A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
16 de dezembro de 2018
Anuncie Aqui
Dia do Turismólogo

O(A) TURISMÓLOGO(A) E O RIO: UMA METÁFORA DE INTERPRETAÇÃO

27 SET 2018 - 13h48min
Da Redação

Isabelle Pinheiro[1]

Marcos Pereira Campos[2]

“O rio que fazia uma volta atrás de nossa casa era a imagem de um vidro mole que fazia uma volta atrás de casa.

Passou um homem depois e disse: Essa volta que o rio faz por trás de sua casa se chama enseada.

Não era mais a imagem de uma cobra de vidro que fazia uma volta atrás de casa. Era uma enseada.

Acho que o nome empobreceu a imagem.” (Manoel de Barros)

A viagem, os roteiros, os meios de hospedagem, a gastronomia, a cultura e a natureza. Juntamente a isso, ou melhor, antes de tudo isso, os homens e mulheres: turistas, comunidade local, gestores públicos e privados. Eles e elas, construindo o turismo que conhecemos.

Dia 27 de setembro, dia Mundial do Turismo, e dia do/da Turismólogo(a), precisamos repensar sobre o sentido maior deste profissional.

Afinal, o que faz um Turismólogo(a)?

Esta pergunta acompanhou toda a nossa vida acadêmica e profissional. Explicamos por diversas vezes as nossas famílias, aos amigos, aos indiscretos que querem entender para que passamos de três a quatro anos na universidade para “aprender a viajar”.

Longe de querer conceituar, discutir teoricamente/epistemologicamente o fenômeno do Turismo, pensamos que talvez hoje, dada a importância da data, precisamos compreender o Turismólogo, na perspectiva do “rio que fazia uma volta atrás de nossa casa”.

Hoje, olhando para o passado, vivenciando o presente e vislumbrando um futuro promissor para o Brasil, entendemos que o Turismólogo(a) é o profissional mais interdisciplinar que existe. Nós pensamos “os lugares” através da lente do Turismo, em busca de um desenvolvimento mais equitativo e menos impactante.

Nós podemos valorar a riqueza natural e cultural de comunidades e lugares através do Turismo, possibilitando geração de emprego e renda, bem como, o sentimento de pertencimento pela localidade. Assim, nós pensamos os espaços turísticos não somente pelo olhar do turista ou das viagens, mas principalmente, pelo olhar da comunidade local, e na possibilidade de desenvolvimento que a atividade turística pode proporcionar para ela.

E se alguém nos perguntar hoje, o que faz o Turismólogo(a), respondemos:

Entenderemos que “o rio que fazia uma volta atrás de nossa casa era a imagem de um vidro mole que fazia uma volta atrás de casa”. Diante desta constatação, iremos planejar os espaços turísticos.

 


[1]Turismóloga, Doutora em Recursos Naturais, Docente do Curso de Turismo – UFMS/CPAQ.

[2] Turismólogo, Doutorando em Geografia, Docente do Curso de Turismo – UFMS/CPAQ

Veja também

Mais Lidas

1
Anastácio

Diabética e cega, jovem quer ajuda para fazer consulta e conseguir transplante

2
Anastácio

Família que perdeu tudo em incêndio precisa de doações para recomeçar

3
Aquidauana

Alespana e Marinha preparam fuzileiros para o mercado de trabalho em Aquidauana

4
Anastácio

Casa pega fogo, chamas consomem todos os pertences e matam o cachorrinho de casal

Vídeos

Entrevista com os produtores do Longa-Metragem sobre Sasha Siemel

Tráfego de carretas no cruzamento da Duque de Caxias causa preocupação na população.

4ª Marcha pela Vida - Aquidauana MS

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Paraguai
2,52m
Miranda
5,26m
Aquidauana
2,66m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Preciso...

Manoel Afonso

MDB sobreviverá sem Puccinelli?

Alessandro Arruda

As leis e nossa incapacidade de produzi-las

Ver Mais Colunas