A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
22 de fevereiro de 2019
Anuncie Aqui
8508
Política

'Índios tomam decisões por eles mesmos', rebate Kemp na tribuna

3 MAI 2013 - 14h00min
Jacqueline Lopes / Assessoria
Após escutar durante a sessão de ontem (2) na Assembleia Legislativa de colegas parlamentares que os índios são manipulados por ONGs internacionais que também ?patrocinariam? a Funai (Fundação Nacional do Índio) e, ainda, que indígenas não querem a demarcação, o deputado estadual Pedro Kemp (PT) rebateu com indignação as afirmações e chegou a convidar os deputados a participarem da Aty Guassu, reunião anual dos kaiwoá-guarani em que as comunidades discutem os seus problemas, convidam autoridades e expõem seus desejos e pensamentos. ?Os índios tomam decisões por eles mesmos. Na Aty Guassu, grande conselho dos kaiowá-guarani a voz é uma só: ?Queremos nossas terras tradicionais de volta??. ?Sugiro que os deputados participem da próxima Aty Guassu?.
 
Militante dos Direitos Humanos há mais de 20 anos, Kemp disse ainda que toda a violência causa indignação e precisa ser repudiada e que o caso é mais um exemplo da situação insustentável entre índios e produtores. ?Quantas mortes já tivemos de lideranças indígenas? Cadê o corpo de Nísio Gomes??, questionou. ?Temos que dar um basta nessa violência?.
 
Nos últimos 10 anos (de 2003 a 2013) foram assassinados 279 índios. Segundo ele, 10% dos assassinatos foram em função da disputa de terras e o restante, a violência gerada nas áreas de confinamento onde os kaiowá-guarani se encontram espremidos. ?Mato Grosso do Sul possui 39 acampamentos indígenas. As famílias de índios sem terra vivem na beira da estrada, embaixo de lona, aguardando demarcação?.
 
O deputado explicou que a Constituição de 1988 deu o prazo de cinco anos para a demarcação de todas as terras indígenas e que 25 anos se passaram sem nenhum governo ter resolvido o problema. Ele ressaltou que acredita na coragem e determinação da presidenta Dilma Roussef (PT) para de uma vez por todas colocar um fim nessa questão. O parlamentar defende o entendimento político para que as áreas a serem demarcadas sejam compradas pelo governo federal já que os proprietários adquiriram os títulos da União e não podem ter prejuízos por conta de um erro cometido pelo governo federal no passado.
 
Kemp teve o apoio dos deputados correligionários Cabo Almi e Amarildo Cruz.
 
A polêmica veio depois de o deputado Lidio Lopes (PP) ter apresentado o vídeo que mostra a morte de um produtor rural em enfrentamento com indígenas no municipio de Douradina. O trabalhador rural foi morte a golpe de facão. Lidio Lopes pediu para a Comissão de Trabalho, Cidadania e Direitos Humanos, da qual é membro, e para a Comissão de Desenvolvimento Agrário e Assuntos Indígenas para tomarem providências em relação ao assunto.
 
No dia 25 de fevereiro, Kemp acompanhou a ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, em audiência com o governador André Puccinelli. A ministra de Estado veio ao MS cobrar mais rigor na apuração do assassinato do indígena guarani-kaiowá de 15 anos, Denilson Barbosa, da aldeia Tey ikue. O jovem foi morto tiros pelo fazendeiro O.G.C., que confessou o crime.
 
A ministra chegou a defender a atuação conjunta entre os governos Federal e Estadual para apurar e punir os responsáveis por situações de violação dos direitos e de violência contra os povos indígenas.
 
O deputado Pedro Kemp, que coordena o Grupo de Trabalho sobre Questões Fundiárias e Povos Indígenas na Assembleia Legislativa, tem defendido a disposição do Legislativo estadual em apoiar as ações para barrar a violência. ?Apoiamos a vinda do governo Federal para respaldar ações que protejam as pessoas e sejam evitados novos conflitos?.
 
O governador prometeu o empenho da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública) nas investigações. Foi a segunda visita de representantes do governo Federal ao Estado em menos de três meses para discutir formas de evitar a violência gerada pelo conflito histórico entre índios e produtores rurais. No dia 30 de novembro de 2012, a Assembleia Legislativa sediou reunião para discutir a demarcação de terras no Estado, com a presença de comitiva do governo federal, indígenas, ruralistas e parlamentares.
 
No dia 29 de abril, durante a vinda da presidenta Dilma Roussef ao MS, produtores rurais protestaram contra a demarcação. Na ocasião, militantes dos movimentos sociais fizeram um coro pela delimitação das terras indígenas. Lídio Lopes anunciou ontem que no dia 8 de maio, uma grande caravana de produtores rurais irá para Brasília fazer protesto em busca de solução para o impasse em Mato Grosso do Sul.
 (67) 99984.6000

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

PM prende mais três foragidos da Justiça em Aquidauana e Anastácio

2
Geral

Policial aposentado encontra cascavel de mais de 1 metro dentro de casa

3
Aquidauana

Homem tenta matar a tiros o próprio padrasto no Distrito de Cipolândia

4
Aquidauana

Ex-vereador de Aquidauana que caiu de altura de 3 metros recebe alta

Vídeos

1º Leilão Direito de Viver

Ciclista sofre fratura após ser atropelado por caminhão

Despedida do Pe. Thiago Machado

Ver mais Videos

Previsão do Tempo

min21 max31

Aquidauana

Sol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
min21 max31

Anastácio

Sol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
2,19m
Miranda
4,10m
Aquidauana
3,00m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Estou...

Robinson L Araujo

QUANDO A FAMÍLIA FAZ DO PERDÃO UMA PONTE DE RESTAURA...

Raquel Anderson

Morrer na lama!

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Transportes

Viação CRUZEIRO DO SUL

Rua Nelson Felício dos Santos, 145 - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241 2929
Médicos

Carlos Alberto A. Filho - Otorrino

Ruas Marechal Mallet, 601 Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-2126
Hotéis

Hotel Escobar

Rua Marechal Mallet, 1850 Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-2078
Ver Mais
508110768