A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
24 de Janeiro de 2018
Anuncie Aqui
8498
Cuidados

Saúde alerta para doenças respiratórias durante período de baixa umidade no inverno

Alguns cuidados devem ser observados pela população para que não sofram com os índices de baixa umidade do ar, comuns nesta época do ano

2 JUL 2017 - 08h19min
Assessoria

Com a chegada do inverno, o período de clima seco passa a ser recorrente o que contribui para o aumento de casos de doenças respiratórias. Entre os diversos sintomas o mais comum é o ressecamento das mucosas, ocasionando tosse, cansaço, dores de cabeça, mal estar, irritação na garganta, olhos, ouvidos e em alguns casos sangramento do nariz.

Em pessoas com doenças respiratórias alérgicas, como por exemplo rinite ou asma, pode haver uma piora dos sintomas devido aos agentes causadores da alergia ficarem mais tempo suspensos no ar. Para reduzir os efeitos causados pela baixa umidade, a principal recomendação é a ingestão de água, cerca de dois litros ao dia no caso de adultos, além da utilização de umidificadores de ar. Outras medidas básicas como a utilização de toalhas molhadas ou uma bacia com água e a utilização de soros fisiológicos nasais também auxiliam nos cuidados.

De acordo com o coordenador estadual de vigilância ambiental, Karyston Adriel, a SES/MS conta com o Programa de Vigilância de População Exposta a Poluentes Atmosféricos (VIGIAR) que auxilia no monitoramento das condições do ar e serve como referencia para identificar os períodos críticos dos índices de baixa umidade do ar. “A Vigilância em Saúde reitera a importância em se adotar as medidas de cuidado para amenizar a baixa umidade do ar em casa. Além dessas ações,  estamos constantemente monitorando a qualidade do ar, em um trabalho conjunto com o Instituto de Meteorologia e Defesa Civil para que estejamos atentos a essas condições climáticas e assim orientar a população o quanto antes”, disse o coordenador.

“É um período complicado, principalmente pela população estar exposta a ácaros e poeira em uma condição propícia a doenças respiratórias. Agasalhos e cobertores ficam guardados por muito tempo, então é comum que acabem acumulando poeira de certa forma. Somada à condição de clima seco, isso se torna favorável à ocorrência das doenças”, reforça Karyston.

A Secretaria de Estado de Saúde reforça que os cuidados maiores são para a população mais vulnerável aos sintomas como idosos acima de 60 anos e crianças abaixo de cinco anos, e principalmente pessoas portadoras de doenças pulmonares como asma, fibrose pulmonar entre outras.

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Comunicador de Aquidauana segue lutando pela vida

2
Aquidauana

Motorista de camionete não respeita preferencial e causa acidente no centro da cidade

3
Anastácio

Jovem é agredida por ex-marido no Cristo Rei

4
Aquidauana

Agostinho Nepomuceno será sepultado nesta manhã

Vídeos

Entrevista com os produtores do Longa-Metragem sobre Sasha Siemel

Tráfego de carretas no cruzamento da Duque de Caxias causa preocupação na população.

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
5,18m
Miranda
7,00m
Paraguai
2,96m

Colunas e Blogs

Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: TEMPO DE ESPERA, TEMPO DE ESPERA...

Manoel Afonso

Tio comunista não apoiou sobrinho tucano

Valdemir Gomes

Busque...

Ver Mais Colunas
498110490