A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
28 de Maio de 2017
Anuncie Aqui
8461
Pantanal sul-mato-grossense

Safári de onças une turismo e preservação

Visitas guiadas e armadilhas fotográficas trazem pistas de como lidar com a espécie

15 MAI 2017 - 10h38min
Estadão

No Pantanal sul-mato-grossense, a esperança tem forma de onça. No bioma onde o maior felino da América muitas vezes é sinônimo de medo e de ameaça ao gado – e onde matar um animal pode ser motivo de orgulho –, um projeto está promovendo a conservação da espécie com o auxílio do turismo de observação. E a esperança vem dando frutos. E netos. Literalmente.

Esperança é o nome de uma das primeiras onças acompanhadas pelo Onçafari, um projeto que importou e adaptou técnicas de observação de leopardos usadas na África para se aproximar do nosso maior gato na planície pantaneira. O trabalho, que teve início em 2011 por iniciativa do ex-piloto de corrida Mario Haberfeld, usa um recurso conhecido como habituação, no qual os pesquisadores se aproximam das onças com carros até que elas se acostumem com aquela presença e deixem ser vistas e estudadas. Guias e turistas em nenhum momento saem do veículo. A ideia é que o bicho não se acostume com a figura humana.

Isso, ao lado de 80 armadilhas fotográficas espalhadas pelo Refúgio Ecológico Caiman, uma propriedade de 53 mil hectares, vem permitindo entender melhor o comportamento das onças, o que traz pistas de como lidar com a espécie para que não seja uma ameaça ao pantaneiro. Por outro lado, permite que turistas e locais a vejam de perto, se encantem e conservem. O encantamento é a parte mais fácil dessa equação – como pôde constatar a reportagem em visita ao Refúgio Ecológico Caiman, em Miranda. 

Era fim da tarde de domingo. Recebemos pelo rádio a dica de que uma onça se alimentava não muito longe. Um grupo de 11 pessoas, que reunia pesquisadores, ambientalistas e jornalistas, subiu em uma caminhonete aberta adaptada ao safári, e rumamos para lá.

À beira da estrada, onde uma vegetação florestada mais alta cobria um pequeno riacho, a onça havia se entocado para pescar. Os guias que passaram a dica tinham conseguido vê-la antes de ela se esconder. Nós só conseguíamos ouvi-la. Um barulho seco, da espinha do peixe se quebrando. E a expectativa de que ela poderia se irritar com a nossa intromissão na hora de sua refeição.

O motorista decidiu contornar a matinha para tentar vê-la por trás. Mas acabamos atolados em um alagado, a apenas alguns metros de uma onça. 

Enquanto esperávamos o resgate, a tensão aumentava na mesma proporção em que éramos atacados por mosquitos. Será que descemos para empurrar o carro? Na cabeça, a lembrança da palestra era uma tentativa de buscar alguma racionalidade: uma onça dificilmente ataca o gado quando o grupo é grande, prefere animais sozinhos. O risco e o esforço não valem a pena. Além disso, fizemos uma barulheira com o motor na tentativa de desatolar. Ficaria ela intimidada? Mas e outros animais? Na água não haveria jacarés? 

Escurecia e outras imagem vinham à mente, a de duas camisetas à venda na lojinha da fazenda: “Uma onça me viu” e “Eu doei sangue pelo Pantanal”, já que os mosquitos seguiam implacáveis.

Ao sermos enfim rebocados, descobrimos que a onça continuava ali. Voltamos à estrada e paramos o carro. Dessa vez, ela estava muito mais perto, à beira da estrada. Imponente, nos lançou um olhar desinteressado e atravessou tranquilamente a estrada na nossa frente. Entrou no campo do outro lado e seguiu seu caminho. Ficamos olhando, admirados, até ela desaparecer.

Veja também

Mais Lidas

1
Policial

Detento do semi-aberto causa confusão em estabelecimento penal de Aquidauana

2
Aquidauana

Corpo de Bombeiros deve ser acionado pelo "190" em Aquidauana

3
Aquidauana

Gerências municipais preparam projeto para “rede” de ciclovias

4
Geral

Jovem é presa com mais de 13 kg de maconha em durante viagem de van

Vídeos

Alimentos feito com polpa de bocaiúva

Reforma sede da Rotai

Blitz educatica frente ao Exercito

Ver mais Videos

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
4,73m
Miranda
6,59m
Paraguai
4,04m

Colunas e Blogs

Raquel Anderson

Boi boi boi

Valdemir Gomes

Ufa!

Rosildo Barcellos

Amor em Preto e Branco

Ver Mais Colunas
481710634