A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
23 de Outubro de 2017
Anuncie Aqui
8494
Justiça

TJ mantém condenação de réu por tentativa de estupro de vulnerável

O apelante buscava a absolvição por insuficiência de provas ou suposta atipicidade da conduta

5 OUT 2017 - 15h14min
TJMS

Por unanimidade, os desembargadores da 1ª Câmara Criminal negaram provimento ao recurso interposto por um homem condenado a dois anos e oito meses de reclusão, em regime aberto, pela prática do crime do art. 217-A, combinado com art. 14, II (tentativa de estupro de vulnerável) - ambos do Código Penal.
 
O apelante buscava a absolvição por insuficiência de provas ou suposta atipicidade da conduta, já que possível a aplicação do princípio da insignificância. Não sendo este o entendimento, requer a desclassificação da conduta para as contravenções penais do art. 61 ou art. 65 (importunação ou molestar alguém ou perturbar-lhe a tranquilidade), ambos do Decreto-Lei nº 3.688/41.

De acordo com o processo, no dia 23 de janeiro de 2012, por volta das 17h50, em um bar na vila Manoel Taveira, em Campo Grande, o homem, mediante uso de força, tentou praticar atos libidinosos da conjunção carnal com uma menor, na época com 13 anos.  Ele teria puxado a vítima pelo braço, na tentativa de passar a mão em sua vagina, mas, como ela se esquivou, conseguiu apenas tocar sua perna, tendo proferido palavras de baixo calão, em que manifestava que queria manter relação sexual com a vítima. Ato contínuo, puxou a menina, tentando beijar sua boca, tendo esta se esquivado novamente, motivo pelo qual o beijo acertou apenas a face.
 
A Procuradoria-Geral de Justiça opinou pelo não provimento da apelação.
 
Em sustentação oral, o advogado apontou que nos dias atuais é difícil ao magistrado julgar casos como esse. “Ficou muito difícil para a defesa, tendo em vista que qualquer coisa pode ser enquadrada como estupro ou tentativa de estupro, principalmente quando se trata de vulnerável - embora a jovem vítima, com quase 14 anos, tivesse estatura grande para a idade. Mesmo assim, torna-se difícil”, ressaltou.
 
Na tentativa de mostrar a situação de seu cliente, a defesa apontou que no dia dos fatos o acusado estava bêbado, tem emprego fixo (é funcionário público há mais de 12 anos), tem família e que a vítima estava no local, ainda que acompanhada. 
 
“O fato ocorreu em um bar, lugar público. Por ele ter passado a mão na perna dela ou tentado beijá-la tem que responder por tentativa de estupro? Se fosse uma criança menor, talvez pudesse dizer que ele estaria abusando da inocência dela, mas a vítima já tinha quase 14 anos. Além disso, ela estava no bar, embora com a mãe, a avó e a tia. Vai destruir a vida de uma pessoa que tem emprego definido, família constituída, por uma bobagem feita em razão da cachaça? Uma pena dessa destrói uma pessoa”.
 
Para o relator do processo, Des. Geraldo de Almeida Santiago, não há motivos para modificação da sentença de primeiro grau. Em seu voto, ele apontou que ao ser interrogado, o acusado limitou-se a negar a autoria delitiva, afirmando ter sido vítima de calúnia e imputando à vítima a prática de comportamento escandaloso, sem, contudo, apresentar qualquer prova de suas alegações.
 
“A firme palavra da vítima, corroborada pelas demais testemunhas presenciais, é prova suficiente para condenação do acusado, não havendo de se cogitar a hipótese absolutória. (…) Ao contrário do alegado pela defesa, inaplicável o princípio da insignificância, pois é certo que o ataque à dignidade sexual da pessoa menor de 14 anos revela alto grau de reprovabilidade e ofensividade, não se tratando de fato de somenos importância. Mantida a condenação, resta prejudicado o pedido de desclassificação para as contravenções penais do art. 61 e art. 65, ambos do Decreto-Lei nº 3.688/4. Posto isso, nego provimento ao recurso”.

Veja também

Mais Lidas

1
Anastácio

Dois idosos morrem neste domingo em casa e fazenda de Aquidauana

2
Anastácio

Morador de rua é encontrado morto em Anastácio

3
Aquidauana

Fazendeiro de Aquidauana está na 'nova lista suja do trabalho escravo'

4
Aquidauana

Com uma bicicleta e caixa de som, Israel tira o sustento de quatro filhos em Aquidauana

Vídeos

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Fiações rompidas são recuperadas e motoristas ‘fora do padrão’ podem ser responsabilizados

Moradores de Anastácio flagram óleo descendo para Rio Aquidauana

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
4,69m
Miranda
3,67m
Paraguai
2,12m

Colunas e Blogs

Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: SER PROFESSOR

Valdemir Gomes

Ser...

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

“NATUREZA TRANSFORMANDO PESSOAS”

Ver Mais Colunas
498110611