A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
19 de novembro de 2018
Anuncie Aqui
8500
Policial

Mulher é presa acusada de explorar sexualmente dez mulheres em bar de Corumbá

Proprietária de estabelecimento disse à polícia que há dois anos realiza este tipo de ação

26 ABR 2013 - 10h50min
Correio do Estado
Ação de combate a exploração sexual realizada em Corumbá resultou na prisão em flagrante de G.F.L, de 39 anos, conhecida como 'Rose'. Ela é proprietária de um bar que funcionava como ponto de prostituição.
 
"No local encontramos cerca de 10 mulheres se prostituindo e vários clientes. O lugar era voltado para prostituição local, ou seja, não era voltado para turistas, pois ele tem uma característica própria, funcionava durante o dia. Nos fundos do bar havia um quarto com cama, era alugado pela ?Rose' por uma quantia, que além do aluguel, fornecia o preservativo. Por dia, eram feitos de 8 a 10 programas. Por esse motivo, de tirar proveito da exploração sexual dessas mulheres, é que ela foi detida e acabou confessando na Delegacia que há cerca de dois anos realiza este tipo de ação", explicou a delegada Priscila Anuda Quarti Vieira, titular da Delegacia de Atendimento à Infância, Juventude e Idoso (DAIJI).
 
Além da proprietária do bar, foram encaminhados à delegacia as dez mulheres que estavam se prostituindo, uma funcionária do local e mais três clientes. Um dos clientes foi autuado por portar droga para consumo pessoal, pois foi flagrado com três trouxinhas de maconha. "Todas essas pessoas foram ouvidas e apresentaram a mesma vertente, de que o local, era usado para a prática da prostituição e esse fator, reforçou nossos argumentos, provaram que as denúncias eram verídicas e a proprietária foi presa", comentou a delegada.
 
De acordo com o Código Penal Brasileiro, o rufianismo (cafetinagem) é considerado crime com pena de um a quatro anos de prisão, mais multa, e sua definição é dada como "tirar proveito da prostituição alheia, participando diretamente de seus lucros ou fazendo-se sustentar, no todo ou em parte, por quem a exerça". Em casos, onde há "emprego de violência ou grave ameaça", a pena pode variar de dois a oito anos de reclusão, além da multa.

Veja também

Mais Lidas

1
Policial

Família escapa ilesa de veículo incendiado entre Bodoquena e Bonito

2
Aquidauana

Homem é preso em flagrante com arma alegando ser perseguido por facção criminosa

3
Policial

Traficante brasileiro mata namorada de 18 anos dentro de cela no Paraguai

4
Anastácio

Por causa de comida, homem dá socos em rosto da mulher no Bairro Cristo Rei

Vídeos

Entrevista com os produtores do Longa-Metragem sobre Sasha Siemel

Tráfego de carretas no cruzamento da Duque de Caxias causa preocupação na população.

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
2,59m
Miranda
6,13m
Aquidauana
3,76m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Estamos...

Manoel Afonso

Otimismo & Patriotismo: o efeito Bolsonaro

Rosildo Barcellos

Emoção a Flôr da Pele

Ver Mais Colunas
498110584