X
Brasil

FAB e Marinha transportam recém-nascido com três dias para cirurgia

A criança foi transportada em uma incubadora Babypod, de Rio Grande para Porto Alegre com o objetivo de realizar uma neurocirurgia especializada

Mais de 71 mil pessoas já foram resgatadas pelas Forças Armadas / Foto: Tenente Gabrielle Varela

Mais de 71.000 pessoas já foram resgatadas pelas Forças Armadas por via aérea, fluvial e terrestre, no contexto da Operação Taquari 2 em apoio ao Rio Grande do Sul. Dessas missões, muitas exigiram uma forte atuação de interoperabilidade entre as Forças, como foi o caso da evacuação aeromédica realizada, no domingo,2, de um recém-nascido com três dias.

A bordo de uma aeronave da Marinha do Brasil, a equipe médica da FAB (Força Aérea Brasileira) junto à tripulação do Segundo Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (HU-2) foram acionados da BACO (Base Aérea de Canoas) para cumprirem essa desafiadora missão. “O nosso acionamento foi próximo do pôr-do-sol, por isso tivemos que utilizar a capacidade dos óculos de visão noturna para realizar o pouso em Porto Alegre, para que o paciente tivesse melhor suporte das necessidades médicas”, destacou o Comandante da aeronave, Capitão de Corveta Douglas Paiva Aguiar.

A criança foi transportada do município de Rio Grande para Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, com o objetivo de receber tratamento mais especializado. “O bebê possui uma má formação grave na medula lombossacra, que ocasiona aumento da pressão no sistema nervoso central, por isso precisou de uma neurocirurgia especializada em um centro de alta complexidade em Porto Alegre”, destacou o Coordenador da equipe médica da FAB, Capitão Médico Vinicius Guimarães Tinoco Ayres.

Devido ao estado de saúde do bebê, foi necessário levá-lo em uma incubadora Babypod, que possui a mesma tecnologia utilizada para proteger pilotos da Fórmula 1, por exemplo. “Esse é o melhor equipamento que existe. Ele é no formato de um cockpit de um carro de Fórmula 1, justamente para proteger a criança de qualquer impacto, aceleração ou desaceleração. A criança fica bem protegida. Além disso, o equipamento não precisa ficar conectado na tomada e, mesmo assim, consegue manter bem a temperatura, deixando o ambiente aquecido para o bebê”, completou o Capitão Médico Ayres.

*Com informações da FAB e Marinha

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Saúde

Hospital Regional de MS lança 'Dia D' de cadastro de doadores de medula óssea

Servidores, acadêmicos, estagiários, residentes, funcionários terceirizados e instituições parceiras estão sendo convidados a participar dessa importante iniciativa que pode salvar vidas

Pantanal

Combate aos incêndios no Pantanal tem reforço de bombeiros do PR e GO

Operação Pantanal 2024 completa 114 dias nesta quarta-feira

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo