X
Agricultura

Dia do Agricultor: da terra para mesa, MS tem mais de 4,4 mil empresas na zona rural

Conforme a Receita, são 1,6 microempresas e 1,2 mil microempresas individuais

Dia do Agricultor / Divulgação/SebraeMS

A decisão de empreender, desenvolver produtos e gerar renda pode ocorrer na cidade ou no campo. Em Mato Grosso do Sul, os negócios que estão na zona rural envolvem mais de 4,4 mil empresas, sendo que a maioria é microempresa (1,6 mil) e logo depois vem as microempresas individuais (1,2 mil), conforme dados da Receita Federal.

Dentro desse grupo estão os agricultores, que decidem tirar da terra, em trabalho aliado com a natureza, a produção e gerar oportunidades.

A agricultora Ianara Stral, que atua na agricultura familiar desde 2009, participou em um desses trabalhos conjuntos para descobrir novas técnicas e identificar oportunidades para crescimento do negócio de forma sustentável. Com apoio do Pró Pantanal, iniciativa do Sebrae para fomentar atividades econômicas existentes no bioma, ela viajou para a 16ª Feira de Sementes Nativas e Crioulas e Produtos Agroecológicos de Juti, no mês de julho. De Corumbá e Ladário, além de Ianara, outros 32 agricultores participaram da feira.

Horta Divulgação/SebraeMS

O Sítio Paraíso, onde vivem e trabalham Ianara e a mãe, Janes, recebe acompanhamento do Núcleo de Estudos de Agroecologia e Produção Orgânica do Pantanal (NEAP), da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Esse projeto ainda tem envolvidos a Embrapa Pantanal; os escritórios de Corumbá e Ladário da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer); o Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS) e a Fundação de Meio Ambiente de Ladário, órgão vinculado à Prefeitura local.

Localizado no assentamento Paiolzinho, no município de Corumbá, o sítio tem a plantação de uma horta e criação de porcos e frangos. A produção por lá é de alface, couve, almeirão, alface roxa, alface americana, pepino e berinjela. O negócio dela e da mãe está estruturado na venda de hortaliças frescas para consumidores cadastrados em uma lista própria do sítio, além de fornecimento para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

Conforme Ianara, que se formou em Engenharia de Produção, descobrir uma série de novas técnicas na feira, realizada em julho, vai ajudar no trabalho de produção sustentável. “A agricultura é um local onde pode dar muita renda, a gente precisa ter conhecimento, é preciso estar tudo integrado, parte teórica e parte prática. A gente aprendeu sobre um adubo de coisas que temos no nosso dia a dia. Exemplo é a mamona. Outro é o nim, que tem muito aqui no sítio e eu não fazia ideia de como ele poderia ser usado”, conta.

Ela detalha que o agricultor, hoje em dia, ainda precisa fazer uma análise constante do mercado para conseguir atender a demanda e garantir vendas. “A gente é produtor e vendedor (dos nossos produtos). Temos uma cartela de clientes e, geralmente, são esposas de militares, são militares, pessoas que são de fora da cidade. Eles têm conhecimento de produtos diferentes, como o ora-pro-nóbis, da taioba. Agora estamos com a ideia de aumentar nossa produção para atender esse público”, projeta.

E como a agricultora ressalta que o próprio sítio é um produto que merece atenção, ela e a mãe desenvolveram logomarca da propriedade e contrataram o serviço para terem um cartão de visita digital multimídia, que pode ser enviado via aplicativo de mensagens e contém várias informações, além de fotos do que é vendido.

Ianara ainda pontua que atuar em várias frentes é uma necessidade para conseguir manter o negócio e gerar renda na região. Como a produção é diversificada, ela contrata sitiantes próximos para ajudarem na horta e em outros afazeres do campo. Além disso, ela mantém no radar oportunidades para expansão e atender supermercados, além diversificar os negócios no próprio sítio, inserindo o turismo rural.

Para conseguir o equilíbrio entre produção e venda, a agricultora está investindo na propriedade, tanto para ter melhor resultado na colheita, como tornar o espaço favorável para receber clientes que queiram conhecer a produção e praticar o turismo rural. “Aos poucos, estamos estruturando a irrigação para termos produção contínua”.

Quem também está buscando oportunidades e se estruturando para o mercado local em Ladário e Corumbá é o agricultor Júlio Cezar de Souza Cristaldo, do sítio Boa Vista, que fica no Assentamento 72, no município de Ladário. Ele trabalha na propriedade com a esposa, o pai e a mãe dele.

No sítio, eles também cultivam limão, goiaba, abacate, mamão, manga, coco, tamarindo, cajá-manga, jabuticaba. Também preparam o cultivo da mandioca para a raiz ser vendida em Ladário nos próximos meses. “A gente aprende muito nessas feiras (como a de Juti) sobre como produzir de forma orgânica, é uma grande oportunidade. Hoje a gente tem muitos desafios porque nosso clima está seco, principalmente desde 2018. A gente está dando atenção para os porcos agora, com 50 animais. Mas temos também algumas hortaliças e vamos plantar mandioca”, detalha.

Além de aprenderem técnicas, os agricultores de Corumbá e Ladário também apresentaram oportunidades para a região sul do Estado, durante a Feira de Juti. Por lá foi apresentada uma espécie de mandioca que consegue ser comercializada no prazo de cerca de quatro meses após o plantio. Em geral, esse cultivo precisa de 8 meses para ser vendida. “Vamos ainda explorar essa oportunidade com os agricultores de outras regiões”, comenta Ianara Stral.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Economia

Novo leilão do Detran-MS tem o clássico Omega CD e Honda Fan em Dourados

Estão sendo oferecidos 131 lotes entre sucatas inservíveis, aproveitáveis e veículos de circulação

Meio Ambiente

PMA de Miranda apoia Produtores Rurais na destinação de embalagens de defensivos

Foram recolhidos aproximadamente 1000 kg de embalagens

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo