A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
29 de Junho de 2017
Anuncie Aqui
8463
Pantanal

Flores dos ipês desabrocham e embelezam outono corumbaense

As flores do outono enchem os olhos de que as vê

15 JUN 2017 - 11h00min
Assessoria

Há aproximadamente uma semana, quem vive em Corumbá ou passeia pela cidade está tendo o privilégio de contemplar a beleza das flores roxas dos ipês. A floração aconteceu pouco depois do desabrochar das barrigudas, espécie famosa do pantanal por apresentar caule espinhoso e inchado, como se estivesse “barrigudo”. As flores do outono enchem os olhos de que as vê. Nos morros, terrenos, canteiros e quintais, por todo o lugar da cidade, a intensa coloração em meio ao verde gerado pelos dias mais úmidos tem chamado a atenção.
 
Os ipês têm uma sequência de floração, primeiro florescem os roxos, depois os amarelos e brancos e, por último, surgem os rosados, conforme a explicação da bióloga Marina Daibert. Marina é gerente de Arborização Urbana da Fundação de Meio Ambiente do Pantanal e afirmou que não há explicação lógica para o fenômeno, mas, apesar de serem todos ipês, cada cor representa uma espécie distinta.
 
É comum no outono as árvores perderem suas folhas e muitas delas gerarem flores, mas por causa das cores, as que mais são vistas são as dos ipês e das barrigudas, essas últimas muitas vezes confundidas com o ipê rosado. No outono, as árvores perdem as folhas com o intuito de se protegerem do período seco, já que é por elas é que se faz a clorofila e é feita sua transpiração. Sem as folhas, as plantas reservam energia para si e podem segurar a pouca umidade que existe nessa época. Como este ano está chovendo mais que o normal para a estação, as cores vivas das flores estão se destacando em meio ao verde intenso do pantanal.
 
Quando conseguem florir, os ipês produzem os frutos e as sementes que são espalhadas com o vento, por pássaros e insetos, a fim de garantir a perpetuidade da espécie na natureza. Os ipês roxos começam em junho e podem ser vistos até agosto, quando começam a florescer os amarelos. Muitos ipês naturais do Brasil, porém, de outros biomas, têm sido plantados na cidade, já que são árvores belas e que, por serem menores que os encontrados no pantanal, não atrapalham a fiação elétrica. Há mais de cem espécies de ipês espalhados pelo País.
 
Na zona urbana de Corumbá, os locais mais estratégicos para contemplar as flores do outono são nos morros que circundam o Anel Viário e o bairro Cristo Redentor. As tonalidades que variam do branco, passam pela cor rosada e chegam aos mais fortes tons de roxo saltam do imenso verde e formam, naturalmente, paisagem digna dos mais belos quadros de grandes artistas plásticos. No entanto, os moradores mais atentos vão perceber que essa beleza também pode ser vista nas calçadas da cidade.
 
Em meio à correria do dia a dia, da ansiedade do século XXI, as flores do outono mostram ao mundo outra faceta da vida: feita pacientemente de etapas, beleza e serenidade. A contemplação das flores é hoje. Que a pressa e os afazeres de cada dia não nos deixem admirá-las somente no ano que vem.

Veja também

Mais Lidas

1
Policial

Candidato a vereador de Aquidauana é preso por furto na Capital

2
Charges

Que papelão

3
Geral

Supermercados Princesa sorteiam ganhadores da Promoção do Mês

4
Aquidauana

Casa do Trabalhador de Aquidauana oferece três vagas de emprego

Vídeos

Sepultamento de Sophia Rondon

Uno estoura pneu e capota com cinco pessoas a caminho do INSS

Veículo pega fogo no Centro de Aquidauana

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
2,97m
Miranda
3,55m
Paraguai
4,77m

Colunas e Blogs

Raquel Anderson

Err....

Rosildo Barcellos

Heróis Brasileiros

Manoel Afonso

2018: Internet versus currais eleitorais

Ver Mais Colunas
481710688