X
Cuidados e prevenção

Campo Grande é primeira cidade do mundo a implementar estratégia de controle da dengue

O objetivo é intensificar a implementação do Método Wolbachia na cidade

controle dengue / Divulgação/PMCG

Campo Grande vai desenvolver uma iniciativa inédita em todo o mundo através da mobilização e envolvimento de alunos de escolas da Reme (Rede Municipal de Ensino) tendo como objetivo intensificar a implementação do Método Wolbachia.

A técnica consiste no controle biológico de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, como a dengue, Zika e chikungunya, a partir da liberação de mosquitos com a bactéria capaz de inibir a transmissão das doenças.

O líder do WMP no Brasil, Luciano Moreira, destaca que os avanços obtidos em Campo Grande, sobretudo em relação ao engajamento e mobilização da comunidade, já podem ser considerados como referência.

“O trabalho que está sendo desenvolvido em Campo Grande é um exemplo. Nós viemos juntamente com o grupo de diretores que atuam em países como Austrália, Colômbia e Vietnã, para conhecer esse modelo", contou.

O Wolbito em Casa, como foi batizada a nova estratégia, vai envolver cerca de 3 mil alunos de 17 escolas municipais, de bairros das regiões urbanas do Bandeira e Prosa, que receberam a terceira fase de implementação do projeto.

Os alunos vão receber um kit contendo um recipiente, material informativo e cápsulas com ovos do mosquito Aedes aegypti com Wolbachia, os chamados Wolbitos, que serão “cultivados” até a fase adulta. A atividade será supervisionada por coordenadores e professores da Rede Municipal de Educação.

Eles serão divididos em dois grupos (A e B), em que cada um retira uma cápsula contendo ovos de Wolbitos e ração para as larvas a cada 15 dias. Toda a atividade deve durar 16 semanas.

“Pensamos na liberação comunitária como alternativa. Chamamos de “Wolbito em casa” e será uma oportunidade dos alunos observarem na prática todo o desenvolvimento de um inseto, permitindo também, aos professores, o desenvolvimento de atividades e trabalhos para serem elaborados e apresentados em feiras de ciências e entre as demais escolas da Reme”, justifica Antonio Brandão, Gestor de implementação do Método Wolbachia, em Campo Grande.

Wolbachia em Campo Grande

A soltura dos mosquitos com a bactéria Wolbachia teve início na Capital em dezembro de 2020. Ao todo serão seis fases de soltura em Campo Grande, que atualmente já se encontra na sua quinta fase de implementação. O método já está presente mais de 30 bairros de diferente regiões do Município.

A liberação dos Wolbitos faz parte da estratégia do Método Wolbachia, conduzida no país pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), com apoio financeiro do Ministério da Saúde, e que utiliza a bactéria Wolbachia para o controle de arboviroses, doenças que são transmitidas pelo Aedes aegypti.

No Brasil, o Método Wolbachia é conduzido pela Fundação Oswaldo Cruz, com financiamento do Ministério da Saúde, em parceria com os governos locais. Além de Campo Grande, ele atua no Rio de Janeiro (RJ), Niterói (RJ), Belo Horizonte (MG) e Petrolina (PE).

O primeiro local de atuação do WMP foi o norte da Austrália, em 2011, e opera atualmente em 12 países (Austrália, Brasil, Colômbia, México, Indonésia, Laos, Sri Lanka, Vietnã, Kiribati, Fiji, Vanuatu e Nova Caledônia).

Os casos dengue, doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypty, têm se mantido estáveis em Campo Grande. Há dois anos o Município não enfrenta uma epidemia da doença.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Corumbá

Cachorro invade avenida e derruba homem de bicicleta elétrica

O homem teve ferimentos nos membros superiores e inferiores e foi socorrido 

Miranda

Sucuri de 2,5 metros é capturada em Miranda

PMA foi acionada e resgatou a serpente em segurança

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo