A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
21 de Setembro de 2017
Anuncie Aqui
8470

Temporal mata gado e deixa parte de cidade sem energia

13 OUT 2016 - 13h30min
Kleber Clajus - Correio do Estado
Rajadas de vento de 52,2 km/h, conforme dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), provocaram estragos na zona rural de Amambai. Dois blecautes deixaram no escuro moradores do município e ao menos 26 cabeças de gado morreram em decorrência de descargas elétricas. 
 
Produtor rural, Jorge Berlitz estimou que prejuízos somente em sua propriedade superem R$ 80 mil. Em entrevista ao site A Gazeta News ele relatou que a força do vento levou a cobertura de residências, barracão e do mangueiro de manejo do gado, além de derrubar postes de energia.
 
Na região do Kurussuambá, próximo a rodovia MS-156, ao menos quatro postes de uma rede elétrica trifásica de uma pedreira caíram e energizaram arame da propriedade de Jorge. Com isso, morreram 26 cabeças de gado entre touros, vacas prenhas, bezerros e novilhas.
 
A assessoria de imprensa da Energisa, concessionária de energia elétrica, reúne dados sobre os danos para se posicionar. Já a meteorologia prevê tempo encoberto na região com pancadas de chuva. Os termômetros oscilam entre 18ºC e 32ºC.

Veja também

Mais Lidas

1
Turismo

Primeira chef de cozinha indígena do país é de Aquidauana

2
Policial

Mineiro filmado maltratando sucuri em MS é multado e pousada é fechada

3
Aquidauana

Entregadores dos Correios de Aquidauana entram em greve contra perda de benefícios

4
Aquidauana

Casa do Trabalhador de Aquidauana oferece três vagas de emprego para hoje

Vídeos

Acidente na BR 262 próximo ao trevo de Dois Irmãos do Buriti

Entrevista Comandante Tito Lívio - Aeroclube de Aquidauana MS

Semana Nacional de trânsito inicia em Anastácio com blitz educativa

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
2,38m
Miranda
2,10m
Paraguai
3,39m

Colunas e Blogs

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

DEPOIS.....

Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: E AGORA, ARNALDO?

Valdemir Gomes

Adeus...

Ver Mais Colunas
498110558