A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
23 de outubro de 2018
Anuncie Aqui
8498
Tecnologia

Google propõe padrão mundial de defesa da privacidade

14 SET 2007 - 13h39min
reuters

O Google propõe em uma reunião de líderes políticos europeus que acontece nesta sexta-feira, na França, que as agências regulatórias nacionais concordem com um conjunto básico de normas mundiais de proteção da privacidade.


Peter Fleischer, o diretor jurídico do Google para questões de privacidade, vai aproveitar uma conferência regional da Unesco em Estrasburgo como fórum para apelar aos países pela adoção de um padrão mundial de proteção à privacidade baseado em um conjunto de princípios acatados por acordo entre diversos países da região Ásia-Pacífico.


Conversando por telefone com jornalistas da França, na quinta-feira, Fleischer disse que os princípios das normas de privacidade do fórum de cooperação Ásia-Pacífico (APEC) sobre o uso de dados pessoais em um contexto comercial representam a referência básica para as regras de defesa da privacidade.


As diretrizes da APEC foram acatadas por países que variam da Austrália --cujas severas normas de proteção à privacidade acompanham as dos países europeus-- ao Vietnã sob governo comunista, no qual as demandas por defesa da privacidade vêm se intensificando à medida que cresce a importância da economia de mercado.


"Se princípios de proteção da privacidade podem ser definidos por acordo entre países tão divergentes, acreditamos que esse possa ser o modelo a seguir pelos demais países do mundo", disse Fleischer aos jornalistas. Em termos gerais, acrescentou, "o que vemos é uma falta de padrões de defesa da privacidade" em todo o planeta.


Fleischer disse que é vital para a saúde da Internet, para a economia mundial e para os planos do Google que o debate progrida para além da atual colcha de retalhos de normas conflitantes.


Ele descreveu um cenário típico de compra online, envolvendo um consumidor francês que utiliza um site norte-americano. Esse site norte-americano pode ter centrais de processamento de dados em diversos países e o atendimento ao consumidor pode ser realizado a partir da Índia.


"A cada vez que uma pessoa usa seu cartão de crédito, a informação pode atravessar seis ou sete fronteiras nacionais", disse Fleischer falando sobre a importância da definição de padrões de proteção à privacidade dos internautas.


Perguntado sobre o motivo pelo qual o Google está propondo uma agenda de privacidade mundial em vez de recorrer a Washington, Fleischer demonstrou resignação sobre a simplificação de políticas norte-americanas.


"Eu simplesmente não acredito que as mudanças vão ocorrer neste Congresso", disse ele. "O debate mundial vai ajudar a motivar o debate nos Estados Unidos."

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Vítima de câncer, professora Vânia faleceu na madrugada desta segunda-feira

2
Policial

Casal de moto morre em acidente na BR-267

3
Aquidauana

Rapaz é preso em flagrante após furtar caixa térmica em loja de pesca e turismo

4
Policial

Demitido de boate, homem é preso após ameaçar ex-patrão em Águas do Miranda

Vídeos

Entrevista com os produtores do Longa-Metragem sobre Sasha Siemel

Tráfego de carretas no cruzamento da Duque de Caxias causa preocupação na população.

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
2,77m
Miranda
6,38m
Aquidauana
2,59m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

A...

Robinson L Araujo

INDEPENDENTE DA SITUAÇÃO VIVIDA, ELE NOS ABRAÇOU!

Chico Castro

E AGORA JOSÉ?

Ver Mais Colunas
498110739
SERIEMA1260