor de raças de rendimento mais elevado importadas dos Estados Unidos e da Europa.


De acordo com os especialistas, será impossível salvar todas as raças ameaçadas, o que torna necessário o estabelecimento rápido de bancos de genes a fim de conservar o esperma e os óvulos dos animais das raças em risco de extinção.


Raças
A vaca Holstein Friesian, grande produtora leiteira, está presente em 128 países. As criações das galinhas poedeiras White Leghorn e os porcos Large White de rápido crescimento também se estenderam sensivelmente.


Em Uganda, a raça autóctone de bovinos Ankol, famosa por seus grandes chifres, poderia desaparecer em 25 anos, já que ela vem sendo substituída pelas Holstein Frisonne, que produz mais leite.


Numa seca recente que assolou esse país, no entanto, apenas os produtores que tinham mantido suas vacas da raça Ankol puderam salvar seu rebanho. A raça ugandense foi capaz de chegar a fontes d'água mais longínquas, o que não possível entre as vacas importadas.


Outro exemplo é o Vietnã. No norte desse país, a população de porcos em 1994 era composta por 72% de raças locais, enquanto hoje esse número é de apenas 26%.


Os cientistas ressaltam que as espécies oriundas dos países em desenvolvimento são indispensáveis para a adaptação do gado às condições climáticas e sanitárias difíceis de alguns países.

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Raio queima transformador da Sanesul e Aquidauana fica sem água até 20h deste domingo

2
Aquidauana

Motorista embriagado freia bruscamente após sinal da Polícia e quase causa acidente

3
Aquidauana

Homem ameaça esfaquear ex-companheira em bar do Nova Aquidauana

4
Aquidauana

Sanesul realiza troca de transformador e abastecimento será gradativo

Vídeos

Entrevista com os produtores do Longa-Metragem sobre Sasha Siemel

Tráfego de carretas no cruzamento da Duque de Caxias causa preocupação na população.

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
2,52m
Miranda
5,26m
Aquidauana
2,66m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Em...

Manoel Afonso

MDB sobreviverá sem Puccinelli?

Alessandro Arruda

As leis e nossa incapacidade de produzi-las

Ver Mais Colunas
498110735