A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
21 de Julho de 2017
Anuncie Aqui
8463
Debate

WhatsApp pode ser usado para intimações judiciais

A decisão foi tomada durante o processo que questionava o uso do aplicativo no âmbito do juizado Civil e Criminal da Comarda de Piracanjuba, em Góias

29 JUN 2017 - 07h49min
RIC

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou a utilização do aplicativo WhatsApp como ferramenta para intimações em todo o judiciário. A decisão foi tomada durante o processo que questionava o uso do aplicativo no âmbito do juizado Civil e Criminal da Comarda de Piracanjuba, em Góias. 

Segundo informações do CNJ, o uso do aplicativo tem como objetivo agilizar e desburocratizar procedimentos judiciais, e foi baseada na Portaria n. 01/2015, elaborada pelo Juizado Especial Cível e Criminal de Piracanjuba, em conjunto com a Ordem dos Advogados do Brasil da cidade. O uso da ferramenta de comunicação foi iniciado em 2015 e rendeu ao magistrado requerente do PCA, Gabriel Consigliero Lessa, juiz da comarca de Piracanjuba, destaque no Prêmio Innovare, daquele ano. 

O texto da portaria dispõe sobre o uso facultativo do aplicativo, somente às partes que voluntariamente aderirem aos seus termos. A norma também prevê a utilização da ferramenta apenas para a realização de intimações. Além de facultativa, a portaria exige a confirmação do recebimento da mensagem no mesmo dia do envio; caso contrário, a intimação da parte deve ocorrer pela via convencional. 

Para o magistrado, autor da prática de uso do WhatsApp para expedição de mandados de intimação, o recurso tecnológico se caracterizou como um aliado do Poder Judiciário, evitando a morosidade no processo judicial. “Com a aplicação da Portaria observou-se, de imediato, redução dos custos e do período de trâmite processual”, disse Gabriel Consigliero Lessa. 

Em seu relatório, a conselheira Daldice Santana, relatora do processo, apontou que a prática reforça o microssistema dos Juizados Especiais, orientados pelos critérios da oralidade, simplicidade e informalidade.  “O projeto inovador apresentado pelo magistrado requerente encontra-se absolutamente alinhado com os princípios que regem a atuação no âmbito dos juizados especiais, de modo que, sob qualquer ótica que se perquira, ele não apresenta vícios”, afirmou a conselheira Daldice, em seu voto. 

Para proibir a utilização do WhatsApp, a Corregedoria-geral de Justiça de Goiás justificou a falta de regulamentação legal para permitir que um aplicativo controlado por empresa estrangeira (Facebook) seja utilizado como meio de atos judiciais; redução da força de trabalho do tribunal e ausência de sanções processuais nos casos em que a intimação não for atendida. 

Veja também

Mais Lidas

1
Anastácio

JBS abre 523 vagas de emprego e 14 são para a unidades de Anastácio

2
Policial

Caseiro suspeito de matar ex-vereador e esposa em MS queria vingança

3
Policial

Acusado de envolvimento na morte de ex-vereador é morto em confronto com a polícia

4
Policial

Piloto morre e empresário de Mato Grosso do Sul fica ferido em queda de avião no MT

Vídeos

PRF põe fim a sequestro, vítima estava em poder de menores

Equipe aquidauanense se prepara para o Rally dos Sertões

Sepultamento de Sophia Rondon

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
2,70m
Miranda
2,45m
Paraguai
4,65m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Falar...

Raquel Anderson

Autômatos (in) finitos

Rosildo Barcellos

Heróis Brasileiros

Ver Mais Colunas
481710746